José Roberto Burnier

Repórter deixa o Jornal Nacional para apresentar programa secreto na TV paga

Reprodução/TV Globo

José Roberto Burnier no Jornal Nacional do último dia 14; jornalista já trabalha em novo projeto na Globo News - Reprodução/TV Globo

José Roberto Burnier no Jornal Nacional do último dia 14; jornalista já trabalha em novo projeto na Globo News

DANIEL CASTRO - Publicado em 22/05/2018, às 20h02

Um dos principais repórteres da Globo em São Paulo há três décadas, José Roberto Burnier, 57 anos, vai deixar o Jornal Nacional para apresentar um telejornal na TV paga. O jornalista está à frente de um novo projeto da Globo News, ainda mantido em sigilo. A novidade foi anunciada na tarde desta terça-feira (22) por Ali Kamel, diretor-geral de Jornalismo.

Em e-mail, Kamel enalteceu as qualidades de Burnier e adiantou apenas que ele será âncora de "um telejornal inovador, criativo, informativo". "Não dou detalhes do programa, porque tudo ainda é segredo", justificou Kamel.

Burnier vai continuar aparecendo no Jornal Nacional até meados de julho. Ele foi escalado para cobrir a Copa do Mundo na Rússia e, na volta, se dedicará totalmente ao novo projeto, no qual já vem trabalhando na Redação de São Paulo.

Burnier está na Globo desde 1983. Começou no Globo Rural. Cinco anos depois, em 1988, passou a cobrir os principais assuntos do país para o Jornal Nacional. Entre 1994 e 1996, foi apresentador do Bom Dia São Paulo. Depois, foi correspondente em Buenos Aires. 

Um dos repórteres mais produtivos do Jornal Nacional, Burnier passou enfrentar nos últimos anos a concorrência de outros profissionais tarimbados e a concentração do noticiário em Brasília, por causa dos escândalos políticos. Sem espaço no principal telejornal do país, tratou de produzir pautas para o Jornal Hoje e Jornal da Globo.

No segundo semestre, além de Roberto Kovalick, Burnier teria a concorrência de um outro jornalista de peso: Márcio Gomes, correspondente no Japão, irá dar expediente em São Paulo.

A seguir, o e-mail de Ali Kamel sobre a nova função de José Roberto Burnier:

"Cris Piasentini [diretora regional de Jornalismo] costuma dizer que [José Roberto] Burnier sempre foi novidadeiro. Já conversamos a respeito e é com entusiasmo que ela me conta a história profissional dele. E eu fico encantado. Burnier nem tinha acabado a faculdade, já estava cobrindo a greve de trabalhadores rurais do interior de São Paulo, uma das mais longas e importantes paralisações do período final da ditadura. Inquieto, disposto, cheio de adrenalina, logo deu por concluída a etapa de estreia, na EPTV em Campinas, para desembarcar em São Paulo.

Era 1983 e o Globo Rural logo tratou de juntar a garra do jovem recém-chegado do interior às artes minuciosas de uma edição caprichada. Ninguém sabia, mas estava sendo lapidado um dos melhores repórteres que a TV brasileira já botou no ar.

Na Redação do Jornalismo da Globo na praça Marechal [Deodoro], onde chegou em 88, Burnier não teve tempo para pensar em mudança. Ou melhor, tudo mudava rápido, nem dava muito tempo para pensar nisso. Eram anos agitados no país e para um repórter sempre havia uma novidade: Assembleia Constituinte para escrever uma nova Carta, novas levas de eleitores votando pela primeira vez para presidente, novas moedas e planos econômicos se sucedendo, novas palavras entrando no dia a dia da redação e na boca do povo: overnight, mintchura, impeachment. Quem não se lembra?

Burnier participou de todas essas coberturas e muitas mais. Quando o país voltou aos trilhos e o noticiário sossegou, era hora buscar outras experiências. Burnier passou dois anos pulando da cama em plena madrugada para editar e apresentar o Bom Dia São Paulo, tudo ao vivo, como no dia do enterro do Ayrton Senna, que ele narrou emocionado.

Em 2004, novos ares. Burnier foi para a Argentina estrear no papel de correspondente internacional. Montou o primeiro escritório da Globo em Buenos Aires e de lá desdobrou-se na cobertura de toda a América Latina, assunto que continua até hoje na sua agenda de repórter. Mesmo na volta ao Brasil, nunca deixou de acompanhar o noticiário turbulento dos nossos vizinhos, como as idas e vindas na Venezuela, os mineiros soterrados no Chile e a deposição do presidente Manuel Zelaya, em Honduras.

Nos últimos tempos, é raro o dia em que seu nome não aparece no espelho do Jornal Nacional. E não é à toa. Como repórter experiente e atento que é, nenhuma matéria é menos importante, nenhuma informação é deixada de lado. Burnier está sempre atrás de uma fonte, de um assunto. E quando o tema é da área de saúde, a redação respira com alívio: Dr. Burnier sempre será o primeiro a saber.

Burnier tem um jeito próprio de contar as histórias que cobre, uma linguagem própria, de texto e de imagem. Sabe se colocar diante da câmara com um único objetivo: fazer o público entender melhor o que lhe é contado. É um talento, porque a espontaneidade está sempre a serviço da notícia. Quando vejo uma reportagem de Burnier, sempre me sinto feliz com o resultado. É uma opinião que muitos compartilham comigo.

De vez em quando algum repórter que está começando na profissão me diz que se mira no exemplo do Burnier (e eu penso sempre: esse repórter tem futuro). Nos últimos meses, ele se entusiasmou com a possibilidade de compartilhar suas apurações e seus talentos de repórter em outras plataformas, e foi um dos primeiros a perceber a importância da radicalização da integração entre TV Globo, GNews e G1.

E é para se manter fiel à sua sempre renovada busca por novidades que Burnier vai se dedicar, depois da Copa da Rússia, que cobrirá com o brilho de sempre, ao mais novo produto do Jornalismo da Globo, um telejornal, na Globo News. Será um telejornal inovador, criativo, informativo. E nós só tínhamos um nome para liderá-lo. Burnier.

Não dou detalhes do programa, porque tudo ainda é segredo. Mas como ele já está fazendo peças promocionais, como anda muito grudado com a News e, como depois da Copa, deixará o vídeo para se dedicar ao novo projeto, resolvi contar a novidade. Aguardem, vai ser um show. De informação, com a assinatura Burnier. Boa sorte a ele!

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

O Vídeo Show tem salvação?

Últimas notícias

Notícias da TV
Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook