Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

NA BAHIA

Afiliada da Globo entra em crise com coronavírus e anuncia corte de 25% de salários

Reprodução/Rede Bahia

A apresentadora Jessica Senra em edição de 6 de abril do Bahia Meio Dia, da Rede Bahia

A apresentadora Jessica Senra no Bahia Meio Dia, da Rede Bahia: afiliada vai cortar salários

REDAÇÃO

Publicado em 7/4/2020 - 13h19

A crise do coronavírus já mexe com as finanças das emissoras. A Rede Bahia, afiliada da Globo com sede em Salvador, anunciou na segunda-feira (6) que vai cortar 25% dos salários de seus colaboradores, assim como suas jornadas de trabalho. Em troca, a empresa se compromete a manter os empregos de todos durante, pelo menos, 180 dias.

A decisão começa a valer a partir do dia 15 e segue o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda do Governo Federal, criado em medida provisória de 1º de abril. Para complementar a renda, os trabalhadores receberão mensalmente do governo federal um benefício correspondente a 25% do valor do seguro desemprego a que teriam direito.

"Neste cenário tão adverso, no qual temos visto uma redução acelerada da atividade econômica e consequentes impactos nas nossas receitas, temos nos dedicado em buscar soluções para simultaneamente garantir o equilíbrio financeiro das operações e a preservação dos postos de trabalho", informa comunicado distribuído pela Rede Bahia a seus colaboradores, ao qual o Notícias da TV teve acesso.

"Nos termos da medida provisória, será garantido ao colaborador a manutenção do seu emprego pelo período de vigência desta redução de 90 dias e por outros 90 dias subsequentes", continua o texto.

A afiliada notifica ainda que a redução de 25% não valerá apenas para o salário-base, mas para quase todas as verbas salariais, inclusive comissões, gratificações por função, prorrogações de jornada, acúmulos de função e bônus por produtividade.

Com relação ao banco de horas, a Rede Bahia determinou que nenhum funcionário em esquema de home office poderá trabalhar além do seu expediente normal. Com relação a horas extras anteriores, a elas levarão até 18 meses para serem pagas.

O comunicado da Rede Bahia a seus colaboradores não deixa claro o que acontecerá com funcionários que não aceitarem o acordo individual de redução de salário e jornada. Apesar de essa ser uma questão no tira-dúvidas do informe distribuído, a resposta foge do assunto.

"Todos os colaboradores que aderirem ao acordo terão garantia do seu emprego durante o prazo de vigência do acordo individual (90 dias) e após o encerramento do acordo com igual período de duração (90 dias)", desconversa a empresa. Nos bastidores, há o temor de que o destino de quem não aceitar abrir mão de um quarto do salário será a demissão.

"A empresa tem consciência do quanto essas ações vão impactar na vida de cada colaborador e acredita na compreensão por parte de todos, para que juntos sejam superados estes momentos difíceis", finaliza o comunicado.

Prêmio NTV Melhores do ano

Leia também

Enquete

Qual foi o melhor telejornal ou programa jornalístico do ano?

Web Stories

+
Divórcio, tragédia e treta: 5 notícias que peões de A Fazenda 13 não sabemJuan Paiva rouba a cena em Um Lugar ao Sol; conheça a história do atorGui Araujo deixa A Fazenda 13 após expor lado prepotente e preconceituoso; relembreDe série na Netflix a aposentadoria: Por onde anda o elenco de O Cravo e a Rosa?Vladimir Brichta contracena com a filha em Quanto Mais Vida, Melhor; veja outros casos

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas