Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Memória da TV

Em 1987, político americano se matou ao vivo na TV, mas Globo censurou

Reprodução

Budd Dwyer aponta arma pouco antes de cometer suicídio em transmissão ao vivo pela TV - Reprodução

Budd Dwyer aponta arma pouco antes de cometer suicídio em transmissão ao vivo pela TV

THELL DE CASTRO

Publicado em 10/1/2016 - 8h28

Uma cena forte chocou o mundo em janeiro de 1987. Acusado de corrupção, o político norte-americano Budd Dwyer cometeu suicídio com um tiro na boca durante uma entrevista coletiva transmitida ao vivo por emissoras de televisão da Pensilvânia. As imagens repercutiram em todo o mundo, inclusive no Brasil, onde não foram mostradas na íntegra, porque a Globo praticou autocensura.

Dwyer, do Partido Republicado, foi membro da Câmara e do Senado da Pensilvânia entre as décadas de 1960 e 1980. Em 1986, trabalhava no Tesouro Nacional quando foi acusado de receber a quantia de US$ 300 mil. A Justiça ofereceu a ele um acordo de delação premiada _semelhante aos que estão sendo feitos na Operação Lava Jato, no Brasil, quando o acusado assume a culpa e coopera com as investigações. Se aceitasse, poderia pegar, no máximo, cinco anos de prisão.

Mas Dwyer jurou inocência e recusou o acordo. Sem isso, a pena poderia chegar a 55 anos de cadeia e a devolução da quantia supostamente recebida.

Um dia antes do anúncio de sua sentença, o político convocou a imprensa prometendo esclarecer o caso. Quando todos pensavam que ele assumiria a culpa, veio a surpresa: Dwyer já havia arquitetado um plano para se matar em frente às câmeras.

Durante o encontro, ele novamente jurou inocência. "Eu agradeço ao bom Deus por ter me concedido 47 anos de desafios instigantes. Agora minha vida mudou, sem uma razão aparente. Eu enfrento uma pena máxima de 55 anos numa prisão e o pagamento de US$ 300 mil por ser inocente", declarou, dizendo-se vítima de perseguição política.

Após mais algumas palavras, citando os sistemas judicial e político dos Estados Unidos, Dwyer chamou três assessores, entregando um envelope a cada um deles: no primeiro, havia uma nota de suicídio para sua mulher; no segundo, a declaração de doação de órgãos; já no terceiro, uma carta para o governador da Pensilvânia.

Em seguida, o político pegou um quarto envelope, de onde retirou um revólver e avisou: "Por favor, deixem o recinto se isso os ofende". Os jornalistas ficaram desesperados e tentaram evitar o pior, mas não teve jeito. Dwyer avisou que o revólver poderia machucar alguém, enfiou o cano na boca e puxou o gatilho, caindo morto na hora.

Ouviram-se gritos no local, além da grande poça de sangue que se formou. Um assessor, em vão, pediu para que os presentes não entrassem em pânico.

Autocensura na Globo

As emissoras da Pensilvânia exibiram o fato ao vivo, perto do meio-dia, horário com grande audiência infantil _para piorar, ocorrera uma tempestade de neve naquela manhã e as escolas estavam fechadas. Os telejornais nacionais mostraram trechos do vídeo, mas não a cena completa.

O mesmo aconteceu no Brasil. O Jornal Nacional daquele dia citou o fato, mostrando Dwyer pegando a arma e dando o tiro, mas imagem foi congelada nesse momento, com o áudio do disparo prosseguindo.

Armando Nogueira (1927-2010), que era o diretor de jornalismo da Globo na época, explicou sua decisão no especial sobre os 50 anos da televisão brasileira, exibido pela emissora em 2000. "Eu mandei congelar a imagem, mantive o tiro, o áudio em cima da imagem. Isso é uma forma de autocensura, mas nós estávamos começando a dominar o veículo", declarou.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

TUDO SOBRE

Globo

Jornalismo

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?