Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

FELIPE BRAGANÇA

Diretor de novo Macunaíma detona Bolsonaro: 'Quer cancelar o século 20'

Reprodução/YouTube

Felipe Bragança durante entrevista em canal no YouTube

Felipe Bragança em vídeo publicado no YouTube; diretor de Macunaíma criticou atitudes de Bolsonaro

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 8/1/2021 - 16h42

Felipe Bragança, diretor da nova adaptação de Macunaíma (1928), obra do escritor brasileiro Mário de Andrade (1893-1945), soltou o verbo e detonou Jair Bolsonaro por seus atos contra a cultura do país desde que assumiu a presidência. Para o cineasta, o presidente "quer cancelar o século 20".

Em entrevista à Variety, Bragança revelou que a crise política vivida pelo Brasil nos últimos anos serviram como inspiração para o desenvolvimento do longa.

"Eu tenho o sentimento de essa crise foi meio que uma perda de identidade. O Brasil parece estar desaparecendo. A ideia de Jair Bolsonaro é cancelar o século 20 do Brasil, sua cultura mista, voltar ao país do século 19 onde os brancos comandavam e os outros deveriam ficar felizes apenas por terem um trabalho", criticou.

Na opinião do cineasta, apesar de todos os esforços de Bolsonaro, a cultura brasileira ainda resiste.

"Nossa cultura ainda existe, mesmo que menos idealizada do que antes. Macunaíma, assim como meus outros filmes, reflete essa crise que estamos vivendo atualmente", acrescentou.

Sobre a nova adaptação, Bragança disse que manterá a essência da obra de Andrade, mas com um olhar mais contemporâneo da cultura brasileira.

"Existe uma sentença em um poema do próprio Mario de Andrade que diz: 'Eu não sou apenas uma pessoa, sou 300'. A ideia de que nós somos uma mistura de muitas coisas, não apenas uma, mas não estou interessado na ideia dos anos 1940 e 1950 de que o Brasil, com sua mistura racial, é uma utopia perfeita. Isso seria um erro", disse.

O diretor termina dizendo que, para ele, Macunaíma é a antítese do Capitão América, herói considerado exemplo para os norte-americanos, e é isso que o torna um personagem mais interessante.

"Macunaíma é o anti-Capitão América. Ele comete muitos erros, apesar de que, quanto mais erros comete, mais ele aprende. Mas [Macunaíma] não está lá para salvar ninguém. Nós adoraríamos usar as lendas originais dos Makuxi e outras tribos do norte do Brasil, assim como Andrade usou para o seu livro. Mas nós não vamos fazer um trabalho de nostalgia moderna, [o filme] é um trabalho modernista para agora."

Macunaíma já foi adaptado para os cinemas no filme de 1969 estrelado por Grande Otelo e Paulo André. Bragança apresentará sua versão no Festival de Cinema Internacional de Roterdão, em fevereiro deste ano.


Leia também

Enquete

Você gostou do primeiro mês de Um Lugar ao Sol?

Web Stories

+
De Eva Todor a Henrique César: Veja atores de O Cravo e a Rosa que já morreramTeste de fidelidade? A Fazenda 13 coloca relacionamento de peões em xequeTraída, enganada e desprezada: 7 vezes em que Bárbara quebrou a cara em Um Lugar ao SolMansão nova, presença VIP e publis: Saiba tudo sobre a carreira de Deolane BezerraÚltima temporada de La Casa de Papel: Após o fim, série já tem spin-off confirmado

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas