Estreia hoje

Alvo de críticas implacáveis, Punho de Ferro é a pior série de heróis da Netflix

Fotos: Divulgação/Netflix

O ator Finn Jones, ex-Game of Thrones, em cena da primeira temporada de Punho de Ferro - Fotos: Divulgação/Netflix

O ator Finn Jones, ex-Game of Thrones, em cena da primeira temporada de Punho de Ferro

JOÃO DA PAZ - Publicado em 17/03/2017, às 06h15

A Netflix lança sua quarta série de herói sob uma enxurrada de críticas nunca antes vista. Os 13 episódios de Punho de Ferro, que estreiam nesta sexta (17), receberam avaliações negativas da mídia norte-americana. A trama espalhafatosa, com cenas de lutas vergonhosas e um protagonista sem graça (Finn Jones), foi rotulada de "tediosa" e "decepcionante".

Nenhuma outra série de herói da parceira Netflix/Marvel estreou com um sinal vermelho desse tamanho. O site Metacritic, que compila as análises dos principais veículos de entretenimento dos Estados Unidos, deu para Punho de ferro nota 35 numa escala de 0 a 100. A atração mais bem avaliada do pacote foi Jessica Jones (2015), com 81. Luke Cage (2016) ganhou a nota 79, e a primeira temporada de Demolidor (2015) ficou com 75.

A história de Punho de Ferro tem pouco apelo. Um avião com um menino de dez anos, filho de um empresário bilionário de Nova York, cai na região do Himalaia. Os pais do garoto morrem no acidente; ele sobrevive e é criado por monges em uma cidade mísitica chamada K'un-Lun, localizada em uma outra dimensão que se abre em um portal. Lá, passa 15 anos treinando kung fu. Ao atingir o nível máximo de habilidade, se transforma no Punho de Ferro e volta para Nova York.

Lutas coreografadas de Jones (esq.) são vergonhosas

Os quatro primeiros episódios da série são arrastados, com foco no retorno aos Estados Unidos de um rapaz tido como morto. Danny Rand (Finn Jones) tenta convencer colegas de infância, os atuais administradores da empresa do pai, a Rand Enterprises, de que ele é de fato Danny Rand e conseguiu sobreviver ao acidente de avião, diferentemente do que todo mundo pensa.

A frase "Eu sou Danny Rand", dita exaustivamente pelo personagem, cansa o ouvido do telespectador.

Só a partir do quinto episódio é possível entender a importância do herói. É o momento no qual fica mais claro o direcionamento da história, que tem conexão com aspectos apresentados nas primeiras temporadas de Demolidor.

A organização criminosa que Danny Rand combate, que usa empreendimentos da Rand Enterprises no tráfico de drogas, é o Tentáculo. A chefona do grupo de ninjas mercenários, Madame Gao (Wai Ching Ho), é a mesma que apareceu em Demolidor.

O público também terá melhor percepção da série com a entrada da enfermeira Claire Temple (Rosario Dawson). Presente nas outras três séries de heróis da Netflix, a carismática personagem dá um respiro para a trama de Punho de Ferro.

Mas só terá essa percepção quem acompanhou as outras três produções, pois a nova série faz várias referências a fatos ocorridos no universo Marvel da Netflix. Claire deverá ser a conexão dos quatro heróis na minissérie Os Defensores, programada para o próximo semestre.

Punho de Ferro traz outra personagem que fez aparições em Jessica Jones e Demolidor: a advogada Jeri Hogarth (Carrie-Anne Moss, de Matrix). Na série, Danny conhece Jeri desde pequeno, já que a advogada conseguiu seu primeiro emprego na empresa do pai dele.

 

Os atores Tom Pelphrey (à esq.), Finn Jones e Jessica Stroup em imagem de Punho de Ferro

Polêmica vazia
Na semana passada, Finn Jones (o Loras Tyrell de Game of Thrones) discutiu com internautas sobre a etnia de seu personagem _ele chegou a excluir sua conta no Twitter, mas voltou atrás.

Foi criada uma pressão para Danny Rand ser asiático, pelo simples fato de ele ser especialista em artes marciais. Quem fazia esse pedido dizia que a Netflix estaria reforçando um estereótipo ao escalar um homem branco para ser um mestre em lutas, fato visto com frequência em produções hollywoodianas.

Mas há um detalhe: o personagem sempre foi loiro e branco nas histórias em quadrinhos da Marvel _sua primeira aparição foi em 1974. As características de Danny Rand se justificam: ele é filho de um empresário norte-americano.

Em entrevista ao site Vulture, Jones demonstrou frustração com as críticas e ressaltou que o personagem foi desenvolvido "em uma época bem diferente da de hoje". Para ele, quando o grande público assistir à série, o passado de Danny será compreendido, "e toda essa conversa [polêmica] será encerrada".


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

+ Lidas

Bloco de Notas

Tamanho avião

Emilia Clarke aparece bem pequeninha em cima de Drogon, em imagem de GoT  - Divulgação/HBO Uma das novas fotos da sétima temporada de Game of Thrones mostra como estão grandes os dragões de Daenerys Targaryen (Emilia Clarke). Eles terão o tamanho de um Boeing 747, modelo de avião muito utilizado ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

O que a Globo quer com denúncias contra o presidente Temer?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook