Futuro da televisão

A TV carne de vaca digital

Reprodução

Demonstração de TV digital pela fabricante coreana Samsung no final dos anos 1990 - Reprodução

Demonstração de TV digital pela fabricante coreana Samsung no final dos anos 1990

JOSÉ CARLOS ARONCHI, Especial para o NTV - Publicado em 01/10/2013, às 03h33 - Atualizado às 03h56

A primeira vez que ouvi e vi algo sobre TV digital foi em 1990, no encontro anual da indústria broadcasting, a NAB, na Geórgia, nos EUA. Foi uma década emblemática para aconsolidação da "aldeia global" teorizada por McLuhan. O tema do congresso anunciava "A Era Digital", e a primeira rede internacional de notícias 24 horas, a CNN, sediada em frente ao pavilhão de exposições do evento, em Atlanta, comemorava dez anos.

O evento discutia a digitalização da TV aberta analógica e demonstrava equipamentos digitais de captação, tratamento da imagem e transmissão. Eu, que não sou engenheiro mas tenho certa familiaridade com operação e tecnologia, fiquei espantado mesmo com o tamanho e a qualidade de um receptor de TV próximo de 40 polegadas. 

A feira de equipamentos expunha algumas funcionalidades dos projetos de integração da futura TV digital com outros meios, como o computador e o telefone. Ainda estavam em testes, porém com protótipos bem resolvidos. Outra tendência mais consolidada era, desde o final da década de 1980, as interfaces da computação gráfica 3D e a televisão. Naquela época, tudo o que era digital carregava a inovação.

Para um profissional de produção, a NAB de 1990 indicava uma transformação impressionante. A TV digital parecia uma fotografia em movimento ou cinema em tela pequena. E isso iria mudar o modus operanti da criação à recepção de TV. 

Mais de 20 anos após a apresentação da tecnologia de televisão digital ao mundo, era de se supor que o papo estivesse ultrapassado. E já está. Apesar de insistentes e estridentes apelos de alguns setores e alguns poucos espasmos de desenvolvedores de tecnologia, o assunto TV digital não está na mídia factual e no centro das discussões sobre inovações, simplesmente, porque já é fato que depende somente da evolução tecnológica em curso.

Justificadas, as manifestações entusiasmadas pelas novidades da TV digital ainda clamam por funcionalidades não exploradas. É reconhecido que o projeto concebido para o Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre, o SBTVD-T, previu o uso e o abuso inteligente dos recursos e interfaces da mídia digital.

Contudo, de tão avançado, o SBTVD-T abriu a porta para outros atores que tomaram o espaço no palco de discussões. É como se a criatura matasse o criador ou, menos trágico, o aluno superasse o mestre, o que, para muitos mestres, também é trágico. Tudo o que já tem forma, tem conteúdo e, naturalmente, apresenta custos elevados, exige respostas urgentes das cadeias produtivas de telecomunicação e conteúdo. E a fila anda.

Buscar soluções imediatas para o que já existe tornou-se mais produtivo do que discutir o que ainda falta implementar na TV digital brasileira. Isso abre a temporada de caça às soluções que vão dar nomes aos bois que encontrarem respostas realmente inovadoras, quer venham de fabricantes ou desenvolvedores, redes ou produtoras independentes, mercado ou academia.

Então, qual é a bola da vez visto que discutir TV digital virou carne de vaca? O fim das transmissões analógicas, batizado de apagão analógico no Brasil? O FobTV - Future of Broadcasting Television, o padrão mundial de transmissão? A segunda ou a terceira tela como suporte para o conteúdo da televisão acompanhada por tablets e smartphones? A TV 4K? O modelo de negócio convergente? Os novos formatos de conteúdo disponibilizados pelas operadoras de telefonia móvel? O roteiro interativo multiplataforma?

Tem muito assunto para ser pesquisado e outros formatos para serem descobertos. Vamos focar nisso aqui nesse espaço nos próximos artigos.


















JOSÉ CARLOS ARONCHI, doutor em Comunicação e pesquisador em formatos de conteúdo multiplataforma, é autor de Gêneros e Formatos na Televisão Brasileira (Editora Summus) e do aplicativo Roda dos Gêneros.

Site: www.rodadosgenerostv.com.br

E-mail: jcaronchi@uol.com.br

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Quem é o personagem mais trouxa da TV?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook