Análise |Premiação

Vencedora do Emmy, Joia Rara sofreu com indiferença do público

Cynthia Salles/TV Globo

Carmo Dalla Vecchia (Manfred) e Mel Maia (Pérola) em cena da novela Joia Rara, da Globo - Cynthia Salles/TV Globo

Carmo Dalla Vecchia (Manfred) e Mel Maia (Pérola) em cena da novela Joia Rara, da Globo

RAPHAEL SCIRE - Publicado em 25/11/2014, às 10h29

Existe uma semelhança entre a vencedora do Emmy de 2013 na categoria melhor novela, Lado a Lado, e Joia Rara, produção que levou a estatueta ontem (24), na 42ª edição do prêmio, um dos mais importantes no mercado televisivo mundial. Além de os dois folhetins terem sido exibidos às 18h na mesma emissora, a Globo, tanto Lado a Lado quanto Joia Rara sofreram com a indiferença do público e os relativamente baixos índices de audiência, na casa dos 18 pontos na Grande São Paulo.

As duas novelas enfrentaram, ainda, o horário de verão, período em que os televisores, habitualmente, tornam-se segunda opção de lazer, principalmente na faixa em que foram exibidas. Nada disso, porém, comprometeu o trabalho final e as impediu da conquista do Emmy.

De Thelma Guedes e Duca Rachid, Joia Rara certamente não foi a melhor novela da dupla, posto este ocupado por Cordel Encantado (2011), que levou a fábula dos contos de fadas para o folhetim televisivo, misturando, ainda, com elementos nordestinos. Nem de longe, Joia Rara teve o frescor de novidade de Cordel, mas teve, sim, um acabamento estético maior e melhor, fruto do amadurecimento da direção de Amora Mautner, responsável pelos dois produtos. É preciso registrar que a fotografia soturna às seis da tarde causou estranhamento no início, mas tal problema foi suavizado ao longo da novela.

A própria Duca Rachid afirmou, na entrega do Emmy, que talvez Joia Rara tenha sido o trabalho mais difícil que realizou. Nem tanto pela reconstrução da época, mas mais pela pressão diária à qual a novela foi submetida. Joia Rara sofreu, também, de dois males: um didatismo exagerado na explicação da filosofia budista, na tentativa de se comunicar com todos os públicos, e uma barriga enorme no quarto final da trama, quando o vilão Manfred (Carmo Dalla Vecchia) parecia fazer um jogo de gato e rato com o mocinho Franz (Bruno Gagliasso), e a história não seguia adiante.

Obviamente, Joia Rara teve pontos positivos, principalmente por conta de sua ambientação nos anos 1940, o que permitiu às autoras explorarem um rico período histórico e cultural do Brasil, como a eclosão dos movimentos sindicais e o início do teatro de revista _tudo, claro, inserido em um contexto diretamente ligado à trajetória dos personagens.

O núcleo do cabaré foi um dos atrativos da história e atrizes "coadjuvantes" tiveram status de protagonistas, como foi o caso de Mariana Ximenes (Aurora) e Letícia Spiller (Lola). Aqui, mais uma vez, o rigor da produção falou mais alto: cenários luxuosos e figurinos que despertaram a cobiça das telespectadoras, fato raro para uma trama de época.

O Emmy é a consagração da novela depois das turbulências de quando foi apresentada e também da Globo como produtora de ficção televisiva no Brasil. É importante salientar, porém, que os concorrentes ao prêmio são inscritos pelas próprias emissoras e a Globo é uma das patrocinadoras do evento. De um modo geral, o Emmy vale mais para a produção impecável de Joia Rara do que pela história em si. 


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

Notícias da TV Recomenda

Esquadrão Bizarro

Esquadrão Bizarro

Ficha técnica: Série, EUA/Canadá, 2014. Criação: Tim McKeon, Adam Peltzman. Elenco: Dalila Bela, Filip Geljo, Millie Davis, Anna Cathcart e Isaac Kragten. Disponível no Gloob Play e no Now.

Sinopse: O Esquadrão Bizarro é uma organização formada por agentes pré-adolescentes que resolvem problemas peculiares sempre usando conhecimentos e habilidades de matemática. Eles também frequentam um laboratório e usam equipamentos supertecnológicos criados por cientistas durante suas investigações.

Por que assistir: Os episódios de cerca de dez minutos sempre apresentam casos diferentes e criativos que prendem a atenção dos pequenos telespectadores, como de pessoas sugadas por um videogame ou de um agente que se transforma em sofá. Premiada por melhor performance de atores infantis, direção, figurino e maquiagem pelo Daytime Emmy Awards, a atração é um sucesso internacional.

Assista agora no NOW

+ Lidas

Bloco de Notas

Amor acaba

Gillian Jacobs e Paul Rust em Love; comédia termina com a terceira temporada - Divulgação/Netflix A terceira temporada de Love será a última. A comédia da Netflix, do showrunner Judd Apatow (Girls), retornará com novos episódios em 9 de março, com a oportunidade de dar um desfecho apropriado à história ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Quem você gostaria que substituísse Cátia Fonseca no Mulheres?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook
Fechar