Charlie Harper

Personagem de Two and a Half Men já saiu com mais de 40 mulheres

Divulgação/CBS

Charlie Sheen com as atrizes Jennifer Bini Taylor e Tricia Helfer em cena da série Two and a Half Men - Divulgação/CBS

Charlie Sheen com as atrizes Jennifer Bini Taylor e Tricia Helfer em cena da série Two and a Half Men

JOÃO DA PAZ - Publicado em 24/10/2014, às 12h40 - Atualizado em 26/10/2014, às 16h53

Três anos depois de ter sido demitido, Charlie Sheen é ainda sinônimo de Two and a Half Men. Durante oito temporadas da série, o ator interpretou Charlie Harper, um produtor de jingles milionário e mulherengo, que protagonizou os melhores romances da comédia. Em oito anos, ele se envolveu com mais de 40 mulheres, dos mais diferentes tipos, mostra um levantamento do Notícias da TV. Suas aventuras sexuais ajudaram Two and a Half Men a se tornar um grande sucesso. A 12ª e última temporada da série, que pode ter a volta de Sheen, estreia na próxima quinta (30) nos Estados Unidos e no dia 6 no Brasil, na Warner. 

Sheen foi demitido após ter sido internado em uma clínica de reabilitação e de ter criticado o produtor executivo Chuck Lorre e a rede norte-americana CBS. Os roteiristas decidiram matar Charlie (o Harper, não Sheen) em um atropelamento de trem. No mês passado, Sheen sinalizou um possível retorno. Apresentou uma ideia mirabolante para reaparecer nos últimos momentos da série.  

O mulherengo Charlie experimentou de tudo, desde uma mulher que lembra a própria mãe até uma parecida com ele, passando por garotas obcecadas, interesseiras e satânicas. Relembre os sete romances mais loucos do playboy:

A atriz Melanie Lynskey interpreta Rose desde o piloto de Two and a Half Men

Rose, a obcecada: Foi o primeiro caso de Charlie. Uma noite só não foi o suficiente para a personagem de Melanie Lynskey, que passou a persegui-lo, até presenciar a morte do amante numa estação de trem em Paris. Sem ter o amor correspondido, Rose não deixava Charlie em paz. As constantes aparições na varanda da mansão do milionário continuam sendo uma marca da personagem.

Jennifer Bini Taylor, como Chelsea Melini, apareceu em 31 episódios da comédia

Chelsea Melini, o verdadeiro amor: Entre as mais de 40 mulheres com quem Charlie se relacionou, a persoanagem de Jennifer Bini Taylor foi a única a ter o amor sincero do bon vivant. Ele até popôs casamento. Chelsea morou na casa de Charlie, mas o convívio não faz bem para o mulherengo, a ponto de ele alugar o antigo apartamento dela para ter um tempo sozinho. Ela o trocou por um advogado, e o playboy ficou arrasado.

Charlie Sheen e Emmanuelle Vaugier, que interpretou a conservadora Mia Adams

Mia Adams, a conservadora: Um caso que tinha tudo para dar errado durou muito. Mia (Emmanuelle Vaugier) foi a primeira mulher a ter um relacionamento sério com Charlie. O problema é que ele tinha de abrir mão de prazeres como sexo (com outras mulheres), bebida e charuto para continuar com Mia. O mulherengo não honrou o compromisso. Fez tudo o que gostava às escondidas.

Jenny McCarthy interpretou Courtney Leopold em oito episódios da série

Courtney Leopold, a interesseira: O irmão de Charlie, Alan (Jon Cryer), tentou ser a voz da razão, o aconselhando a não entrar em um relacionamento com Courtney (Jenny McCarthy). Mas não deu certo. O "pegador" se encantou pelo corpo escultural de Courtney e transou com ela. Em seguida, foi induzido a comprar uma Ferrari para ela. Courtney tentou sugar todo o dinheiro de Charlie. Após idas e vindas, os dois decidiram terminar a relação.

A atriz Jeri Ryan como Sherri, uma mulher com atitudes iguais às de Charlie

Sherri, a versão feminina: Por mais assustador que pudesse parecer para Charlie, era a personagem interpretada por Jeri Ryan que transava com Chalie, e não o contrário. Ela bancava a difícil e manipulava o mulherengo, que não ligava para isso até perceber os papéis invertidos na relação. Após o fim do caso, Sherri começou a sair com Alan (Jon Cryer).

Katherine LaNasa e Charlie Sheen encaram a atriz Holland Taylor, que interpreta a mãe de Charlie

Lydia, a ‘mãe’: Existe a história de que todo homem procura uma mulher com características iguais à figura materna. Pois bem, Charlie encontrou essa pessoa em Lydia (Katherine LaNasa), que lembrava muito a mãe dele, Evelyn (Holland Taylor): além de mandona e manipuladora, trabalhava como corretora de imóveis e se vestia do mesmo jeito.

Jodi Lyn O’Keefe com o garoto Angus T. Jones em episódio da terceira temporada da série

Isabella, a satanista: O que era para só um sexo casual virou um relacionamento macabro. Isabella (Jodi Lyn O’Keefe) convenceu Charlie a participar de um culto satânico em troca de sexo com 13 mulheres. Após duas noites de sexo, o bon vivant acordou com um pentagrama desenhado na barriga. Isabella estava tentando ficar grávida de Charlie. A criança, supostamente, viria para propagar o terror em todo o mundo.


​► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual reprise da Globo você mais quer ver?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook