Séries

DEU NA GLOBO

Filas, brigas e trânsito: Como São Paulo realiza a maior Comic-Con do mundo

Divulgação/Netflix

A showrunner Lauren Schmidt Hissrich e o ator Henry Cavill durante painel de The Witcher na CCXP 2019

A showrunner Lauren Schmidt Hissrich e o ator Henry Cavill foram à CCXP promover The Witcher

LUCIANO GUARALDO - Publicado em 09/12/2019, às 06h16

Encerrada no domingo (8), a edição 2019 da CCXP (Comic-Con Experience) consolidou a feira de cultura pop de São Paulo como a maior do gênero em todo o mundo. Mais de 280 mil fãs foram ao evento em seus cinco dias, contra cerca de 150 mil na Comic-Con de San Diego, considerada a mais importante. A grandiosidade foi destacada até pela Globo, parceira da convenção, que ressaltava o seu tamanho em todas as entradas ao vivo de lá.

É claro que quantidade nem sempre equivale à qualidade, e fãs se perguntam se a CCXP é também a melhor convenção. Em 2019, tive a oportunidade de cobrir três das Comic-Cons mais importantes do mundo: a de San Diego (em julho), a de Nova York (em outubro) e a de São Paulo. E o evento brasileiro tem, sim, vantagens em relação aos rivais estrangeiros. Mas também deixa a desejar em alguns aspectos.

Para começar, o principal diferencial do evento que acontece em São Paulo: o número de artistas internacionais que vêm para cá é muito menor do que nas feiras de Nova York e, em especial, na de San Diego. A explicação é logística: os atores e diretores, em geral, já estão nos Estados Unidos, e não precisam encarar um longo voo até o Brasil para passarem apenas algumas horas aqui e voltarem para casa.

Esse, que poderia ser um ponto extremamente negativo, acabou rendendo algo muito positivo para a CCXP paulistana: as ativações. Marcas como Globoplay, Netflix, Disney, Amazon e Warner montaram estandes gigantescos, com várias coisas para o público fazer e passar o tempo caso não se interessasse por nenhum dos painéis daquela hora.

No exterior, há mais estandes de marcas menores, como lojas de bonecos, editoras de quadrinhos e desenvolvedoras de games. As distribuidoras de cinema e gigantes de streaming também fazem menos ativações em seus espaços, pois o foco está nos painéis das séries e filmes que apresentarão durante o evento.

Filas, filas e mais filas

Por outro lado, as ativações nos estandes geram filas extras na CCXP. É impossível tirar uma foto no cenário montado ou tentar ganhar um brinde sem esperar pelo menos 40 minutos. Alguns espaços chegaram a distribuir senhas para evitar que o fã perdesse horas do evento aguardando a sua vez de brincar.

As longas filas são a maior reclamação dos brasileiros, mas acontecem nos três eventos. Em San Diego, pessoas chegam a dormir dois dias ao relento apenas para entrar no painel de sua série ou filme favorito. Em São Paulo, a apresentação da Disney no sábado (7) foi tão concorrida que fãs chegaram a brigar pelo direito de entrar no auditório --as senhas para o espaço se esgotaram no dia anterior.

Nesse ponto, a vantagem vai para Nova York. Por lá, os painéis não acontecem apenas no Javits Center, o centro de convenções que funciona como sede do evento. As principais apresentações são reservadas para espaços maiores, como o Hammerstein Ballroom ou o Madison Square Garden --há filas para entrar, mas, de maneira geral, todo mundo consegue um lugar para acompanhar o painel.

A impossibilidade de a CCXP usar espaços complementares ao pavilhão, pelo fato de não haver nenhum auditório de tamanho aceitável na região, ressalta outro problema da feira brasileira: a acessibilidade.

Chegar e sair do São Paulo Expo é um exercício de paciência --os ônibus gratuitos oferecidos pela organização não conseguem trafegar pelas ruas lotadas, assim como carros ou táxis. Muitos visitantes preferem fazer o caminho de 1,3 quilômetro a pé para fugir do trânsito.

É um problema que a CCXP enfrenta desde sua estreia, em 2014, e que parece não ter solução simplesmente por causa da estrutura do bairro. Em Nova York, há uma estação de metrô a dois quarteirões do centro de convenções. Em San Diego, o trem fica em frente à entrada do evento --a ponto de o público precisar atravessar a ferrovia para encontrar opções de refeição. Assim, a dispersão do público é feita de maneira muito mais eficiente ao fim do dia.

As peculiaridades do brasileiro

A organização da CCXP também precisa levar em conta que o fã brasileiro não é como o do resto do mundo. Aqui, o público vibra, grita, torce e agita ao ver seu ídolo de perto (ou em um telão). Nos Estados Unidos, as reações são mais contidas. É por isso que muitos artistas se emocionam ao serem ovacionados em um painel.

Mas também é por isso que o cuidado com a segurança deve ser redobrado. O incidente que ocorreu no sábado, em que fãs derrubaram a barricada em cima de Ryan Reynolds quando o ator tentou se aproximar deles, não pode se repetir. A estrutura deve ser pensada para reações mais acaloradas, pois o brasileiro é assim.

De forma geral, a CCXP cumpre um papel importante para um público que era carente de eventos voltados para ele. Mas os responsáveis pelo evento não podem se acomodar com o sucesso (os ingressos se esgotaram em tempo recorde) e pararem de evoluir. Ainda há muita coisa para melhorar, e os fãs merecem isso.

Compartilhe: Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter Compartilhe no Twitter Compartilhe no Twitter

Curta no Facebook Curta no Facebook
Siga no Twitter Siga no Twitter

Leia também

Ana Paula Padrão seca uma lágrima em um fundo branco em gravação da vinheta de fim de ano da Band

ADEUS, 2019!

Apresentadores da Band choram mortes em vinheta de fim de ano

O executivo José Eduardo Moniz e a autora Maria João Costa comemoram o Emmy Internacional de 2018 pela novela Ouro Verde

JOSÉ EDUARDO MUNIZ

'Boninho de Portugal' chega à Band para ser número 1 e apavora executivos

As atrizes Vitoria Strada, Deborah Secco e Juliana Paiva posam uma ao lado da outra, caracterizadas como Kyra, Alexia e Luna de Salve-se Quem Puder

PSICÓLOGA ANIMAL

Galinha vira confidente de trio de protagonistas de Salve-se Quem Puder

O comediante Adam Sandler em cena de Click, um clássico da Sessão da Tarde

COMÉDIAS POPULARES

Cinco filmes de Sandler que valem um Oscar... de Sessão da Tarde

+ Lidas

1

Abandonada, mansão de Beth Carvalho é colocada à venda; veja fotos

2

BBB20: Babu Santana ganha carro zero após derrota na prova do líder; entenda

3

Neusa Borges revela mágoa com Ailton Graça: 'Ele me deu tristeza'

4

Final decepado é melhor coisa que poderia ter acontecido a Malhação

5

BBB20: Após dois meses na seca, Rafa e Gabi reclamam da falta de sexo

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

ENQUETE

Enquete

Qual reprise da Globo você mais quer ver?

Últimas notícias

Montagem de fotos com as emparedadas Gabi Martins e Thelma Assis no BBB20
Rodrigo Scarpa e Gabriela Baptista em foto publicada no Instagram em 31 de dezembro de 2019
Caio Castro e Grazi Massafera juntos no apartamento da atriz em São Conrado, zona sul do Rio de Janeiro, em 4 de abril de 2020
A rainha Elizabeth em seu pronunciamento de Natal de 2019