Dondoca, fura-olho...

Mimada, Luiza entra para lista das mais chatas de Manoel Carlos

Reprodução/TV Globo

A atriz Bruna Marquezine na pele de Luiza em cena da novela das nove da Globo, Em Família - Reprodução/TV Globo

A atriz Bruna Marquezine na pele de Luiza em cena da novela das nove da Globo, Em Família

MÁRCIA PEREIRA - Publicado em 19/05/2014, às 19h23 - Atualizado em 20/05/2014, às 06h38

A personagem de Bruna Marquezine na novela Em Família, da Globo, é a mais nova integrante da lista das mais chatas do autor Manoel Carlos. Ela se junta a Camila (Carolina Dieckmann), de Laços de Família (2000), Eduarda (Gabriela Duarte), de Por Amor (1997), e Joyce (Carla Marins), de História de Amor (1995).

Mimada, chata, dondoca e fura-olho são os termos mais leves usados pelos telespectadores ao se referirem a Luiza. Nas redes sociais, o tapa na cara que ela levou da mãe, Helena (Julia Lemmertz), na semana passada, foi comemorado comemorado efusivamente.

Para Nilson Xavier, especialista em teledramaturgia e colunista do UOL, a jovem não é uma vilã. “A menina mimada e chata é recorrente nas tramas de Manoel Carlos. Ela é uma personagem humana, só que intransigente, arrogante e dona da verdade. Lídia Brondi tinha esse perfil em Baila Comigo [1981]”, lembra Xavier.

Carolina Dieckmann (Camila) e Vera Fisher (Helena): mãe e filha em Laços de Família (Divulgação/TV Globo)

A lista das chatas e mimadas conta ainda com Iris (Deborah Secco) em Laços de Família; Dóris (Regiane Alves) em Mulheres Apaixonadas (2003); e Isabel (Adriana Birolli) em Viver a Vida (2009). “Difícil eleger a pior. Fizeram até o site Eu Odeio a Eduarda na época de Por Amor, mas isso chamou muito a atenção na época porque a internet ainda era novidade. Se eu tivesse que eleger uma, seria a Dóris porque ela maltratava os avós e todo mundo vibrou quando ela levou uma surra de cinto”, comenta Xavier.

Caminho inverso

Mauro Alencar, doutor em teledramaturgia pela USP (Universidade de São Paulo) e membro da Academia Internacional de Artes e Ciências da Televisão de Nova York (Emmy), afirma que o fato de o comportamento de Luiza gerar críticas nas redes sociais mostra que a personagem, por um caminho inverso, o do desequilíbrio, caiu no gosto do público. “Muitas vezes o desconforto não significa o desagrado. Mas o quanto, na arte, o conflito em questão é importante para iluminar as mazelas humanas presentes na realidade. Aí reside o sucesso e a importância da nossa telenovela”, observa Alencar.

Gabriela Duarte (Eduarda) e Regina Duarte (Helena) em cena da novela Por Amor (Divlugação/TV Globo)

O especialista diz que Luiza está presente para desestabilizar (ainda mais) o percurso de Helena. “Qual relação familiar, particularmente em se tratando de mãe e filha, transcorre em águas serenas? Sendo a novela uma criação com base psicossocial, é altamente satisfatório o conflito armado por Manoel Carlos”, diz Alencar.

LEIA TAMBÉM:

Globo esquece de cicatriz de Gianecchini, e novela tem correria

Em Família: Reynaldo Gianecchini assusta fãs com cicatriz gigante

Milton Neves faz 'merchandising' grátis de entretenimento adulto

De visual novo, Vanessa Giácomo grava cenas de Falso Brilhante

Globo confirma: Cobras & Lagartos será reprisada no Vale a Pena

Em crise, Fantástico dá menos audiência do que Faustão e futebol


​► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

Enquete

Você vai acompanhar Salve-se Quem Puder?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook