Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

Greenleaf

Série escancara sexo, adultério e corrupção em templo evangélico

Fotos: Divulgação/Netflix

O ator Keith David em Greenleaf; bispo passa por apuros em nova série que estreia na Netflix  - Fotos: Divulgação/Netflix

O ator Keith David em Greenleaf; bispo passa por apuros em nova série que estreia na Netflix

JOÃO DA PAZ

Publicado em 3/3/2017 - 5h17

Uma das séries mais polêmicas do ano passado estreia no Brasil nesta sexta (3), na Netflix. A primeira temporada de Greenleaf chamou a atenção nos Estados Unidos ao expor escândalos de uma imponente igreja evangélica, com cenas de sexo e de lavagem de dinheiro dentro de um templo. O drama tem um elenco de respeito, com os vencedores do Emmy Keith David e Lynn Whitfield, e não poupa nenhum assunto controverso no meio evangélico, como pedofília, adultério, homossexualidade e abuso de poder.

Greenleaf é uma das séries vitrines do canal da apresentadora Oprah Winfrey, um ícone da TV. A atração ganhou status de cult após ser lançada no Festival de Cinema de Tribeca, de 2016. Após a exibição dos dois primeiros episódios, ganhou elogios do público e da mídia especializada.

Com elenco predominantemente negro, como é comum nas produções da Oprah Winfrey Network, Greenleaf traz os bastidores de uma megaigreja na cidade de Memphis. A congregação chamada de Calvary Fellowship World Ministries é encabeçada pelo bispo James Greenleaf (David) e tem como base doutrinária a Teologia da Prosperidade, que defende a riqueza na Terra como uma bênção de Deus.

Esse pensamento leva James a cometer deslizes e o coloca em situações complicadas quando surge uma ameaça de investigação nas contas da igreja (doações e dízimos), e ele se vê encurralado no meio de um jogo entre políticos e pastores. A trama remete a algo que o público vê frequentemente em noticiários, e Greenleaf mostra uma visão interna do maquinário.

Além dos problemas ministeriais, o bispo precisa lidar com desavenças familiares. O estopim das confusões ocorre após o funeral de uma de suas filhas, morta misteriosamente. A cerimônia contou com o retorno da filha do meio, Grace (Merle Dandridge), ex-pastora que estava distante da família havia 20 anos. A presença de Grace reacende mágoas e traz à tona os segredos obscuros dos seus parentes.

Os atores Lynn Whitfield e Ketih David dão show em Greenleaf como um casal evagélico

Qualidade na atuação
A primeira temporada de Greenleaf tem 13 episódios envolventes, com um show de atuação dos protagonistas. Keith David, por exemplo, convence como um religioso carismático e pai exemplar, escondendo atrás dessa imagem uma pessoa manipuladora.

Ao seu lado está Lynn Whitfield, que vive Lady Mae, a mulher do bispo Greenleaf. Ela guarda rancor de Grace, procura defender seus outros filhos acima de tudo e busca mais espaço na igreja do marido.

Até Oprah faz uma participação importante. Ela interpreta a irmã de Lady Mae, chamada Mavis McCready, uma confidente de Grace. Dona de uma casa de shows de blues, Mavis conhece todos os segredos da igreja e de seus integrantes. Por isso, acaba sendo um ponto chave da trama. Prestar atenção nas ações dela é a chave para compreender a história.

A segunda temporada de Greenleaf foi anunciada antes mesmo do início da primeira. Estreia nos Estados Unidos no próximo dia 15.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Enquete

Você gostou dos primeiros capítulos de Verdades Secretas 2?

Web Stories

+
Mitomaníaco, sem noção ou exibido? 5 vezes que Gui Araujo falou demais em A FazendaDe vendedor de pastéis a diretor de cinema: Por onde anda o elenco de Malhação 2008?Como aconteceu acidente com Alec Baldwin que matou fotógrafa no set de novo filmeCinco casais que se formaram no Casamento às Cegas Brasil e você não sabiaElenco de Verdades Secretas 2: Conheça os novos personagens da novela

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas