Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

OSVALDO MARCINEIRO

Acusado de assassinato, pai de santo rompe o silêncio após O Caso Evandro

REPRODUÇÃO/GLOBOPLAY

Osvaldo Marcineiro em cena do documentário O Caso Evandro

Osvaldo Marcineiro em cena do documentário O Caso Evandro; pai de santo se manifestou

REDAÇÃO

redacao@noticiasdatv.com

Publicado em 15/6/2021 - 22h44

Um mês após a estreia do documentário O Caso Evandro no Globoplay, o pai de santo Osvaldo Marcineiro rompeu o silêncio e se pronunciou publicamente pela primeira vez. Ele, que foi preso e torturado sob a acusação de ser o assassino do menino Evandro Ramos Caetano, optou por se recolher por medo de reviver o julgamento público sofrido em 1992.

"Me tornei uma pessoa incrédula em certas situações, principalmente em acreditar no ser humano, não acreditava que poderia ter tantas pessoas boas no mundo ainda, ou simplesmente não acreditava mais na mídia", escreveu ele em parte do relato.

Seu texto foi publicado em um grupo do Facebook chamado Discutindo o Caso Evandro - Projetos Humanos, onde os principais personagens dessa trama da vida real fazem parte, juntamente com o jornalista Ivan Mizanzuk, responsável pela série de podcasts que inspirou a série do Globoplay.

Por se tratar de um ambiente virtual privado, o relato de Marcineiro se tornou público graças ao cineasta Aly Muritiba, diretor da série documental. Com a autorização do pai de santo, ele compartilhou o texto na íntegra em seu perfil no Twitter. Confira:

7 Inocentes de Guaratuba

Osvaldo decidiu aderir à campanha 7 Inocentes de Guaratuba, encabeçada por Beatriz Abagge, uma das sete pessoas que foram presas e torturadas pela morte do garoto Evandro, em 1992.

Na história criada na época, Marcineiro teria realizado um ritual satânico e usado o corpo do garoto, que havia sido encomendado por Beatriz e sua mãe, Celina Abagge, que na época era a mulher do prefeito de Guaratuba (PR), Aldo Abagge. Além deles, teriam participado do suposto do trabalho espiritual Vicente de Paula Ferreira, Davi dos Santos Soares, Francisco Sérgio Cristofolini e Airton Bardelli dos Santos.

Com o documentário, o caso foi esmiuçado e todas as incoerências apontam para um caso de erro da Polícia Militar do Paraná, que teria colocado essas sete pessoas como vítimas de um plano de conspiração. Todos eles foram torturados e obrigados a confessarem o crime.


Leia também

Web Stories

+
Bárbara, Kelvin e Medina: Atletas brasileiros se envolvem em tretas nas OlimpíadasAna ou Manuela? Saiba quem fica com Rodrigo no final de A Vida da GenteComo Rayssa Leal e Douglas Souza: Cinco atletas das Olimpíadas que você deve seguirTraição de Pyong Lee e treta de Nadja Pessoa: Ilha Record promete estreia acaloradaFim de casamento e cirurgia perigosa: Como estão os vencedores do Power Couple Brasil

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Qual a melhor cobertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio?