Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
Twitter
Instagram
Youtube
TikTok

LINHA DO TEMPO

Como a Copa América virou guerra fria com Globo, SBT e Bolsonaro?

REPRODUÇÃO/TWITTER

Com camiseta de time apoiado pela Havan, Jair Bolsonaro aponta para o logo do SBT em jogo de estreia da Copa América

Jair Bolsonaro aponta para o logo do SBT em jogo de estreia da Copa América: competição controversa

VINÍCIUS ANDRADE

vinicius@noticiasdatv.com

Publicado em 15/6/2021 - 6h50

Anunciada oficialmente pelo SBT em 18 de maio, a Copa América ficou no centro de uma batalha política quando foi transferida para o Brasil, no dia 31 do mês passado. Nas últimas duas semanas, a competição entre seleções causou uma guerra fria entre a emissora de Silvio Santos e a Globo, com participação direta do governo do presidente Jair Bolsonaro.

Antes de a bola rolar para Brasil x Venezuela no domingo (13), o torneio organizado pela Conmebol virou motivo de debate em programas políticos e esportivos, além de ter entrado na pauta da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, do Ministério Público e até do STF (Supremo Tribunal Federal).

A Globo, institucionalmente, nunca se posicionou a favor ou contra a Copa América ou de qualquer outro campeonato de futebol durante a pandemia, mas abriu os microfones para críticas, o que foi apontado como "hipocrisia" --sobretudo por parte de apoiadores e do próprio presidente Jair Bolsonaro.

O SBT, que havia vencido a disputa com a Globo e comprado os direitos de transmissão da competição que seria inicialmente realizada em Argentina e Colômbia, precisou aguardar as decisões políticas para saber se o campeonato iria ou não acontecer.

Nas redes sociais e em boa parte dos programas esportivos, a realização da Copa América foi duramente criticada por ser feita às pressas em um momento que a Covid-19 ainda não está sob controle no país.

O Notícias da TV apresenta uma linha do tempo com destaques do que aconteceu desde que o SBT anunciou a compra dos direitos de transmissão da Copa América e que ajuda a entender os motivos de a competição ter virado uma guerra fria entre Globo e Bolsonaro:

  • 18 de maio

No SBT Brasil, Téo José anunciou a compra dos direitos de transmissão da Copa América. Na ocasião, o evento estava confirmado para acontecer na Argentina e na Colômbia. "Agradecemos a Conmebol pela parceria e convidamos a torcida brasileira a acompanhar a Copa América 2021 só aqui no SBT!", publicou a emissora.

  • 20 de maio

Por conta da crescente tensão social e dos protestos políticos que tomaram conta do país, a Colômbia deixou de ser sede da Copa América. O governo até pediu o adiamento da competição para novembro, mas a Conmebol não aceitou. A Argentina passou a ser a sede única.

  • 30 de maio

A menos de 15 dias do início da Copa América, a Argentina desistiu de sediar o evento e justificou que não conseguiria organizar o torneio em meio aos casos crescentes de Covid-19. Com isso, a Conmebol ficou sem sede.

  • 31 de maio

Poucas horas depois do "não" argentino, a Conmebol recebeu um "sim" do governo brasileiro. Em publicação no Twitter, a entidade agradeceu ao presidente Jair Bolsonaro e à CBF (Confederação Brasileira de Futebol) por "abrir as portas" para a realização do evento.

Reação contrária
Logo depois do anúncio, infectologistas, médicos, entidades e políticos da oposição se posicionaram contra a Copa América no Brasil em um momento em que o país tem média diária de quase 2 mil mortes e apenas 11% da população totalmente imunizada.

Governo defendeu evento
O governo Jair Bolsonaro ignorou as críticas e passou a trabalhar para agilizar a realização da disputa. O principal argumento para fazer a Copa América foi que jogos do Campeonato Brasileiro, da Copa do Brasil e da Libertadores estavam acontecendo normalmente no país.

  • Globo x Copa América

Diversos jornalistas criticaram a realização do evento, mas as reclamações que mais repercutiram foram as de jornalistas da Globo, que exibe competições como Campeonato Brasileiro, Copa América e Eliminatórias. O Notícias da TV confirmou que a emissora tentou comprar os direitos da Copa América, mas não entrou em acordo com a Conmebol. Veja uma nota da emissora sobre o caso:

Não é verdade que a Globo se opõe à realização da Copa América ou de qualquer outra competição esportiva. Nosso posicionamento sempre foi o de priorizar a saúde e a segurança das nossas equipes e dos atletas, respeitando as orientações e protocolos das entidades de saúde e dos organizadores.

Houve quem acusou Casagrande, Luis Roberto e Galvão Bueno de hipocrisia, mas é fato que eles também criticaram a realização de campeonatos transmitidos pela Globo. No Bem, Amigos de 7 de junho, Galvão se defendeu:

Quando o futebol brasileiro voltou no ano passado, eu fui contra. Quando voltou a Copa do Brasil no ano passado, produto nosso, eu fui contra. Por que então eu iria transmitir o jogo na sexta-feira [nas Eliminatórias]? Fiz e fiz com uma felicidade de fazer um jogo do Brasil, mas também disse e disse na transmissão que, por mim, não estaria fazendo hoje, estaria fazendo mais à frente. Me lembro de ter dito aqui [no Bem, Amigos] que o problema era você trazer essas quase mil pessoas pra ficarem circulando. A Conmebol deu um passo pra trás e permitiu que aqueles que quiserem ficar em casa, vir [para o Brasil] e jogar, podem. A Argentina já se resolveu que vai fazer isso. E quero dizer outra coisa: se tiver Copa América, eu vou torcer muito pra que dê tudo certo. Todo mundo aqui tem a cabeça do bem. Vou torcer pra que tudo funcione.
  • 1º de junho

Mesmo com os jornalistas do canal tendo adotado uma posição crítica em relação ao evento no Brasil, o grupo Disney fechou a compra dos direitos de transmissão de todos os jogos da Copa América na TV paga.

  • 7 de junho

A colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo, informou que o Ministério Público Federal iniciaria uma ação coordenada para investigar a CBF, as emissoras de televisão, os patrocinadores e também os Estados e as cidades que entraram em acordo com a Conmebol para a Copa América no Brasil.

  • 10 de junho

Poucas horas depois de o STF confirmar a liberação para a realização da Copa América, o SBT soltou um editorial sobre o evento e, em uma alfinetada à Globo, afirmou que a transmissão assegurava a "pluralidade democrática ao futebol em TV aberta".

  • 11 de junho

A Globo deixou a rivalidade de lado e abriu espaço no Jornal Nacional para criticar uma possível investigação contra o SBT por transmitir a Copa América. Na edição de sexta-feira, William Bonner leu uma nota divulgada pela Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), que manifesta "preocupação" com a sugestão feita pelo Ministério Público Federal.

  • 12 de junho

O SBT, que estava enfrentando dificuldades para fechar as cotas de patrocínio da controversa Copa América, conseguiu reverter o quadro e negociou com cinco empresas para a transmissão das partidas, duas delas com donos apoiadores confessos de Bolsonaro: Havan e Madero.

  • 13 de junho

O SBT transmitiu o primeiro jogo da Copa América. Na abertura, Téo José justificou a realização da competição. "Só uma informação: em 2021, tivemos 50 partidas internacionais disputadas no Brasil. Foram 28 jogos na Libertadores, 21 da Sul-Americana e um jogo das Eliminatórias. Da Copa América, serão 28 jogos", ditou o narrador.

Nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro posou com uma camiseta de time que exibia o patrocínio da Havan enquanto estava ao lado de uma televisão. Na imagem, ele fez questão de apontar para o logo da emissora de Silvio Santos:


Leia também

Web Stories

+
Vômito, narrador ridículo e ‘xerecada’: Cinco momentos engraçados das OlimpíadasBárbara, Kelvin e Medina: Atletas brasileiros se envolvem em tretas nas OlimpíadasAna ou Manuela? Saiba quem fica com Rodrigo no final de A Vida da GenteComo Rayssa Leal e Douglas Souza: Cinco atletas das Olimpíadas que você deve seguirTraição de Pyong Lee e treta de Nadja Pessoa: Ilha Record promete estreia acalorada

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.

Mais lidas

Enquete

Qual a melhor cobertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio?