Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
twitter
Instagram
YouTube

NOVOS TEMPOS

Com Laura Dern e Ellen DeGeneres, Globo de Ouro corrige homofobia de 23 anos

Reprodução/YouTube NBC

A apresentadora Ellen DeGeneres discursa ao aceitar prêmio especial no Globo de Ouro de 2020

A apresentadora Ellen DeGeneres discursa ao aceitar prêmio especial no Globo de Ouro de 2020

LUCIANO GUARALDO

luciano@noticiasdatv.com

Publicado em 6/1/2020 - 13h20

O Globo de Ouro de 2020 fez mais do que devolver à HBO o posto de canal mais premiado da TV. A cerimônia também revelou o quanto a sociedade evoluiu em 23 anos. É que, em 1997, Ellen DeGeneres e Laura Dern tinham sofrido até boicote de Hollywood após a exibição de um episódio de Ellen (1994-1998) em que a primeira saía do armário com a ajuda da outra. Na festa de ontem (5), as duas saíram com troféus na mão.

Laura ganhou o prêmio de melhor atriz coadjuvante por seu trabalho em História de um Casamento (uma das únicas duas vitórias da Netflix na cerimônia). Já Ellen ganhou o prêmio especial Carol Burnett, entregue a figuras que ajudaram a mudar a cara da televisão. Antes de receber seu troféu, ela foi homenageada pela amiga Kate McKinnon, estrela do Saturday Night Live, que aproveitou o momento para se assumir homossexual também.

"Em 1997, quando a sitcom da Ellen estava no auge da popularidade, eu estava no porão da casa da minha mãe levantando pesos e pensando: 'Será que sou gay?'. E eu era. E eu ainda sou. Era algo muito assustador. E a única coisa que me acalmava era ver Ellen na TV. Se não fosse por ela, eu pensaria que sou um alienígena e que não merecia estar na televisão também [...]. As atitudes estão mudando, mas só porque alguém corajosa como Ellen pulou no fogo para forçá-las a mudar", discursou Kate.

Ellen se queimou muito para quebrar barreiras como a primeira personagem de uma comédia no horário nobre a se assumir homossexual. A sua série foi cancelada na temporada seguinte e, sem conseguir emprego na TV, ela voltou a fazer shows de stand up até emplacar o The Ellen Show (2001-2002), que durou apenas uma temporada, e só depois conseguiu o seu famoso talk show, há 17 anos no ar.

Já Laura, que sequer é lésbica na vida real, passou quase dois anos sem receber nenhum convite para atuar na TV ou no cinema. "Foi bem significativo, porque eu tinha uma carreira de sucesso, fazia filmes independentes, tinha estrelado Jurassic Park [1993], que era o filme de maior bilheteria até então. Eu era chamada para isso, para aquilo. E, de repente, tudo parou", contou ela ao site Vulture.

divulgação/abc

Ellen DeGeneres (à esq.) e Laura Dern no episódio da comédia Ellen em que ela se assume gay

A atriz só retornou ao trabalho em 1999, no drama O Céu de Outubro. De lá para cá, deu a volta por cima ao emplacar o papel principal na série Enlightened (2011-2013), que lhe rendeu outro Globo de Ouro, e por roubar a cena como a Renata de Big Little Lies em 2017. Um cenário bem diferente daquele de duas décadas antes.

"Muita gente na minha vida ficou preocupada comigo, com minha carreira. Assim que eu aceitei participar daquele episódio, recebi ligações de figuras importantes de Hollywood falando que eu não deveria fazer. Até amigos gays, assumidos, diziam para eu recusar. Mas eu estava empolgada. Nem hesitei ao aceitar", lembrou ela.

Forninho para recrutar lésbicas

Chamado de The Puppy Episode (O Episódio do Cachorrinho, em tradução livre), o capítulo em que Ellen saiu do armário fez história. O público já especulava que a atriz era gay, e ela se assumiu de vez na capa da revista Time de 14 de abril de 1997. No dia 30 do mesmo mês, a personagem seguiu os passos da intérprete.

No episódio, Ellen conhece Susan (Laura Dern), uma homossexual assumida, e se encanta. Sem coragem para se assumir, ela acusa a outra de estar tentando recrutá-la, e Susan responde com sarcasmo, falando que só precisaria converter mais uma mulher para ganhar um forninho de brinde do quartel-general das lésbicas. No fim do capítulo, após se aceitar como gay, Ellen sonha com Susan de fato recebendo um forninho da cantora Melissa Etheridge, que também é lésbica na vida real.

O próprio nome The Puppy Episode era uma grande afronta de Ellen aos diretores da ABC, rede que exibia a comédia. Frustrados com o fato de a personagem não ter nenhum namorado nas três temporadas anteriores, eles sugeriram que ela ganhasse um cachorrinho para ter algum tipo de companhia. Os roteiristas, então, aproveitaram a ideia --mas só para o título do episódio polêmico.


Leia também


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

O que você quer ver no retorno de Amor de Mãe?