Corta pro crachá

Paranoica, Record pede crachá até para Marcelo Rezende e vira piada

Divulgação

Marcelo Rezende, apresentador do Cidade Alerta, que está tendo que usar crachá para circular na Record - Divulgação

Marcelo Rezende, apresentador do Cidade Alerta, que está tendo que usar crachá para circular na Record

DANIEL CASTRO - Publicado em 01/09/2014, às 18h33 - Atualizado em 02/09/2014, às 06h20

A Record está tão paranoica com o uso de crachá em suas instalações de São Paulo que até apresentadores estão sendo vigiados por circuito interno de vídeo e abordados pelos seguranças. Depois do que a cúpula da emissora considera uma "traição" de Luiz Bacci, a emissora baixou uma norma em que até apresentadores têm de portar identificação em "local visível". Marcelo Rezende e Reinaldo Gottino, âncoras do Cidade Alerta e Balanço Geral, foram os primeiros "enquadrados".

No caso de Rezende, o apresentador não criou caso e acatou a norma. Mas virou motivo de piadas nos bastidores da emissora. Funcionários brincam com seus bordões: "Corta pro crachá!" é uma das gozações. Já Gottino foi abordado quando ia do estúdio em que trabalha para a lanchonete, durante o horário eleitoral, em que seu programa sai do ar.

Os casos revelam a "rigidez" das medidas que vêm sendo adotadas desde julho. O departamento de Recursos Humanos enviou carta aos funcionários informando que o uso de crachá em local visível é obrigatório a todos e o desrespeito à norma pode gerar advertências por escrito.

É o que tem sido feito. Dezenas de profissionais estão sendo abordados todos os dias nos corredores da Barra Funda, até repórteres conhecidos do vídeo. Nunca se distribuiu tanta advertência como agora: quando flagrados sem crachá, os funcionários têm que assinar uma espécie de protocolo de "infração".

Os seguranças têm monitorado o cumprimento da obrigatoriedade de crachá pelo circuito interno de vídeo e fazem "rondas ostensivas", chamando a atenção de quem não exibe crachá. Assessores de apresentadores têm que passar pela portaria e retirar um crachá. Em entregas, fornecedores têm sido escoltados. Em alguns estúdios, o uso de celulares foi proibido.

Espionagem

A paranoia da Record tem origem na contratação de Luiz Bacci pela Band, em maio. Para a cúpula da Record, Bacci driblou facilmente a segurança da emissora ao circular dois dias pelos estúdios com Rodrigo Branco, que estava negociando sua ida para a Band e viria a cuidar da implantação do Tá na Tela. Para a Record, Branco agiu como um "espião" e levou informações estratégicas para a concorrente. 

Branco nega que tenha espionado qualquer coisa na Record e lembra que é um profissional experiente, com 11 anos trabalhando com Marcia Goldschmidt. Diz que permaneceu na emissora apenas acompanhando o apresentador e que usou crachá de visitante.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual é seu casal favorito no Power Couple?

Últimas notícias

Notícias da TV
Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook