Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

UNREAL

Em pausa de realities, série no Globoplay é remédio para dependência

DIVULGAÇÃO/LIFETIME

Rachel Goldberg (Shiri Appleby) e Quinn King (Constance Zimmer) foto de divulgação em UnReal

Rachel Goldberg (Shiri Appleby) e Quinn King (Constance Zimmer) em UnReal: série de realities shows

DANIELE AMORIM

daniele.amorim@noticiasdatv.com

Publicado em 23/12/2020 - 6h45

Com o fim de A Fazenda 12 e a estreia do Big Brother Brasil 21 somente em janeiro, os fãs de reality shows estão órfãos de conteúdo inédito do gênero. Porém, a série UnReal pode ser o antídoto para quem ficou viciado em acompanhar barracos entre participantes confinados e aguarda ansiosamente pela nova edição do programa da Globo.

A série norte-americana, disponível no Globoplay desde novembro,  conta a história de Rachel Goldberg (Shiri Appleby), produtora do reality show fictício Everlasting --uma espécie de The Bachelor, no qual um solteiro é cobiçado por um elenco de lindas mulheres.

O trabalho da jovem é manipular situações entre os participantes do programa de encontros amorosos para conseguir uma boa audiência. O telespectador aprende logo de cara que Rachel está com sua reputação abalada pois, na edição anterior de Everlasting, ela havia sofrido um colapso nervoso.

Agora, a produtora volta a trabalhar no reality de namoro e precisa recuperar o prestígio de sua posição e lidar emocionalmente com o turbilhão de sentimentos do reality show.

Além de ter que fabricar situações entre os participantes para agradar ao público, a produtora precisa lidar com dois personagens tóxicos. A chefe abusiva Quinn King (Constance Zimmer) e o criador do programa, Chet Wilton (Craig Bierko) --que é um assediador.

A atração tem quatro temporadas e está disponível na íntegra no Globoplay. Elogiada, UnReal chegou a receber duas indicações ao Emmy em 2016: melhor atriz coadjuvante (para Constance Zimmer) e melhor roteiro em série de drama.

Experiência real

Sarah Gertrude Shapiro, uma das criadoras da série, pode se considerar graduada em matéria de reality shows amorosos. A roteirista de UnReal trabalhou durante muitos anos no sucesso da TV norte-americana The Bachelor, e muitas de suas experiências reais foram trazidas para a obra.

Em entrevista para a revista The New Yorker, Sarah lembrou que foi obrigada por seus superiores a fazer uma das participantes do programa chorar --a jovem havia sido rejeitada pelo solteirão da temporada. Para atingir seu objetivo, a produtora apelou para a gordofobia e perguntou à convidada se ela tinha sido eliminada da competição por conta de seu peso. 

"Eu sabia que a participante tinha problemas alimentares. A mulher começou a chorar e a hiperventilar. Eu fiz as câmeras seguirem a garota até a minivan que a esperava para levá-la ao aeroporto", disse a roteirista.

Só de imaginar o que a ex-roterista passou em The Bachelor, é possível mensurar o que o espectador pode aguardar no trama de UnReal. Ficou interessado? Confira o trailer da primeira temporada abaixo:


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Você gostou do final de Amor de Mãe?