Menu
Pesquisar

Buscar

Facebook
X
Instagram
Youtube
TikTok

MÍDIA

'Pai' do Globoplay, Erick Brêtas assume o Estadão 4 meses após deixar a Globo

João Miguel Junior/TV Globo

Erick Brêtas em evento da Globo; jornalista assume como principal executivo de O Estado de S. Paulo; ele usa camisa branca em cenário azul

Erick Brêtas em evento da Globo; jornalista assume como principal executivo de O Estado de S. Paulo

DANIEL CASTRO

dcastro@noticiasdatv.com

Publicado em 25/6/2024 - 18h43

Principal executivo do Globoplay até fevereiro deste ano, o jornalista Erick Brêtas foi anunciado nesta terça-feira (25) como CEO da empresa que publica o jornal O Estado de S. Paulo, um dos mais tradicionais e influentes do país. Ele terá a missão de aprofundar a digitalização do veículo e de tirá-lo de uma crise financeira que se arrasta há mais de uma década.

Aos 50 anos, Brêtas substituirá Francisco de Mesquita Neto, da família que controla o Estadão, que deixa o cargo de diretor-presidente do Grupo Estado e assume o de presidente do conselho de administração. Uma nova  nomenclatura foi criada, a de CEO (chief executive officer, ou diretor-executivo). O jornalista ficará no topo da hierarquia da empresa, se reportando ao conselho.

"A chegada de Erick Brêtas é um passo importante na continuidade do projeto de transformação digital. Os objetivos da S/A O Estado de S. Paulo serão sempre traçados e alinhados em comum acordo entre o conselho de administração e o CEO. Nada será alterado na linha editorial d'O Estadão, e a defesa da democracia, da liberdade de expressão e da liberdade econômica serão sempre premissas irrevogáveis", afirmou Mesquita Neto em nota.

Em maio, o site Brazil Journal noticiou que o Grupo Estado havia levantado R$ 160 milhões em recursos financeiros. A maior parte (R$ 142 milhões) foi obtida em duas emissões de debêntures para investidores institucionais e de private banking. São títulos de dívida, ou, em outras palavras, empréstimo. Outros R$ 15 milhões foram aportados por membros da família Mesquita.

De acordo com texto publicado pelo Estadão nesta terça, os recursos levantados "foram destinados especialmente para a continuidade e a aceleração dos projetos de transformação digital".

Apesar da marca e da qualidade do jornalismo que pratica, o Estadão tem audiência de site, não de grande portal. Em abril, teve pouco mais de 13 milhões de visitantes únicos e 55 milhões de pageviews, segundo a Comscore, que mede a audiência do ambiente digital.

Teve menos usuários do que o Gshow, site de entretenimento da Globo, com 18,9 milhões, e do que a CNN Brasil, com 25 milhões. Entre os grandes portais, a Globo.com registrou 91 milhões de usuários e 3 bilhões de visualizações de páginas.

Erick Brêtas liderou o time que criou o Globoplay em 2015. Em 2017, foi designado pela família Marinho para trabalhar como diretor de Negócios no Vale do Silício, na Califórnia, onde analisava empresas de tecnologia que poderiam ser interessantes para o futuro da Globo.

Em 2019, reassumiu o comando do Globoplay. Deixou a plataforma de streaming em fevereiro, após considerar suas metas cumpridas --o serviço da Globo deve dar lucro pela primeira vez neste ano

Ele entrou na Globo em 1997 como estagiário no Bom Dia Brasil. Trabalhou como produtor e editor de vários telejornais (entre eles o Jornal Nacional e o Jornal da Globo), chegou a diretor regional no Rio de Janeiro e a diretor-executivo de Jornalismo. É formado em Jornalismo e mestre em Regulação de Mídia e Comunicação pela London School of Economics.

"O Estado de S. Paulo é o jornal mais relevante do país, forjado em 150 anos na defesa de valores fundamentais para o Brasil, como a República, a democracia, o estado de direito, a livre iniciativa, as liberdades individuais e os direitos humanos", disse Brêtas em nota.

"É uma honra suceder a Francisco Mesquita Neto e assumir a liderança de uma instituição tão importante para os brasileiros. Vou buscar ampliar e aprofundar o processo de transformação digital que a empresa vive desde o fim da década passada. Também procurarei expandir as receitas da companhia por meio de novos negócios e, sobretudo, assegurar a integridade jornalística do Estadão, preservando seus valores, sua marca e seu propósito", completou.


Mais lidas


Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não são aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas ou criminosas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos, que usam palavras de baixo calão, incitam a violência, exprimam discurso de ódio ou contenham links são sumariamente deletados.