Chandelly Braz

Atriz revela dificuldade para fazer cena de sexo com Marisa Orth

Reprodução/GNT

Marisa Orth e Chandelly Braz em cena de pós-sexo na série Edifício Paraíso, no ar no GNT - Reprodução/GNT

Marisa Orth e Chandelly Braz em cena de pós-sexo na série Edifício Paraíso, no ar no GNT

FERNANDA LOPES - Publicado em 19/06/2017, às 05h20

Depois de viver a filha rebelde e oportunista da personagem de Marisa Orth em Haja Coração (2016), Chandelly Braz agora interpreta a namorada da atriz em Edifício Paraíso. Na série do canal GNT, as duas brigam muito, se ofendem muito e, em determinado momento, acreditam que só o sexo e a masturbação darão fim às discussões. Em sua primeira personagem gay na TV, a atriz de 32 anos confessa que teve dificuldade para lidar com as cenas mais íntimas que fez com Marisa.

"Acho que o mais constrangedor foi nossa falta de habilidade! Mas, no final, tudo acabou em risada. Não fiquei nervosa por ser com uma mulher, e acho que não ficaria por esse motivo, além do que a Marisa já era uma grande parceira e tínhamos bastante intimidade em cena depois de gravar uma novela inteira juntas", explica.

Na trama de Edifício Paraíso, Chandelly vive Kátia, uma corretora de imóveis que se sente inferior em seu relacionamento com outra mulher. Sua companheira, Soraya (Marisa), é bem-sucedida no trabalho e não assume o relacionamento para a sociedade.

"Eu simplesmente não estaria numa relação em que eu me sentisse assim. Mas a série é uma comédia sobre situações, muitas vezes patéticas, que muitos casais passam. É sobretudo sobre o insucesso e a incomunicabilidade desses casais frente a essas situações", ela conta.

Edifício Paraíso é a segunda série de Chandelly na TV paga. A atriz, que estreou na Globo em 2010, na série Clandestinos – O Sonho Começou, ganhou fama em Cheias de Charme (2012). Desde então, só havia tido destaque em novelas, como Saramandaia (2013).

"Adoro fazer série, é um formato para televisão que tem um grande alcance. [Ao mesmo tempo] É um trabalho mais curto e que permite maior cuidado com cada cena e com a dramaturgia, isso me agrada", conta.

Chandelly espera que seu desempenho no papel de uma lésbica em Edifício Paraíso, com direito a cenas quentes e nada conservadoras, seja mais um passo importante em direção à maior representatividade do público gay na TV.

"Ainda são pontuais casais LGBT na televisão, na TV aberta mais ainda. Representatividade importa e muito. A televisão tem um papel fundamental no combate à LGBTfobia, e consequentemente na naturalização das relações homoafetivas. Isso se faz tendo representatividade não só na teledramaturgia, mas em outros setores da televisão também, por que não?  É irreal termos uma população LGBT enorme no Brasil e ligarmos a TV e só vermos casais héteros", afirma.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

+ Lidas

Bloco de Notas

Mais Ozark

O ator Jason Bateman em cena da primeira temporada de Ozark: série renovada - Divulgação/Netflix A série Ozark, estrelada por Jason Bateman e Laura Linney, terá uma segunda temporada. A Netflix confirmou a renovação do drama para uma nova leva de dez episódios, ainda sem previsão de estreia. A produção ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

O que você está achando dos vazamentos de Game of Thrones?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook
Click Click