Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

SETEMBRO

Após polêmica nos EUA, Amazon busca atriz trans para estrelar série nacional

Fotos: Divulgação/TV Globo

As atrizes Maria Clara Spinelli em Supermax, Linn da Quebrada em Segunda Chamada e Glamour Garcia em O Dona do Pedaço

Maria Clara Spinelli, Linn da Quebrada e Glamour Garcia: atrizes trans que ganharam vitrines na Globo

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 5/12/2019 - 5h30

No pacote de séries nacionais do Prime Video, chamou a atenção o anúncio de Setembro, drama com toques cômicos sobre uma cantora trans que descobre um filho perdido. Para o papel principal, a Amazon e a produtora O2 buscam uma atriz transgênero. Assim, evitam repetir os erros de Transparent (2014-2019), série norte-americana do serviço que gerou polêmica ao escalar o ator cis Jeffrey Tambor para o papel principal.

A atração criada por Jill Soloway para a Amazon ganhou oito Emmys e dois Globos de Ouro, incluindo três estatuetas para o próprio Tambor. No entanto, a prateleira lotada de prêmios acabou ofuscada pelos dramas dos bastidores: o protagonista foi demitido no quarto ano da série após ser acusado de assediar sua assistente pessoal e uma atriz do elenco, ambas transexuais.

Depois de um hiato de dois anos, a quinta temporada foi trocada por um episódio musical mais longo, lançado em setembro. Na história do capítulo especial, com formato de filme, a personagem de Jeffrey Tambor está morta, e sua família decide cantar para se despedir dela. A conclusão da saga foi criticada por fãs e manchou uma série que poderia ter entrado para a história da televisão mundial.

jennifer clasen/amazon

Jeffrey Tambor em cena de Transparent: polêmicas nos bastidores tiraram brilho da comédia

O Prime Video, pelo menos, parece ter aprendido a lição, e se cercou de cuidados para evitar novas controvérsias. No Brasil, além de buscar uma atriz trans que tenha cacife para carregar Setembro nas costas, escalou a roteirista Alice Marcone, também trans, para a equipe de escritores, liderada por Josefina Trotta.

"Eu sempre acho que a sala de roteiros é o lugar da diversidade. Além da temática da série, acho importante trazer olhares diferentes, sensibilidades diferentes. Nesse processo, encontramos a Alice Marcone e o Marcelo Montenegro. A nossa sala é formada por paulista, mineiro, argentina, homem, mulheres, cis, trans, hétero e gay. Acho que isso foi importante para criar essa série específica", valoriza Josefina.

Alice ressalta, porém, que não vai ficar restrita aos aspectos trans da trama. "A minha transgeneridade não é a única coisa que importa ali dentro. Eu sou uma mulher trans, mas sou também roteirista, atriz e cantora, e essas três últimas coisas dizem muito mais do que a primeira", discursa ela, que também participou das séries Todxs Nós, da HBO, e Noturnos, do Canal Brasil.

"Muitas vezes, quando a gente fala de diversidade, cai numa armadilha que é rotular os corpos, transformar em uma coisa só. 'Eu sou apenas uma trans, e falo só desse lugar' ou 'Eu sou apenas uma mulher negra, e falo só desse lugar'. Estou cansada desse 'apenas'. Sou roteirista, quero fazer de tudo. Me chamem para [escrever] o Velozes e Furiosos de vocês (risos)!", protesta a escritora, sem perder o bom humor.

reprodução/o2 filmes

Liniker (terceira à esq.) com a produtora Andrea Barata, o diretor Luis Pinheiro e os roteiristas

Segundo Alice, o fato de a protagonista de Setembro ser trans é apenas um aspecto da personagem. "O arco da Cassandra não é sobre a transição, ela já é uma mulher, realizada. O tema central da série é a família, e a atualização desse conceito. A gente tem de mostrar novas configurações, e tem de peitar esse governo que está falando que família, biologicamente, é só o homem e a mulher", ressalta.

Até o momento, Josefina, Alice e Montenegro trabalham nos textos dos episódios da série, que deve começar a ser gravada no ano que vem, mas ainda não tem previsão de estreia no Prime Video. Assim, eles não divulgam nenhuma informação sobre o elenco e não fazem ideia de quem vai interpretar Cassandra.

O Notícias da TV apurou, porém, que a cantora Liniker teve uma reunião com a equipe da atração, inclusive o diretor Luis Pinheiro e a produtora Andrea Barata Ribeiro, na O2 Filmes. Mais conhecida por sua carreira musical, a artista já participou de um episódio da segunda temporada de 3%, na Netflix.


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Você acha que a Globo deu um tiro no pé em reprisar uma novela tão recente como A Força do Querer?