Disjointed

Série sobre maconha resgata imagens de filmes 'muito loucos' dos anos 1930

Reprodução/Netflix

Imagem da vinheta de abertura da série Disjointed; filme antidroga lançado 80 anos atrás - Reprodução/Netflix

Imagem da vinheta de abertura da série Disjointed; filme antidroga lançado 80 anos atrás

JOÃO DA PAZ - Publicado em 30/08/2017, às 05h00

Na última sexta (25), a Netflix lançou uma comédia sobre a legalização da maconha chamada Disjointed, uma criação de Chuck Lorre, autor de The Big Bang Theory. A abertura chama mais a atenção do que a própria série, protagonizada por Kathy Bates. A vinheta utiliza imagens e trilha sonora de filmes dos anos 1930 em que atores, em trajes da época, aparecem fumando a erva.

O telespectador é pego logo de cara com a música chiclete. O nome da canção é Jack, I’m Mellow (Jack, Eu Estou Tranquila), que traz versos bem sugestivos como "Eu estou bem alta e seca", um trocadilho à sensação provocada pelo uso da maconha, assim como a frase "O mundo parece tão leve...".

As imagens são de dois filmes trash de oito décadas atrás (que depois viraram cults). O primeiro é Marijuana: The Weed With Roots From Hell! (Maconha: A Erva com Raízes no Inferno!); o segundo, Reefer Madness (Baseado da Loucura). Lançados em 1936, ambos faziam parte de uma série de longas contra a droga, na época ainda não proibida nos Estados Unidos. Tinham o objetivo de mostrar para crianças e jovens o mal que o uso da canabis supostamente causaria.

A vinheta mistura as cenas das produções com vários jovens dando trago em cigarros de maconha. Cada um deles muda de feição instantaneamente assim que inala a fumaça. Eles entram em delírio, se abraçam, se beijam e dançam loucamente, inclusive em cima de uma mesa.

O filme Reefer Madness ficou tão popular que, em 1998, foi adaptado como peça de teatro. Em 2004, o longa original foi colorizado pela Fox e lançado em DVD. E, no ano seguinte, a peça virou telefilme no canal Showtime, protagonizado por nomes como Kristen Bell (Veronica Mars, House of Lies) e Neve Campbell (O Quinteto).

No começo do século passado, a maconha era legal nos Estados Unidos. Em meados da década de 1930, o consumo da droga era proibido em apenas 29 dos então 48 Estados norte-americanos. O país vivia uma crise pesada, chamada de Grande Depressão, e o uso da erva cresceu. Os conservadores diziam que isso fez aumentar o crime e a violência nas cidades.

Em 1937, após uma forte campanha contra "a erva do mal", o Congresso aprovou uma lei criminalizando o uso da maconha em toda a nação, restringindo a utilização da droga apenas em casos medicinais.

Disjointed apresenta a empresária Ruth Feldman (Kathy Bates, de American Horror Story), uma militante que lutou a vida inteira contra a proibição da venda de maconha e finalmente vive o sonho de ser dona de um dispensário com produtos derivados da erva em Los Angeles, na Califórnia, um dos oito Estados nos quais a maconha é legalizada em território norte-americano.

Vejo o vídeo da vinheta de abertura da comédia:

Tudo sobre

Chuck Lorre Netflix

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Qual é seu programa favorito gravado na quarentena?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook