Começar de novo

Sumido da TV brasileira, Rafinha Bastos reconstrói carreira nos EUA

Divulgação

Rafinha Bastos durante show no Westside Comedy Theatre, em Los Angeles - Divulgação

Rafinha Bastos durante show no Westside Comedy Theatre, em Los Angeles

FERNANDA LOPES - Publicado em 12/07/2018, às 05h30

O humorista Rafinha Bastos está trabalhando para firmar seu nome nos Estados Unidos. Em maio deste ano, ele se mudou para Los Angeles, na Califórnia, onde está relançando sua carreira de comediante. Longe da TV aberta desde o fim do Agora É Tarde, em 2015, o apresentador de 41 anos faz graça com a própria vida em shows de stand up para um público que desconhece sua trajetória no Brasil.

"Vim para os Estados Unidos para fazer comédia. Recomeçar a carreira. É duro... Mas é f*** demais. Poder fazer isso depois de tantos anos de estrada... Em outra língua... É assustador e, ao mesmo tempo, excitante", disse Bastos em um post no Instagram, no início de sua jornada nos Estados Unidos.

Hoje, ele vê vantagens em se expor diante de pessoas que nunca ouviram falar de seu histórico na mídia.

"É incrível [me apresentar num lugar onde ninguém me conhece], como se eu tivesse oportunidade de recomeçar algo que eu gosto de fazer com a experiência de saber o que fazer. É como se recomeçasse um pouquinho mais na frente. É muito bom subir no palco sem que ninguém saiba quem eu sou, não tem expectativa", conta ele, em entrevista ao Notícias da TV.

Bastos tem feito shows em casas de stand up de Los Angeles. Todas as suas apresentações são em inglês e tratam de temas de sua vida, como a paternidade e a separação _ele terminou seu casamento de 13 anos em março do ano passado.

"Americano é muito habituado a ver pessoas do mundo inteiro falando inglês de forma diferente. Meu desafio foi transformar a comédia em algo compreensível, ficar confortável. Faço muita piada sobre não falar bem inglês, troca de palavras. E falo também da minha separação, paternidade, vida de solteiro. Não estou só me apresentando [para o público], muita coisa que escrevi é universal", afirma.

A ideia de ser um estrangeiro nos Estados Unidos existia desde 2011. Naquele ano, quando ainda fazia parte da bancada do CQC (2008-2015), foi eleito por uma reportagem do jornal The New York Times como a personalidade mais influente no Twitter. Depois disso, passou a ter agentes para gerenciarem sua carreira fora do país e, no fim de 2017, decidiu seguir em frente com o sonho americano.

"Deu um gás, uma vontade louca de fazer isso. Quando você faz stand up, quer vencer no lugar onde se faz isso há muito tempo, onde é tradicional. Eu vinha abraçando muitos projetos, fazendo muita coisa. Fiz três programas para o Multishow, atuei em vários filmes, fiz shows e nunca consegui me liberar o suficiente pra fazer o que tô fazendo agora", diz.

"Ano passado fiz a série Eu, Ela e Um Milhão de Seguidores e, no momento em que foi ao ar [em dezembro], pensei: 'Vou fazer esse investimento lá fora'. Tenho estabilidade no Brasil, então me dei o direito de tentar algo", lembra.

Bastos admite que começar a fazer stand up em Los Angeles não é algo que dá muito dinheiro (existem 2 mil comediantes na cidade, considerada o centro da indústria de entretenimento nos Estados Unidos), então são seus negócios no Brasil que o sustentam lá. Ele é dono de uma produtora, sócio de uma casa de shows de comédia em São Paulo e também tem negócios com a Netflix.

Atualmente, Bastos está no Brasil para alinhar detalhes de uma atração que produzirá para a plataforma de streaming. A Netflix organiza uma série (ainda sem título definido) que exibirá apresentações de 47 comediantes de stand up do mundo todo, com gravações no Canadá, México, Índia, Alemanha, Nova Zelândia e Brasil.

Bastos será responsável pela parte brasileira da série, que será lançada em 2019, de acordo com a revista The Hollywood Reporter. Ele ainda fará mais uma temporada de Ultimate Beastmaster, e seu show de stand up solo estreia no catálogo da empresa em setembro.

Antes disso, o humorista participará do festival canadense Just For Laughs, o mais relevante evento de comédia do mundo, e atuará em um especial do ator Kevin Hart, um dos comediantes mais queridos dos EUA. Bastos admite que tem vontade de chegar à TV norte-americana, e acredita que um dia seu sonho se realizará.

"Isso uma hora vai acontecer. Não tenho pressa, mas daqui a pouco estou fazendo isso [comédia] em algum talk show, algum programa. Tem muita gente boa, pra ter carreira lá a pessoa tem que disputar com muita gente. Vai demorar, mas vai acontecer", afirma, decidido.

Leia também

 

 

Enquete

O que você achou do vaivém de Datena na Band?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook