Detetives do Prédio Azul

Série infantil do Gloob troca elenco ‘crescidinho’ na sétima temporada

Divulgação

Anderson Lima (Bento), Letícia Pedro (Mila) e Pedro Hentiques Motta (Pippo), os detetives - Divulgação

Anderson Lima (Bento), Letícia Pedro (Mila) e Pedro Hentiques Motta (Pippo), os detetives

ODARA GALLO - Publicado em 04/04/2016, às 05h00

No ar desde 2012 no canal Gloob, Detetives do Prédio Azul surge renovada em sua sétima temporada nesta segunda-feira (4). A começar pelo elenco, que ficará mais jovem para que as histórias infantis continuem compatíveis com a faixa etária dos personagens e do público. Saem Caio Manhente (Tom) e Cauê Campos (Capim), de 16 e 14 anos, respectivamente, e chegam Pedro Henriques Motta (Pippo), 9 anos, e Anderson Lima (Bento), 11. Outra novidade é que os episódios terão o dobro do tempo, 30 minutos.

"As crianças cresceram muito, ficaram bem grandes, então houve uma necessidade de mudar o elenco. Estudamos muito o assunto e decidimos não trocar apenas os atores. Achamos mais interessante, mais honesto de nossa parte, trocar também os personagens", explica André Pellenz, diretor da série. Na história, três crianças são amigos inseparáveis que moram em um prédio azul e desvendam um mistério a cada episódio.

A possibilidade de colocar os detetives em aventuras diferentes também pesou na decisão. "O público viu esses atores crescerem e acho que é uma mensagem positiva mostrar que umas pessoas vão e outras chegam na vida. E tem ainda a vantagem de poder explorar novas histórias com a mudança dos personagens", completa.

Para rechear episódios com o dobro de tempo, a produção terá novos cenários e mais efeitos especiais nas cenas de magia do núcleo dos bruxos. "Com a decisão do canal de abrir uma janela de edição de meia hora, a série cresceu. Tem mais personagens, mais cenas externas, mais cenários e efeitos. O tamanho do episódio comporta o crescimento que a série teve", define Pellenz.

O maior desafio, segundo o diretor, é manter o sucesso da série diante de tantas mudanças. "Ao mesmo tempo em que a gente precisa renovar algumas coisas para agradar quem está nos acompanhando há muito tempo, tem público que se renova a cada dia. O segredo é não perder a essência da franquia, que é a amizade entre as crianças e como elas a mantém", explica.

Pedro Henriques Motta, que dá vida ao comilão Pippo, aparecerá entrosado com os outros detetives já no primeiro episódio. Após a despedida de Tom, o garoto chega para morar no prédio azul com o pai e fará amizade com Capim e Mila (Letícia Pedro). "O Pippo é muito animado, sempre otimista, me identifiquei muito com ele", diz o ator, que relata alguns dos desafios para dar vida ao personagem ao longo dos 13 episódios já gravados.

"Pippo come mais do que eu. Então tive que experimentar algumas coisas, como suco detox e embolado de tomate com manjericão. Eu não gostei muito, mas o personagem, sim", conta aos risos.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Você está curtindo o programa Se Joga?
Sim, é divertido e leve.
22.27%
Não é horrível, mas também não é bom.
26.34%
Não, achei muito ruim, uma vergonha.
27.00%
Prefiro A Hora da Venenosa.
24.40%

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook