De ameaça a mobilização

Como Silvio Santos e Edir Macedo vão tentar tomar R$ 3,5 bilhões da TV paga

Reprodução/RecordTV

Edir Macedo e Silvio Santos em encontro, em 2015, em que discutiram cobrança da TV paga - Reprodução/RecordTV

Edir Macedo e Silvio Santos em encontro, em 2015, em que discutiram cobrança da TV paga

DANIEL CASTRO - Publicado em 20/03/2017, às 05h27

Para tentar arrancar até R$ 3,5 bilhões por ano das operadoras de TV paga, Record, SBT e RedeTV! armaram uma estratégia que inclui ameaças a interesses bilionários, campanhas publicitárias e mobilização de telespectadores e de parlamentares.

No próximo dia 29, com o desligamento do sinal analógico na Grande São Paulo, as emissoras terão um grande trunfo na mão. Elas poderão cobrar das operadoras de de TV por assinatura pela distribuição de seus sinais em alta definição.

De olho no potencial desse negócio, criaram no final do ano passado uma empresa, a Simba, uma joint venture entre as três redes fortemente combatida por operadoras e programadoras de TV por assinatura durante a tramitação de processo no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Na semana passada, a Simba contratou o banqueiro Marco Gonçalves, ex-sócio do BTG Pactual, para atuar como negociador com as operadoras. Assim, Silvio Santos e Edir Macedo terão como aliado um profissional experiente na fusão e aquisição de empresas, temido no mercado financeiro, tido como aquele que ninguém quer ter do outro lado do balcão.

As três redes abertas, que respondem por quase 20% de toda a audiência da TV por assinatura, estimam que seus sinais valem R$ 15,00 mensais por assinante. Considerando a marca de 19 milhões de assinantes no país, isso dá quase R$ 3,5 bilhões brutos por ano.

É muito dinheiro para as emissoras: elas praticamente dobrariam suas receitas atuais com publicidade. Então, vale tudo para obtê-lo.

A principal arma das três redes é o PLC 79. Em tumultuada tramitação no Senado Federal, o projeto de lei complementar altera a Lei Geral de Telecomunicações, com profundas mudanças no setor.

O que mais importa no PLC, para as emissoras de TV, é que ele significa um presentaço para as empresas de telecomunicações. Entre anistia de multas e transferência de infraestrutura, beneficia as teles com R$ 100 bilhões, praticamente o faturamento de um ano de todo o setor.

As operadoras de TV por assinatura são empresas de telecomunicações (América Móvil, Telefônica, Oi). Se elas não aceitarem pagar pelos sinais das emissoras abertas, como vêm dizendo, Record, SBT e RedeTV! estão prontas para bombardearem o noticiário com essa informação potencialmente escandalosa.

Inspiração de Fox vs Sky
No final de janeiro, em uma tensa negociação com a Sky, a programadora Fox cortou os sinais de seus canais da operadora. O assinante de TV paga se voltou contra a Sky, e a Fox conseguiu um bom aumento. As três redes abertas assistiram à movimentação de camarote. E vão agora usar a mesma estratégia da Fox.

As operadoras que sequer aceitarem negociar com a Simba ficarão sem Record, SBT e RedeTV! na Grande São Paulo já no próximo dia 29. Nas redes sociais e nos intervalos comerciais, as TVs irão sensibilizar seus telespectadores de que o que reivindicam é legal e justo e lembrarão que a Globo já cobra por seu sinal na TV paga.

As emissoras contam com seus "exércitos" de torcedores, os "sbtistas" e os "recordistas". Eles serão mobilizados para pressionarem as operadoras e combaterem seus argumentos na internet. Aliada da Record, a bancada evangélica já está de sobreaviso para usar sua influência contra os interesses das teles.

Vem briga de gigante pela frente.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

Notícias da TV Recomenda

Vitória: A Vida de uma Rainha

Vitória: A Vida de uma Rainha

Ficha técnica: Drama, Inglaterra, 2016. Criação: Daisy Goodwin. Elenco: Jenna Coleman, Tom Hughes, Peter Bowles, Eve Myles, Rufus Sewell. Disponível no Now.

Sinopse: Monarca mais importante do Reino Unido, a rainha Vitória (Jenna Coleman) é tema de uma série que mostra seu reinado a partir da chegada ao trono, aos 18 anos, e seu relacionamento com o primeiro-ministro Lord Melbourne (Rufus Sewell) e o casamento com o príncipe Albert (Tom Hughes). Suas duas únicas temporadas (até agora) só estão disponíveis em vídeo sob demanda.

Por que assistir: Indicada a dois Emmys e eleita melhor drama no Festival de Monte-Carlo, a produção impressiona pela reconstituição primorosa da era vitoriana, com belos cenários e figurinos. Nos Estados Unidos e na Inglaterra, críticos classificaram a série como a sucessora natural da premiada Downton Abbey (2010-2015). A atriz Jenna Coleman, querida pelos fãs de Doctor Who, brilha na pele da monarca.

Assista agora no NOW

+ Lidas

Bloco de Notas

Intimidade no repertório

Geraldo Azevedo e Elba Ramalho; cantora é homenageada em novo programa - Divulgação As intimidades de Luiz Gonzaga, Elba Ramalho, Ary Barroso e Pixinguinha estão no repertório de um novo programa do CineBrasil TV. O Gravador de Histórias estreia neste semestre, trazendo relatos inusitados de grandes nomes da ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Mais um BBB vem por aí e...

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook