Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

ALAN FRANK

Internado com coronavírus, ex-Polegar reaprende a comer e falar

REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Alan Frank em foto publicada em seu Instagram em setembro de 2018

Alan Frank em foto publicada em seu Instagram; ex-Polegar está internado com coronavírus em São Paulo

REDAÇÃO

Publicado em 16/6/2020 - 17h53

Internado com coronavírus, Alan Frank, de 47 anos, fez uma emocionante declaração em vídeo sobre seu tratamento no hospital Albert Einstein, em São Paulo. Em sua rede social, o ex-integrante do grupo Polegar declarou que apresentou melhoras em seu quadro. "Estou reaprendendo a comer, a falar e a andar", disse com a voz fraca e com sonda neonasal nesta terça-feira (16). 

Frank testou positivo para Covid-19 em 27 de maio. Por ser asmático, ele se sentiu mal e foi internado no dia 30 na UTI (Unidade de Terapia intensiva). Os médicos optaram pela entubação, pois o músculo do sistema respiratório apresentou fadiga.

No Instagram, o empresário gravou um vídeo de dez minutos de duração mostrando o quarto em que está internado, os aparelhos aos quais está ligado, os acessos em seu corpo e deu detalhes de seu tratamento.

Como também é médico, especializado em Oftalmologia, ele ressaltou que seu depoimento era de um profissional da área de saúde na situação de paciente. "Já perdi a conta de quantos dias estou aqui. Acho que sete ou oito dias. Fiquei entubado acho que seis ou sete dias. Graças a Deus e a toda a equipe maravilhosa, que é muito atenciosa, estou melhorando bastante", declarou.

O ex-cantor agradeceu a atenção da equipe do hospital, citando o pessoal de limpeza, enfermeiros, fisioterapeutas, dentistas e médicos que cuidam dele. "Estou aqui só para agradecer vocês. Hoje estou muito melhor. Vocês não têm noção."

Alan explicou que ainda está ligado a vários equipamentos pelo seu bem-estar. "Olha quanto aparelho. Isso porque já desligaram vários que eu não preciso mais. Mas ainda estou com acessos. Estou todo furado, não tem mais onde furar", contou.

Na gravação, o médico ainda mostrou sua sonda e os acessos venosos em seu corpo. "Eu não estava conseguindo me alimentar porque não estava comendo na UTI. E isso aqui é um cateter de oxigênio para poder respirar, mas eu já estou melhorando. O cateter eu devo ficar ainda um tempo. A sonda, talvez, eu tire hoje."

"Não é fácil. Não é nem um pouco fácil, mas estou vencendo. Graças a toda a equipe maravilhosa que está cuidando de mim", ressaltou. "Tomo injeção na barriga todos os dias. A gente tem tanta coisa e reclama tanto da vida. Tudo que eu queria era viver, só viver. Ver meus filhos crescerem. Não é fácil", completou, emocionado.

Emoção e choro

O oftalmologista frisou para seus seguidores a importância de apreciar as coisas mais simples. "Valorizem todos os momentos da vida. A vida vale muito, vale demais, gente. A vida não é bem material, a vida não é dinheiro. A vida são os momentos que a gente vive ao lado das pessoas que a gente ama", declarou.

Ao dar seu depoimento, Frank chorou ao falar da solidariedade de amigos próximos da família. "Se você tem um amigo, valorize muito. Nessas horas, você vai enxergar o quanto eles são importantes. A gente acha que tem muitos amigos. Não tem. Você tem uns cinco amigos, dá para contar nos dedos de uma mão só", analisou.

Ele ainda fez um alerta sobre o perigo do novo coronavírus. "Cuidado com esse vírus que vem atropelando a gente que nem um trator. Não é fácil. Não quero apavorar ninguém, mas não é fácil", enfatizou.

O ex-artista destacou não ter previsão de alta hospitalar, pois tem de recuperar a força muscular para poder andar. "[Preciso] Ter mais segurança para comer. Estou reaprendendo a comer. Por enquanto, estou comendo só comidinha pastosa. Fora isso, o principal, só vou poder sair do hospital quando for seguro e não pôr em risco a vida de ninguém", avisou.

Ao fim de seu depoimento, Frank fez um apelo para as pessoas não terem preconceito contra quem contraiu Covid-19. "Não hostilizem ninguém do seu prédio, do seu condomínio. Ninguém escolhe estar doente. É uma fatalidade", pediu.

"Não tenham preconceito com ninguém que se curou porque, se a pessoa já está curada, não transmite mais para ninguém. Aliás, é mais seguro você estar com quem já se curou do que estar com quem não se curou ainda. Quem está assintomático pode estar doente e transmitir [o vírus] e você não sabe", alertou.

Confira a declaração de Alan Frank no Instagram:

Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você achou do Disney+?