Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

PROCESSO MILIONÁRIO

Acusada de plágio, Globo comprou marca A Dona do Pedaço por R$ 300 mil

JOÃO MIGUEL JR./TV GLOBO

Na pele de Maria da Paz, protagonista de A Dona do Pedaço, Juliana Paes está segurando dois bolos

Para usar o título na novela protagonizada por Juliana Paes, Globo pagou R$ 300 mil

CARLA BITTENCOURT, colunista

carla@noticiasdatv.com

Publicado em 18/5/2022 - 13h59

Para usar o nome A Dona do Pedaço no título da novela de Walcyr Carrasco, a Globo pagou a "pechincha" de R$ 300 mil. A emissora comprou a marca de Aderson Rozani, ex-diretor do programa de mesmo nome criado por Sandra Rodrigues Campos, em 2004. A cozinheira alega que sua história foi copiada e que ela é a verdadeira Maria da Paz, criada por Carrasco e interpretada por Juliana Paes. O caso foi apresentado em São José do Rio Preto, interior de São Paulo.

Segundo os autos, aos quais o Notícias da TV teve acesso, a vendedora pede R$ 5 milhões por danos materiais, R$ 5 milhões por danos morais e mais R$ 5 milhões de indenização por lucros cessantes. Sandra também quer proibir que a Globo use a marca A Dona do Pedaço, que afirma se referir a ela desde 2004.

reprodução

Sandra e Aderson, ex-diretor do programa

Sandra era gerente comercial na produtora de Aderson e fazia bolos para complementar a renda da família. Ele insistiu para a colega assumir o comando de um programa de culinária quando a apresentadora fraturou o nariz, e o sucesso foi tão grande que Sandra nunca mais saiu da frente das câmeras. Ao ler uma reportagem sobre mulheres empreendedoras, ela gostou da expressão "as donas do pedaço" e sugeriu ao chefe, que passou a ser seu empresário.

Aderson resolveu batizar a atração como A Dona do Pedaço, já que ela seria a única apresentadora. Sandra registrou a marca e a ideia apenas no cartório da cidade porque não tinha dinheiro para fazê-lo no INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial). O patrão, então, combinou de fazer o registro no órgão correto porque os dois tinham planos de, com o sucesso do programa, ter um restaurante com o mesmo nome.

A atração ia ao ar na TV Gente, emissora local, que foi ao ar pelo canal eventual 15 da NET Rio Preto. No programa, a boleira preparava uma receitas e comandava entrevistas.

Seu nome ganhou destaque na comunidade, e Sandra passou a ser conhecida por todos como A Dona do Pedaço, além de virar personagem de algumas reportagens em veículos locais.

A atração durou quatro anos, o restaurante nunca saiu do papel e, em 2019, Aderson foi procurado pela Globo. Sem avisar Sandra, ele vendeu a marca para a emissora. Dessa forma, a boleira não pode mais usar o apelido que criou em 2004.

Reprodução

Documento que mostra a venda da marca

Sandra afirma que foi surpreendida quando a novela batizada com seu apelido entrou no ar no horário nobre da Globo. Na trama, a atriz Juliana Paes deu vida à protagonista, Maria da Paz, divorciada, com uma filha (Josiane, papel de Agatha Moreira) e de origem humilde. A personagem encontra nas receitas de família o segredo para se tornar uma famosa boleira.

O imbróglio entre a Globo e a cozinheira pode não demorar muito para ser resolvido. Isso porque a emissora procurou o advogado de Sandra pedindo uma conversa extrajudicial para propor um acordo. A pressa tem razão de ser: a novela está sendo exibida em Portugal, com uma excelente audiência por lá, e a emissora não quer correr o risco de ter que tirar a trama do ar caso a liminar proibindo o uso da marca seja deferida.

Procurada, a Globo --que já foi citada pela Justiça-- afirmou que "não comenta casos sub judice". Já o autor Walcyr Carrasco não respondeu às mensagens desta reportagem.


Leia também

Enquete

Pantanal perde audiência: novela está chata?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.