Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

Dama da TV

'Globo nunca me deu importância', diz Beatriz Segall, 88, desempregada

João Miguel Júnior/TV Globo

Beatriz Segall em cena da série Lara com Z, exibida pela Globo em 2011; atriz está fora da TV desde 2012 - João Miguel Júnior/TV Globo

Beatriz Segall em cena da série Lara com Z, exibida pela Globo em 2011; atriz está fora da TV desde 2012

DANIEL CASTRO

Publicado em 27/10/2014 - 14h52
Atualizado em 28/10/2014 - 6h32

Intérprete da maior vilã da telenovela brasileira, Beatriz Segall, 88 anos, está desempregada. Mais para passar o tempo do que para ganhar um dinheiro, a eterna Odete Roitman está dando aulas particulares de interpretação em São Paulo. Fora da TV desde 2012, quando fez uma participação em Lado a Lado, Beatriz reclama dos atores e das novelas atuais ("fraquinhas", segundo ela) e lamenta nunca ter feito parte do primeiro escalão do elenco da Globo.

"Nunca fui contratada [pela Globo]. Sempre trabalhei por obra", diz. Por quê? "Eles nunca me ofereceram e eu não procurei. A Globo nunca me deu importância", responde uma Beatriz contundente e econômica.

A atriz faz questão de dizer que está dando aulas porque gosta, enquanto espera um convite para voltar a atuar. Não está passando por necessidades, afirma. "Dou aula porque eu gosto, eu adoro fazer isso. É um trabalho delicioso", conta. 

Beatriz diz que sempre sempre treinou atores. Retomou o trabalho há dois meses e já tem quatro alunos, três atores profissionais e uma dona de casa. O luxo de estudar duas a três vezes por semana com uma das maiores atrizes brasileiras custa de R$ 200 a R$ 300 por aula, dependendo da duração.

Considerada uma das grandes damas da TV, ela aceita amadores, desde que sejam aprovados em uma entrevista prévia. "De repente, a gente descobre gente boa, né?", justifica. "Mas não é isso. Minha intenção é preparar atores e ser coacher. Coacher existe muito nos Estados Unidos e na Inglaterra. São pessoas que fazem o ator realizar aquilo que o diretor quer", explica.

Com 70 anos de carreira, Beatriz Segall valoriza o ator que estuda. E cutuca a nova geração. "É uma coisa que acontece pouco hoje. Até os anos 1960, 1970, os atores estudavam muito. Hoje, eu acho que estudam menos. Basta ser bonitinha e aparecer 15 minutos na televisão. A prova disso é que os elencos de antigamente eram melhores. Hoje seria difícil fazer Água Viva e Vale Tudo, por exemplo", fuzila.

Beatriz Segall em sete cenas

Odete Roitman, grande vilã de da novela Vale Tudo (1988), de Gilberto Braga, é assassinada a tiro
Beatriz Segall em Água Viva (1980), também de Gilberto Braga, em que fazia a grã-fina Lurdes Mesquita
Depois de um passagem pela Bandeirantes, a atriz retornou à Globo em 1982 para fazer Sol de Verão
Na minissérie humorística A, E, I, O... Urca (1990), Beatriz Segall interpretou uma espiã nazista
Beatriz Segall em Sonho Meu, novela de 1993, escrita por Marcílio Moraes, ambientada em Curitiba
Com Rafael Cardoso em Lado a Lado (2012); em sua última novela, fez uma professora de francês
Beatriz Segall no Vídeo Show, em julho, após entrevista a Zeca Camargo, em sua última aparição na TV

Para Beatriz Segall, os elencos dessas novelas, nas quais ela brilhou nos anos 1980, eram "muito especiais". Todo o elenco de Vale Tudo, em que interpretou Odete Roitman, "era excelente".

Ao priorizar rostos bonitos, a televisão é ingrata com os bons e velhos atores. "Ficam esquecidos", lamenta. A resposta? Beatriz Segall não vê mais novela. "Vejo só o noticiário em geral. As novelas do meu tempo eram muito boas. As de agora são mais fraquinhas. Ai, agora é que não me chamam mesmo [para trabalhar em novela], depois de eu dizer isso (risos)".


SERVIÇO: Interessados em estudar com Beatriz Segall devem telefonar para para Paulo: (11) 9-9939-6270.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Enquete

Qual a melhor novela no ar atualmente?

Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.