Séries

Drama fantasioso

Netflix faz investimento milionário em The Witcher para ter a sua Game of Thrones

Imagens: Divulgação/Netflix

Jodhi May e Henry Cavill travam um duelo com espadas no drama The Witcher, aguardada série da Netflix

Jodhi May e Henry Cavill travam um duelo com espadas no drama The Witcher, aguardada série da Netflix

JOÃO DA PAZ - Publicado em 19/12/2019, às 05h18

De olho no gênero fantasia, que gerou a série mais premiada do Emmy (Game of Thrones) e um dos filmes com mais estatuetas no Oscar (Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei), a Netflix investiu pesado. Para tentar tirar proveito desse nicho, ela estreia nesta sexta-feira (20) a primeira temporada de The Witcher, que custou US$ 80 milhões (R$ 325 milhões).

Esse valor digno de superproduções, com cada episódio saindo por US$ 10 milhões (R$ 40,6 milhões), foi o que a HBO desembolsou para fazer cada capítulo da sexta e  sétima temporadas de GoT.

História conhecida devido a um game homônimo de sucesso, que por sua vez é inspirado em livros do escritor polonês Andrzej Sapkowski, The Witcher é uma cartada da Netflix em duas frentes: conquistar uma audiência global fiel e se dar bem no circuito de premiações, feitos atingidos por Game of Thrones.

Antes mesmo da estreia, a gigante do streaming renovou a série para o segundo ano, tamanha a confiança no projeto. A trama chega encorpada com um ator renomado no papel de protagonista, Henry Cavill (o Superman do cinema), e tem elementos propícios de uma série épica: bruxos, feiticeiros, criaturas sobrenaturais, magias, efeitos especiais, sexo, grandes lutas com espadas...

No centro da história está Geralt de Rivia (Cavill), que é essencialmente um mutante. Ele é um bruxo mercenário superpoderoso, criado para caçar e derrotar monstros em troca de recompensas. No Continente, parte do mundo de Witcher no qual ele vaga junto com sua inseparável égua, os bruxos são vistos de maneira negativa, a ponto de serem apedrejados em público.

A série vai pegar no tranco ao juntar a jornada de Geralt com a da princesa Ciri (Freya Allan), que tem dons mágicos inexplicáveis. Eis então a brecha para intrigas e mistérios que movimentarão os episódios, com uma iminente catástrofe a eclodir, caso o bruxo se recuse a seguir o seu destino.

Henry Cavill, o Superman do cinema, foi escolhido para viver o icônico bruxo Geralt de Rivia


Gênero enfraquecido

Indiscutivelmente, The Witcher nasceu na Netflix para pegar carona em Game of Thrones. Mas emplacar um drama de fantasia na TV não é tão simples assim. A própria HBO e a Amazon fracassaram em suas recentes investidas. 

Em agosto, o streaming Prime Video veio com a pomposa Carnival Row, cheia de elementos fantasiosos do nível de fadas e criaturas mágicas, com um bom tempero de sexo e muita nudez.

Mas o mundo deslumbrante da série não caiu no gosto popular. O streaming até que tentou deixar a série em evidência com inúmeras ações publicitárias, de todos os tipos possíveis, observadas em comerciais da TV aberta a propagandas no metrô de São Paulo. Carnival Row está com uma segunda temporada confirmada.

No dia 4 do mês passado, estreou na HBO a série His Dark Materials, uma coprodução com a britânica BBC. Essa é outra atração de fantasia baseada em livros. No caso, a inspiração vem da obra Fronteiras do Universo. Um dos livros, o primeiro da coleção, já tinha virado um filme flopado: A Bússola de Ouro (2007), com Nicole Kidman e Daniel Craig.

His Dark Materials tem bruxas, religiosos do mal, seitas, outras dimensões, almas de humanos que se manifestam em animais... No quesito audiência, a série não aconteceu, e sua média de telespectadores nos Estados Unidos tem ficado abaixo de meio milhão por episódio.

É nesse ambiente pouco propício que The Witcher chega ao público, para tentar levantar o gênero fantasia, que está enfraquecido desde o fim de Game of Thrones.

Compartilhe: Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter Compartilhe no Twitter Compartilhe no Twitter

Curta no Facebook Curta no Facebook
Siga no Twitter Siga no Twitter

Leia também

O autor Alcides Nogueira em entrevista ao programa Persona em Foco, da TV Cultura, em junho deste ano

FECHADO ATÉ 2022

Sem espaço, autores da Globo esperam mais de três anos para emplacar novela

Bruno Gagliasso em O Sétimo Guardião, Fernanda Vasconcellos em 3% e Marco Pigossi em Tidelands; os três protagonistas da Globo saíram da emissora para atuarem na Netflix

GAGLIASSO NÃO ESTÁ SÓ

Quem precisa da Globo? 10 artistas que trocaram a emissora pelo streaming

Imagem de Tati Dias durante festa final de A Fazenda 11, reality show da Record

PEGOU MAL

Tati Dias leva bronca por ser linguaruda e descumprir regra de A Fazenda

Montagem de fotos com Dona Hermínia (Paulo Gustavo) e Kylo Ren (Adam Driver)

DISPUTA DE MILHÕES

Dona Hermínia enfrenta Disney por salas de cinema

+ Lidas

1

Rafa Kalimann brigou com Emilly Araújo e Andressa Suita antes do BBB20

2

BBB20: Fãs criam guerra entre Prior e Manu e pedem Neymar contra Marquezine

3

No BBB20, Babu Santana aponta racismo e dá fora em Prior: ‘Vai fazer tratamento’

4

Lima Duarte completa 90 anos sozinho em sítio: 'A morte quer me pegar'

5

De Sex Education a pornô japonês: 5 séries com sexo e pegação para ver na Netflix

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

ENQUETE

Enquete

Qual reprise da Globo você mais quer ver?

Últimas notícias

Felipe Prior e Manu Gavassi durante participação no programa ao vivo desta terça-feira (31), no BBB20
Cleo em foto publicada no Instagram em dezembro de 2019
Narcisa Tamborindeguy em foto publicada no Instagram em 30 de março de 2020
Reprodução de imagem de Rafa Kalimann, participante do Big Brother Brasil 20