Briga nos tribunais

Ibope diz que não abrirá 'caixa-preta' da audiência para o SBT

Reprodução

Peoplemeter, aparelho do Ibope que mede audiência das emissoras de TV em tempo real - Reprodução

Peoplemeter, aparelho do Ibope que mede audiência das emissoras de TV em tempo real

PAULO PACHECO - Publicado em 31/03/2015, às 06h08

Única referência na medição de audiência de TV durante as últimas décadas, o Ibope discorda da interpretação de que o STJ (Superior Tribunal de Justiça) o obrigou em sentença definitiva a abrir sua "caixa-preta" ao SBT. O STJ acaba de declarar "transitado em julgado" uma ação movida desde 2001 pela rede de Silvio Santos, confirmando sentença de 2003 que determina que o Ibope revele à emissora dados confidenciais da metodologia de aferição de audiência em tempo real. Em nota oficial, o instituto diz que "a decisão, na prática, não implica qualquer mudança na conduta já adotada". Em outras palavras, não abrirá sua "caixa-preta".

Leia abaixo o posicionamento do Ibope sobre a decisão judicial:

"O Ibope Media esclarece que, em fevereiro de 2015, o STJ proferiu sentença definitiva em um processo movido em 2001 pelo SBT, no qual a emissora buscava uma indenização por descumprimento contratual. O pedido foi rejeitado pela Justiça, que apenas determinou que o Ibope Media divulgue ao SBT sua metodologia de medição de audiência de televisão, já de amplo conhecimento do mercado e principalmente dos clientes. A decisão, na prática, não implica qualquer mudança na conduta já adotada pelo Ibope Media.

Além disso, não é de aplicação imediata, pois depende do retorno do processo para o juízo de origem para determinação do cumprimento da sentença. O Ibope Media reforça que seus processos metodológicos são validados pela Comissão ABAP-Redes e auditados anualmente pela E&Y - Ernst & Young, que segue padrões internacionais de qualidade na medição de audiência de televisão".

O argumento do Ibope é o de que seus clientes, entre eles o SBT, já conhecem detalhes de sua metodologia e que assinam acordo de sigilo em contrato de prestação de serviços. O SBT discorda (assim como a Record, que também tentou abrir a "caixa-preta" do Ibope na Justiça, mas não conseguiu). Com a sentença do STJ, executivos do SBT acreditam que terão direito a dados sigilosos, como a localização dos peoplemeteres, aparelhos usados na medição.

Nessa análise, eles se baseiam na sentença de 2003, em que  o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) reconheceu "o direito das autoras [SBT e Liderança Capitalização] de obter conhecimento sobre a forma, a metodologia e os elementos utilizados pelo réu [Ibope] em todos os mecanismos para pesquisa de audiência e apuração de resultados".

A briga começou em 2001. O SBT questionava a medição de audiência minuto a minuto, quando em 12 de agosto daquele ano foi punido pelo Ibope com a suspensão de 24 horas do serviço. Na época, o Ibope argumentou que a emissora havia violado as regras de divulgação dos números. A rede de Silvio Santos sentiu-se lesada e processou o Ibope. Além de questionar a punição, pediu acesso aos dados confidenciais da medição.

Em 2003, o SBT perdeu o direito à indenização, mas viu o Ibope ser obrigado a revelar dados confidenciais. O Ibope recorreu ao Tribunal de Justiça de São Paulo, que manteve a sentença. O instituto, então, apelou ao STJ, em Brasília. Em dezembro, a Terceira Turma, formada por cinco ministros, rejeitou o recurso do Ibope. No dia 19 de fevereiro, o STJ declarou o processo "transitado em julgado", ou seja, não é mais possível recursos.

Procurado, o SBT disse que não vai se manifestar.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

Notícias da TV Recomenda

It: A Coisa

It: A Coisa

Ficha técnica: It. Terror. EUA, 2017, 135 min. Direção: Andy Muschietti. Elenco: Bill Skarsgård, Jaeden Lieberher, Finn Wolfhard, Sophia Lillis. Disponível no Now.

Sinopse: Na pequena cidade de Derry, crianças começam a desaparecer misteriosamente, deixando para trás apenas um rastro de sangue. Sete crianças acostumadas a sofrer bullying dos valentões locais se unem para investigar o caso e acabam se deparando com um palhaço demoníaco, Pennywise (Skarsgård).

Por que assistir: Baseado em um livro clássico do rei do terror, Stephen King, It: A Coisa se tornou o filme do gênero mais visto dos cinemas na história, com mais de US$ 690 milhões (R$ 2,2 bilhões) nas bilheterias do mundo todo. O longa também foi indicado a prêmios especializados no gênero terror e recebeu elogios por seu elenco infantil, repleto de promessas (inclusive Finn Wolfhard, o Mike de Stranger Things).

Assista agora no NOW

+ Lidas

Bloco de Notas

Fim da linha

A humorista Maria Bamford em cena da comédia surreal Lady Dynamite, da Netflix - Divulgação/Netflix A Netflix anunciou neste sábado o cancelamento da série Lady Dynamite, que teve duas temporadas produzidas pela plataforma de streaming. Baseada na vida real da comediante Maria Bamford (que também estrela a série), Lady Dynamite ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Mais um BBB vem por aí e...

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook