Ted Sarandos

Nem o chefe da Netflix assiste a tudo na plataforma: 'É humanamente impossível'

Divulgação/Netflix

O ator Dylan Minnette na segunda temporada de 13 Reasons Why, próxima grande estreia da Netflix - Divulgação/Netflix

O ator Dylan Minnette na segunda temporada de 13 Reasons Why, próxima grande estreia da Netflix

REDAÇÃO - Publicado em 07/05/2018, às 18h21

O calhamaço de séries, filmes e outras atrações despejado na Netflix toda semana não deixa só o telespectador perdido. Até o chefe de conteúdo da empresa, Ted Sarandos, confessa não assistir a tudo o que entra na plataforma. "É humanamente impossível", disse o executivo em evento, nesta segunda (7), em que lançou campanha para o Emmy.

Sarandos falou que antigamente tinha tempo para "ver cada cena e ler cada roteiro" das produções originais da Netflix. Agora, muita coisa ele terceiriza. "Eu tenho uma equipe que faz isso para mim", revelou em entrevista para o site da revista The Hollywood Reporter.

Somente no mês passado, a Netflix lançou 39 atrações, entre séries, filmes, especiais de comédia stand-up e documentários. Neste ano, a empresa de streaming fará sua maior campanha destinada ao Oscar da TV. Serão promovidos 60 títulos para conseguir indicações, que serão anunciadas em 12 de julho.

Atores de produções da Netflix presentes ao evento realizado em Hollywood também opinaram sobre o excesso de conteúdo na plataforma. Britt Baron, de Glow, mostrou ser gente como a gente e foi franca ao dizer: "Há tanta coisa [na Netflix] que dá para ficar por horas só navegando. Perco muito tempo com isso". 

Após dizer que fica estressado toda vez que entra na Netflix, a atriz Logan Browning, protagonista de Dear White People, deu uma dica para achar alguma coisa para assistir. "Eu geralmente vejo o que está mais popular, o que é tendência na plataforma", disse.

Maratona no sofá
O cliente da Netflix pode se preparar, porque vem mais por aí. Somente neste ano, a empresa promete gastar US$ 8 bilhões (R$ 28 bilhões) em conteúdo próprio, mesmo sabendo que o público prefere ver Grey’s Anatomy e Friends (1994-2004).

De acordo com Cindy Holland, que comanda o departamento de produção original, o objetivo não é esperar que o assinante veja tudo o que está disponível, mas que haja opções variadas para ele encontrar algo que lhe agrade.

"Nós não temos a intenção de que todo programa atinja todas as pessoas, mas definitivamente queremos que o telespectador encontre seu programa favorito na Netflix", disse.

Leia também

 

 

Enquete

O que você achou do vaivém de Datena na Band?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook