Enigmas de Westeros

Guerra, destruição e inverno 'sem fim': o que esperar da nova Game of Thrones

Divulgação/HBO

Isaac Wright e Richard Brake em cena na Muralha, durante a sexta temporada de Game of Thrones - Divulgação/HBO

Isaac Wright e Richard Brake em cena na Muralha, durante a sexta temporada de Game of Thrones

JOÃO DA PAZ - Publicado em 13/06/2018, às 05h57

Guerra, destruição, o nascimento dos clãs Stark e Lannister, a construção da Muralha e um inverno que parece não ter fim. A HBO vai contar a pré-história de Game of Thrones na série derivada, que teve seu piloto (primeiro episódio) encomendado na semana passada. O novo drama vem para o canal manter ligada a máquina de fazer dinheiro que é GoT. A série ajudou a HBO a aumentar seu faturamento em 70% nos últimos seis anos (de US$ 1 bilhão para US$ 1,7 bilhão).

Sem nome definido e com lançamento previsto para 2020 caso seja aprovada, a atração se passará 10 mil anos antes dos eventos retratados nas sete temporadas de Game of Thrones. Enigmática, a HBO divulgou uma sinopse cifrada à imprensa. Mas, com uma interpretação equilibrada, dá para projetar o que vem por aí.

O canal definiu a nova série da seguinte forma: "A trama retrata a transição da Era dos Heróis ao seu pior momento. E uma coisa é certa: dos segredos terríveis de Westeros à verdadeira origem dos White Walkers, aos mistérios do Leste, aos Starks... nada é como a história que nós achamos conhecer".

O ponto-chave que tem deixado os fãs elétricos enquanto tentam desvendar os detalhes da história é a frase "nada é como a história que nós achamos conhecer".

Na mitologia de Game of Thrones, a Era dos Heróis é um período de 4.000 anos em que não houve nenhum registro dos acontecimentos. Tudo o que se sabe sobre essa época foi passado de boca a boca ou por meio de poemas e canções. Algumas poucas informações sobre a era foram ditas no decorrer da série e descritas na coleção de livros As Crônicas de Gelo e Fogo (na qual Game of Thrones se baseia).

Quem colocou no papel os relatos da Era dos Heróis foram os religiosos da Fé dos Sete, milhares de anos depois. Acredita-se que eles deram uma exagerada em alguns acontecimentos e excluído outros. Basicamente, os homens dessa época são para os habitantes de Westeros o que Hércules representa para nós, um mito.

O ator canadense Ross Mullan interpretou um tenebroso White Walker em Game of Thrones

Muralha e White Walkers
Dificilmente a HBO vai esclarecer cada momento dos 4.000 anos da Era dos Heróis. O ideal seria pegar apenas os eventos principais do período. E um deles está logo na sinopse: "A verdadeira origem dos White Walkers".

Muitos moradores de Westeros, como a rainha Cersei (Lena Headey), acreditavam que os White Walkers eram produto da fantasia de escribas e que a Longa Noite não passava de uma fábula. Mas, conforme mostrado na sétima temporada, as coisas não foram bem assim.

A Longa Noite é o principal evento da Era dos Heróis (Longa Noite também é o título que George R. R. Martin, autor de As Crônicas de Gelo e Fogo, quer para a série filhote). Trata-se do nome dado a um intenso inverno que durou gerações, trazendo fome e mortes. Os White Walkers invadiram Westeros com a missão de destruir tudo o que vissem pela frente, com a ajuda de zumbis.

Os algozes foram derrotados pelos chamados First Men (os primeiros habitantes de Westeros) e pelos Children of the Forest (Filhos da Floresta). Assim, a famosa Muralha foi construída no norte do continente para barrar um possível retorno dos temidos White Walkers.

A Muralha tem 213 metros de altura e 482 quilômetros de comprimento. Com gelo puro, a grande barreira não tem, por si só, como impedir uma invasão dos White Walkers. O que realmente os detinha de cruzar o obstáculo era uma magia bolada pelos Filhos da Floresta. 

Tudo mudou na mais recente temporada de GoT, a sétima. No derradeiro episódio, o Rei da Noite (Richard Brake) matou Viserion, um dos dragões de Daenerys Targaryen (Emilia Clarke). A fera foi transformada em um bicho zumbi e passou a cuspir fogo azul, que derreteu um pedaço da Muralha. 

Jon Snow (Kit Harington) na Muralha; herói de Game of Thrones já integrou o Night's Watch

Quem ergueu a Muralha?
Em Westeros, a lenda afirma que um homem notável foi o responsável por erguer não só a Muralha, mas também o castelo de Winterfell. Seu nome é Brandon Stark, membro dos First Men, fundador da Casa Stark e apelidado de Bran, o Construtor.

Citado brevemente na primeira, na terceira e na quinta temporadas de GoT, Bran é um homem mítico. Dizem que ele levantou a Muralha com a ajuda de gigantes. E para protegê-la, criou a guarda militar chamada de Night's Watch (Patrulha da Noite). Bran, o Construtor entrou para a história como o primeiro Rei do Norte, posto exercido posteriormente por Jon Snow (Kit Harington).

Seu nome é tão imponente que atravessou gerações. Há vários "Brans" no clã Stark, incluindo o interpretado por Isaac Hempstead-Wright e bem conhecido dos fãs de Game of Thrones. Por existir tantos homens com o mesmo nome, acredita-se que muitos feitos realizados por outros "Brans" sejam atribuídos ao original.

Pai dos Lannisters
O apelido do fundador da Casa Lannister também é autoexplicativo: Lann, o Esperto. Essa é a tradução oficial da coleção As Crônicas de Gelo e Fogo. De maneira mais popular, ele poderia ser chamado de Lann, o Malandro.

Tido como vigarista, Lann é um personagem importante durante a Era dos Heróis. A lenda diz que ele conquistou o castelo de Casterly Rock sem usar uma arma sequer, apenas no papo, na sagacidade. Antes os habitantes mais ricos de Westeros, os Casterlys entraram em extinção após a tomada de Lann.

A pilantragem de Lann chegou a tal ponto que dizem que ele roubou ouro do sol para tingir o seu cabelo. Há ainda quem acredite que seu fantasma sonda os perímetros da fortaleza de Casterly Rock até os dias atuais.

Leia também

 

 

Enquete

Você pretende assistir Lia, minissérie da Record?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook