CRÍTICA

Com Éramos Seis, Gloria Pires encara tarefa ingrata e leva novela nas costas

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Atriz Gloria Pires como Lola em cena da novela Éramos Seis

Gloria Pires vive a protagonista Lola, personagem marcante nas versões anteriores de Éramos Seis

RAPHAEL SCIRE - Publicado em 05/10/2019, às 05h30 - Atualizado às 05h31

A tarefa de encarar uma personagem que habita a memória afetiva de grande parte do público é no mínimo ingrata. Dona Lola, a protagonista de Éramos Seis, nova novela das seis da Globo, atravessa gerações na trama que ganha agora a quinta versão para a televisão. Gloria Pires, depois de papéis que estavam bem aquém do seu talento, como Babilônia (2015) e O Outro Lado do Paraíso (2017), finalmente tem em mãos uma personagem que faz jus a seu nome.

Lola é, antes de tudo, uma mulher sem grandes nuances: a doçura da mãe de família segue com ela em todos os momentos da história, mesmo nos mais difíceis. É uma personagem solar, mas que ao mesmo tempo contida na aflição de manter a harmonia familiar.

A responsabilidade de Gloria é ainda maior pois toda a força de Éramos Seis gira em torno de sua personagem. Qualquer deslize que cometesse poderia colocar tudo a perder. Delicada no gestual, Lola tem um ótimo contraponto com a brutalidade do marido, Julio (Antonio Calloni) e a parceria dos atores em cena também funcionou.

Gloria apostou ainda na sutileza, como na composição do sotaque paulista, com uma prosódia quase imperceptível, e acertou no tom ao conseguir transmitir uma alternância de sentimentos. Ao se distanciar das outras intérpretes de Lola, Gloria deu à sua criação características únicas e não é de se espantar que carregue a novela nas costas. 

Éramos Seis é uma novela sem atropelos e flerta com uma certa inocência infantil que casa perfeitamente com o horário em que é exibida. O humor é bem dosado, com destaque para Eduardo Sterblitch (Zeca) e Maria Eduarda de Carvalho (Olga). A cena em que ele a leva para a ferroviária em um carro de bois, por exemplo, foi engraçada e não caiu no pastelão.

Por fim, não há vilania exacerbada, e os conflitos dos personagens são compostos pelos contratempos cotidianos, como as dificuldades financeiras, as brigas fraternais e as picuinhas entre os vizinhos.

A saga familiar é um tema que atinge qualquer público, e o folhetim é uma aposta certa em tempos de conservadorismo do público e, consequentemente, das narrativas que são exibidas na TV atual (salvo raríssimas exceções). A simplicidade é a tônica de Éramos Seis.

O ritmo da narrativa, a fotografia sem exageros de cores, a reconstrução de época, o elenco afiado, tudo parece um casamento bem arranjado. A única coisa que destoa do restante da novela é a abertura com música instrumental, em tom épico, distante demais do afeto que Lola e sua família mostram em cena. 

Com Éramos Seis, a Globo manda um recado claro: não é tempo de experimentalismos nem extravagâncias. O formalismo é a regra que parece imperar na novela. Colocar Gloria Pires como a protagonista certamente é atestar que não quer correr riscos. Só mesmo uma atriz com sua tarimba seria capaz de criar com características únicas um tipo já explorado em outras produções.

Últimas de Éramos Seis

Resumos semanais

Resumo da novela Éramos Seis: Capítulos de 18 a 26 de outubro

Sexta, 18/10 (Capítulo 17)
Lola rejeita a ideia de Júlio. João avisa a Afonso que pretende levar Shirley e Inês para Salvador. Isabel fala de sua festa com Júlio, que é rude com a menina. Shirley apoia Afonso quando ... Continue lendo

Outras novelas

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Você está curtindo o programa Se Joga?
Sim, é divertido e leve.
22.27%
Não é horrível, mas também não é bom.
26.34%
Não, achei muito ruim, uma vergonha.
27.00%
Prefiro A Hora da Venenosa.
24.40%

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook