Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

CARINA PEREIRA

Após ser demitida da Globo, jornalista diz que foi vítima de assédio na emissora

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Imagem de Carina Pereira no Bom Dia Minas

Carina Pereira no Bom Dia Minas, em 2019; jornalista disse que sofreu assédio na Globo Minas

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 13/1/2021 - 0h23
Atualizado em 13/1/2021 - 15h45

Após ser demitida da Globo Minas, a jornalista Carina Pereira disse que foi vítima de assédio na empresa. Na terça-feira (12), a ex-apresentadora do Globo Esporte MG afirmou que denunciou o caso aos departamentos de recursos humanos e compliance da emissora, porém "nada aconteceu" e ela teria sofrido represálias no trabalho.

"Sou muito grata pelos sete anos que vivi, mas já não estava feliz. Tem uns dois anos que não estava feliz, aconteceram algumas coisas. Enfrentei muito preconceito por ser mulher e, principalmente, por não ser desse meio [do esporte]. No começo, eram piadinhas dos colegas, algum tratamento diferenciado porque não era dali", disse Carina no Instagram.

"Só que depois, começou com o meu chefe. Ele fazia piadas, falava: 'Ah, a Carina consegue essa exclusiva aí porque é mulher, ela tem o que você não tem, ela oferece o que você não oferece'. Quando era colega, eu retrucava. Mas quando era o chefe, não, porque era alguém que respeitava, admirava e ficava calada. Não sei o porquê, mas eu ficava", prosseguiu a jornalista.

Carina explicou que, ao longo do tempo na emissora, a situação piorou: "Em 2018, teve uma viagem em que vários colegas foram, esse chefe foi. Ia tirar férias, aí meu outro chefe me procurou e falou: 'Você vai ficar só uma semana, mas aproveita, a experiência é incrível'".

"Aí, esse chefe falou assim: 'Um absurdo isso, estou indo trabalhar, fulano também. Só você que não! Engraçado, né? Acho que você está com fama de bonita mesmo porque os chefes estão pagando hotel cinco estrelas, passagem aérea só para te ver, te conhecer. Poxa, ser mulher é bom demais'", relembrou.

A jornalista falou que pediu para não participar da viagem, mas um dos chefes da emissora insistiu para que ela participasse da cobertura. "Quando chegou lá, teve uma reunião. O chefe de lá elogiou o meu trabalho, e esse chefe falou assim: 'A Carina faz sucesso mesmo, ela é até pedida em casamento no Instagram'. Ficava calada, mas aquilo me doía", destacou.

"Acabou a reunião, ele [disse]: 'Se fosse eu, fulano, ciclano, essa reunião não teria durado cinco minutos. Mas mulher né? Ser mulher é bom demais, fácil demais. Com você, a reunião durou meia hora'. Fui para o banheiro e fiquei lá trancada por três horas, não consegui sair de lá. Tinha vergonha, achava que estava em um lugar errado, que não era a pessoa certa", desabafou.

A ex-contratada da Globo Minas relatou que outros colegas sofreram assédio deste chefe e que, em conjunto, as vítimas decidiram denunciá-lo. "Primeiro a gente foi no RH, não adiantou muito. Aí fizemos uma denúncia no compliance, que é a ouvidoria da empresa. Assim, na época, nada aconteceu", comentou.

Represálias

Carina também detalhou que foi a única mulher a participar da denúncia. Em seguida, foi trocada de horário no trabalho e se sentiu prejudicada com a mudança. No relato, ela diz que realizou matérias na rua sem a presença de um cinegrafista e que, em uma das pautas, o conteúdo teve que ser editado por um profissional responsável pela supervisão de textos --e não de vídeo, como seria o adequado.

"Em 2020, veio uma chefe nova [e disse]: 'Ah não, vamos passar uma borracha em tudo, te ofereço uma página em branco. Para isso, preciso que você sente com o seu chefe, a gente converse e vou te orientar como se nada tivesse acontecido'. Eu fui e acho que talvez esse foi o maior erro da minha vida", opinou a jornalista.

Procurada pelo Notícias da TV, a Globo informou que "não tolera comportamentos abusivos em suas equipes e todo relato de assédio é apurado criteriosamente assim que a empresa toma conhecimento". No entanto, a emissora não comentará sobre a denúncia da jornalista por causa das regras do Código de Ética empresarial.

Confira o depoimento de Carina Pereira:

Confira o comunicado da Globo na íntegra:

A Globo não tolera comportamentos abusivos em suas equipes e todo relato de assédio é apurado criteriosamente assim que a empresa toma conhecimento.

A empresa não comenta questões relacionadas a Compliance, pois, de acordo com o Código de Ética do Grupo Globo, assume o compromisso de investigar toda e qualquer denúncia de violação de regras, assim como o de manter sigilo dos processos, não fazer comentários sobre as apurações e tomar as medidas cabíveis, que podem ir de uma advertência até o desligamento do colaborador.

Mesmo nas hipóteses de desligamento, as razões de Compliance não são tornadas públicas. A empresa é muito criteriosa para que os estilos de gestão estejam adequados aos comportamentos e posturas que a Globo quer incentivar e para que as medidas adotadas estejam de acordo com o que foi apurado.


Leia também

Web Stories

+
Ex de Anitta e rei da pegação: Gui Araujo é o primeiro fazendeiro de A Fazenda 13Elenco, estreia e bastidores: Saiba tudo sobre o reboot de Um Maluco no PedaçoAgressão e barraco em festa clandestina: Veja histórico dos peões de A Fazenda 13Vereda Tropical no Globoplay: Veja por onde andam cinco atores sumidos da novelaGlobo Esporte, Zero 1 e BBB: Confira trajetória de Tiago Leifert na Globo

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Você gostou do elenco de A Fazenda 13?