Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

INJÚRIA RACIAL

Maju Coutinho tem nova vitória na Justiça após ataques racistas

REPRODUÇÃO/TV GLOBO

De vestido rosa, Maju Coutinho apresenta o Fantástico

A jornalista Maju Coutinho no comando do Fantástico, exibido aos domingos na Globo

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 19/1/2022 - 0h25
Atualizado em 19/1/2022 - 0h37

A Justiça de São Paulo manteve nesta terça-feira (18) a condenação de dois homens acusados de racismo e injúria racial contra a apresentadora Maria Júlia Coutinho, a Maju. O caso se refere a ataques sofridos pela jornalista da Globo na página do Facebook do Jornal Nacional, em 2015. Na época, ela apresentava a previsão do tempo.

Erico Monteiro dos Santos e Rogério Wagner Castor Sales foram condenados em março de 2020, mas recorreram da decisão. Para o relator do recurso desta terça, o desembargador Augusto de Siqueira, "restou plenamente demonstrada a responsabilidade no tocante às injúrias raciais e ao racismo, assim como à corrupção de menores".

O juiz determinou a pena de 5 anos e 3 meses a Erico e de 4 anos e 6 meses a Rogério, ambos em regime inicial semiaberto, além da aplicação de multas. Eles também foram condenados por falsidade ideológica e corrupção de menores por induzirem três adolescentes à prática do mesmo crime.

"Inegável que os réus desejaram praticar e incitar a discriminação, mediante mensagens contra uma coletividade, com base na raça e na cor da pele. Estavam plenamente cientes de que as publicações tinham conteúdo reprovável --aliás, criminoso--, com repercussão negativa, suficiente para a retirada da página do Jornal Nacional do 'ar', após serem denunciadas", disse o magistrado na decisão desta terça. 

Sobre o recurso da defesa para o crime de associação criminosa em que os réus foram condenados em 1º grau, o juiz decidiu pela absolvição. "Não há certeza de que se reuniram para praticar mais do que os delitos narrados, tampouco tratar-se de grupo estável e permanente", disse Siqueira. "Ponto importantíssimo é que não foi demonstrado o ânimo associativo, estável e duradouro entre, ao menos, três agentes."

Além de Erico e Rogério, outros dois homens haviam sido denunciados pelo Ministério Público de São Paulo pelos mesmos crimes: Kaique Batista e Luis Carlos Felix de Araújo. Contudo, eles foram absolvidos pelo juiz por falta de provas no julgamento realizado em 2020.


Leia também

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.