Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

FERNANDA YOUNG E ALEXANDRE MACHADO

Maldição de Os Normais? Criadores da série nunca mais fizeram sucesso

Bob Paulino/TV Globo

Fernanda Young e Alexandre Machado, criadores de Os Normais: depois, só tiveram fracassos - Bob Paulino/TV Globo

Fernanda Young e Alexandre Machado, criadores de Os Normais: depois, só tiveram fracassos

REDAÇÃO

Publicado em 6/11/2017 - 5h43

Uma das comédias brasileiras mais elogiadas do século, Os Normais (2001-2003) alçou ao primeiro escalão de roteiristas da Globo a dupla Fernanda Young e Alexandre Machado. O problema é que, quase 15 anos depois do fim das desventuras de Rui (Luiz Fernando Guimarães) e Vani (Fernanda Torres), os escritores não conseguiram emplacar mais nenhum grande sucesso na emissora.

A primeira tentativa veio logo em 2004, com Os Aspones, sobre o dia a dia de uma repartição pública cujos funcionários não têm nada para fazer. O bom elenco reunia Selton Mello, Andréa Beltrão, Pedro Paulo Rangel, Marisa Orth e Drica Moraes, mas o público não comprou a proposta, e a série saiu do ar com apenas sete episódios.

Em 2006, Fernanda e Machado decidiram retomar a parceria com Luiz Fernando Guimarães com dois formatos: o quadro Super Sincero, exibido no Fantástico, e a série Minha Nada Mole Vida (2006-2007), que ocupava o mesmo horário de Os Normais nas noites de sexta-feira.

A comédia sobre o colunista social Jorge Horácio (Guimarães) conseguiu durar três temporadas, mas com repercussão muito abaixo da obtida por Os Normais. A duração também foi bem menor: a série completa teve 23 episódios; sozinha, a primeira temporada de Rui e Vani teve 26.

Há exatos dez anos, o casal de roteiristas apostou em uma comédia cult, O Sistema (2007). Com Selton Mello, Gregório Duvivier, Ney Latorraca e Zezé Polessa, a série mostrava um grupo de pessoas que protestava contra o capitalismo e tentava lutar contra o sistema. Criada em parceria com Selton, a produção foi um fracasso completo e teve apenas seis capítulos.

A maldição de Os Normais continuou com Nada Fofa (2008), especial de fim de ano que sequer conseguiu um espaço na grade da Globo no ano seguinte. O programa contava com Letícia Spiller na pele de uma advogada que contracenava com Pintonildo, um boneco que representava um pinto cor de rosa.

divulgação/tv globo

Vani (Fernanda Torres) e Rui (Luiz Fernando Guimarães) em Os Normais: o último (e único) hit

Depois de vários tiros n'água com formatos mais ousados, Fernanda e Alexandre voltaram à fórmula de explorar a vida de um casal histérico em Separação?! (2010), agora com Vladimir Brichta e Débora Bloch como protagonistas. A série foi elogiada e conseguiu até uma indicação ao Emmy Internacional, mas não foi renovada para uma segunda temporada.

O escracho tomou conta dos roteiros com Macho Man (2011), em que o diretor Jorge Fernando passava para a frente das câmeras na pele de Zuzu, um cabeleireiro que acorda no hospital e descobre que deixou de ser gay. A série teve apenas 21 episódios e não sobreviveu até a virada do ano. Mais um fracasso para o casal.

A segunda indicação ao Emmy Internacional veio com Como Aproveitar o Fim do Mundo (2012), que brincava com a profecia maia sobre o apocalipse. Com Danton Mello e Alinne Moraes como protagonistas, a produção teve apenas oito episódios. O fracasso foi internacional: a rede norte-americana CW comprou a ideia para produzir No Tomorrow (2016-2017), também cancelada depois de 13 episódios.

Se o casal estava em uma maré de azar, O Dentista Mascarado estreou em 2013 para deixar tudo ainda pior. A estreia de Marcelo Adnet na Globo foi detonada pela crítica, rejeitada pelo público (perdeu quase metade da audiência ao longo da temporada) e teve apenas 12 episódios.

Dentista fez tão mal para a reputação do casal que Alexandre e Fernanda preferiram dar um tempo na Globo e foram para a TV paga. No GNT, fizeram a série Surtadas na Yoga (estrelada pela roteirista e exibida entre 2013 e 2014), Odeio Segundas (2015) e Edifício Paraíso, que terá uma segunda temporada.

A incursão mais recente de Machado e Fernanda foi Vade Retro, em que Monica Iozzi vivia, literalmente, a advogada do diabo (Tony Ramos). Antes mesmo da estreia, os roteiristas trabalhavam nos textos da segunda temporada. A péssima audiência da primeira, porém, alterou os planos da emissora. Não se fala mais em Vade Retro.

Leia também

Enquete

Você gostou dos primeiros capítulos de Verdades Secretas 2?

Web Stories

+
Mitomaníaco, sem noção ou exibido? 5 vezes que Gui Araujo falou demais em A FazendaDe vendedor de pastéis a diretor de cinema: Por onde anda o elenco de Malhação 2008?Como aconteceu acidente com Alec Baldwin que matou fotógrafa no set de novo filmeCinco casais que se formaram no Casamento às Cegas Brasil e você não sabiaElenco de Verdades Secretas 2: Conheça os novos personagens da novela

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas