Mercado

PONTO POLÊMICO

Justiça autoriza operadora de TV paga a cobrar por aluguel de ponto extra

Thinkstock Photos

Fãs de canais pagos terão que abrir a carteira para ver TV em mais de um ponto da casa - Thinkstock Photos

Fãs de canais pagos terão que abrir a carteira para ver TV em mais de um ponto da casa

REDAÇÃO - Publicado em 28/11/2017, às 06h11

O Superior Tribunal de Justiça autorizou as operadoras de TV paga a cobrarem um valor a mais de seus assinantes que possuem pontos extras de TV por assinatura. Oficialmente, a cobrança de mensalidade pelo ponto adicional segue proibida, conforme resolução de 2009 da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). No entanto, as operadoras poderão exigir pagamento pela locação dos aparelhos decodificadores.

O aluguel do decodificador já era permitido pela Anatel, que também aprovou a cobrança de taxas pela instalação e manutenção de pontos extras. No entanto, é a primeira vez que o STJ elabora um parecer sobre o tema.

A decisão se refere à ação que uma cliente gaúcha moveu contra a Net em 2011, na qual questionava tanto a legalidade da cobrança de mensalidade quanto de aluguel do decodificador nos pontos extras. A cliente venceu no tribunal do Rio Grande do Sul, mas a operadora recorreu e o caso foi parar no STJ.

A decisão não foi unânime na Quarta Turma, responsável por julgar casos de direito privado, que envolvem assuntos como comércio, contratos e consumos. Relator do caso, o ministro Luiz Felipe Salomão votou a favor da cliente gaúcha. Mas foi vencido pelo ministro Raul Araújo, que teve o apoio de Marco Buzzi, Maria Isabel Gallotti e Antonio Carlos Ferreira, que julgaram improcedente o caso _o ministro Lázaro Guimarães não proferiu voto.

De acordo com a assessoria de imprensa do STJ, a íntegra da decisão deve ser publicada no site do órgão dentro de alguns dias. No entanto, ela já gera controvérsia: na prática, a medida permitirá que as operadoras cobrem pelo ponto adicional, desde que discriminem na fatura que o valor é referente ao aluguel do decodificador.

O CPqD (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações) elaborou laudo técnico que mostrou que as operadoras têm custos para fornecer o ponto extra _o que nega a decisão do tribunal gaúcho, que defendia que a cobrança seria ilegítima pois o serviço prestado pela operadora é único, independentemente da quantidade de pontos.

Pela importância do caso, o julgamento acabou envolvendo órgãos como a Anatel, a Associação Brasileira de TV por Assinatura, a Associação Brasileira de Televisão, a Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas e o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.

Compartilhe: Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter Compartilhe no Twitter Compartilhe no Twitter

Curta no Facebook Curta no Facebook
Siga no Twitter Siga no Twitter

Leia também

+ Lidas

1

Ícone da teledramaturgia, Tarcísio Meira se afasta de novela da Globo

2

Após 6 meses, Pânico sofre debandada e perde elenco para concorrentes

3

Isabella Fiorentino já foi traída por melhor amiga: 'Ficou com meu noivo'

4

Única apresentadora negra do Vídeo Show aponta racismo da Globo

5

Deus Salve o Rei: Após fugir, Catarina manda a mãe bruxa matar Afonso

ENQUETE

Enquete

O que você achou do vaivém de Datena na Band?

Últimas notícias

Lucas Gutierrez no Giro da Rodada, do Sportv: substituirá Felipe Andreoli na Globo - REPRODUÇÃO/SPORTV
Beto Falcão (Emilio Dantas) confronta Dodô (José de Abreu) em cena de Segundo Sol - Reprodução/TV Globo
Rodolfo (Johnny Massaro) pede perdão a Augusto (Marco Nanini) em cena de Deus Salve o Rei - Fotos: Reprodução/TV Globo
O jornalista Goulart de Andrade em entrevista para o Provocações, da Cultura, em 2013 - Reprodução/TV Cultura