Publicidade Oficial

'Mamata' da Globo com Bolsonaro despenca de R$ 400 mi para R$ 170 mi

Reprodução/Facebook

Jair Bolsonaro durante transmissão ao vivo no Facebook na madrugada de 30 de outubro de 2019

Jair Bolsonaro em transmissão no Facebook em que fez as mais duras críticas de um presidente a uma TV

DANIEL CASTRO - Publicado em 01/11/2019, às 05h25

A relação belicosa entre TV Globo e Jair Bolsonaro custará à maior rede de TV do país cerca de R$ 200 milhões a menos em seus cofres neste ano. Tratada como inimiga pelo presidente da República, a Globo deverá faturar em 2019 entre R$ 150 milhões e R$ 170 milhões com campanhas de estatais e ministérios, estimam fontes do mercado publicitário e do próprio governo. 

No ano passado, a Globo faturou R$ 400 milhões líquidos com publicidade do governo. Em 2019, o número só não será menor que um quarto disso porque o Banco do Brasil já tinha fechado antes da posse de Bolsonaro o patrocínio do Bom Dia Brasil e do programa Pequenas Empresas Grandes Negócios.

Os investimentos do banco, de R$ 79 milhões, são praticamente a metade de tudo o que o governo Bolsonaro irá colocar na Globo neste ano.

Na madrugada da última quarta (30), em live transmitida no Facebook, Bolsonaro reagiu a uma reportagem do Jornal Nacional acusando a Globo de fazer fortuna com verbas públicas, sugerindo que a emissora se beneficiou em governos anteriores com uma maior fatia do bolo publicitário. O presidente chamou isso de "mamata".

"Tava muito bom com governos anteriores, mamavam bilhões de estatais, publicando balancetes de estatais, de bancos oficiais, anunciando no nome de vocês. Acabou esta mamata, não tem dinheiro público para vocês, acabou a teta, vão ficar me infernizando até quando?", afirmou o Bolsonaro, se dirigindo à Globo.

A Globo respondeu dizendo que "não depende nem nunca dependeu de verbas de governos, embora a propaganda oficial seja legítima e legal".

De fato, os R$ 400 milhões que arrecadou com orgãos do governo federal em 2018 representaram apenas 4% dos R$ 10,060 bilhões que arrecadou em todo o mercado. Um levantamento do site Poder360, contudo, revelou que o Grupo Globo recebeu R$ 10,2 bilhões do governo de 2000 a 2016, o que equivale a um ano inteiro de faturamento.

Segundo fontes muito bem informadas nesse quesito, a Globo ficou com 50% dos R$ 800 milhões que as emissoras faturaram com o governo central no ano passado. A Record teve 20% do bolo, e o SBT, 10%. Dados deste ano estão sendo preservados a sete chaves pelo governo, mas já é dado como certo que a verba para publicidade oficial vai cair, principalmente na TV aberta, uns 20%.

A participação da Globo nessa divisão deve diminuir pela metade, mas mesmo assim ela tende a se manter na liderança do ranking das TVs que mais recebem dinheiro do governo, porque, como tem mais audiência, sua tabela de preços é bem mais alta do que as das concorrentes.

Secom diz que usa critérios técnicos

A verba de publicidade das estatais e ministérios é controlada pela Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social), ligada à Presidência da República. Está sob o comando de Fabio Wajngarten, fundador do Controle da Concorrência, empresa que monitora o mercado publicitário.

Nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva, a Secom passou a adotar critério em que se distribuía as verbas de publicidade proporcionalmente ao tamanho da emissora. O órgão informa que hoje usa critérios "exclusivamente técnicos", como faz "qualquer empresa privada", em que se considera "uma estratégia de mídia". A distribuição de verba segue a estratégia de cada campanha.

Daniel Castro
DANIEL CASTRO transformou a coluna de Televisão da Folha de S.Paulo na mais relevante do país durante sua passagem pelo jornal, entre 1991 e 2009. Trabalhou no Notícias Populares (1995-96) e R7 (2009-13). E-mail: dcastro@noticiasdatv.com

Leia também

Comentários

Carregando… Carregando...