Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

Ricardo Brajterman

'Carrasco' da Record, advogado coordena quase cem processos contra a emissora

Reprodução/Facebook

O advogado Ricardo Brajterman, conhecido por defender clientes famosos no Rio de Janeiro - Reprodução/Facebook

O advogado Ricardo Brajterman, conhecido por defender clientes famosos no Rio de Janeiro

FERNANDA LOPES

Publicado em 19/10/2017 - 6h27

Um advogado do Rio de Janeiro se tornou referência para ex-funcionários da Record que decidem entrar com ações judiciais contra a emissora. Conhecido na cena teatral da cidade, de onde vem boa parte de seus clientes, Ricardo Brajterman coordena atualmente quase cem processos contra a Record, de artistas, autores, jornalistas, técnicos e executivos. Por isso, passou a ser chamado de "carrasco".

Brajterman tem tantos clientes porque coleciona uma vitória após a outra. A última, ao lado do também advogado André Dallalana, foi na causa do ex-diretor de imagens Márcio Salim. Ele ganhou uma indenização de R$ 2,5 milhões pelos direitos trabalhistas que não recebeu enquanto foi contratado da emissora. Para arcar com esse pagamento, a Record teve que vender um imóvel avaliado em R$ 8 milhões.

Segundo o advogado, as reclamações dos ex-funcionários são as mesmas: a "pejotização", quando são contratados como prestadores de serviço terceirizados quando, na verdade, têm um claro vínculo empregatício.

"Há imposição da empresa para que o profissional seja pessoa jurídica. Em vez de receber 13º salário, aviso prévio, férias, FGTS e todos os encargos, ele recebe só o salário seco. Se não abre uma empresa para receber, não trabalha lá", conta.

"Mas você não pode terceirizar o trabalho de um artista. Não pode um dia estar o Tony Ramos [numa novela] e, no outro, o Francisco Cuoco. Eles têm carga horária, subordinação, assiduidade, frequência e todos os outros requisitos que configuram vinculo empregatício, não se pode chamar de prestador de serviços. A Justiça tem entendido que realmente são empregados e têm que receber direitos", explica.

Nos últimos anos, vários atores entraram com processo por esse motivo contra a Record. Dois já venceram: Cecil Thiré e Íris Bruzzi. Em fevereiro de 2016, Thiré ganhou ação trabalhista contra a emissora, com indenização estipulada em R$ 1,2 milhão. Já a atriz teve sua vitória em segunda instância confirmada em novembro do ano passado; a indenização foi estimada em R$ 1,5 milhão.

Brajterman explica que os valores, sempre altíssimos, têm a ver com salários que os profissionais recebiam e principalmente com as multas que a Record é obrigada a pagar. "O que aumenta a indenização, que dá esses valores elevadíssimos, são as multas pela empresa não ter recolhido os encargos trabalhistas, as horas extras". 

Ele também ressalta que a prática de terceirização nas emissoras é muito antiga e não é exclusiva da Record. "A imprensa toda, Globo, RedeTV!, Band, adota os mesmos vícios da Record, de tratar como PJ. Tem muitos [atores nessa situação] na Globo também, mas acho que têm receio de processar a líder do mercado", opina.

A Record, na verdade, abandonou a prática de contratar profissionais como pessoas jurídicas, uma consequência do grande número de ações trabalhistas. Neste ano, a emissora passou a registrar em carteira profissional atores e jornalistas mantendo o mesmo salário que eles recebiam como PJs.

Brajterman também já esteve envolvido em processos de clientes contra outras emissoras, mas por diferentes motivos. Em 2006, ele ajudou Carolina Dieckmann e Preta Gil a ganharem ações contra o Pânico na TV!, que exibiu imagens de dentro da casa da primeira e fez piada com um "caldo" que a segunda levou na praia. 

O advogado, que fez curso de teatro durante toda a infância e a adolescência, também ajuda artistas em processos imobiliários e de divórcio _atuou na separação de Sthefany Brito com o jogador de futebol Alexandre Pato, por exemplo.

"Fiz grandes amigos nesse período [do teatro] que se tornaram profissionais do ramo. Quando passaram a ter problemas, recorreram a mim, sou especialista em direito civil. Isso aí vai criando um nicho de clientela, são muitos anos na área", conclui.

TUDO SOBRE

Record

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?