Jornalismo

Sem espaço no Jornal Nacional, repórteres da Globo se desesperam

Imagens: Reprodução/TV Globo

José Roberto Burnier no Jornal Hoje de ontem em reportagem sobre o PSDB e Michel Temer - Imagens: Reprodução/TV Globo

José Roberto Burnier no Jornal Hoje de ontem em reportagem sobre o PSDB e Michel Temer

DANIEL CASTRO - Publicado em 12/07/2017, às 06h24

A interminável crise política que assola Brasília está tirando o sono dos repórteres da Globo em São Paulo. Sem espaço no Jornal Nacional, profissionais têm entrado em desespero. Na semana passada, Phelipe Siani deu piti na Redação ao saber que os editores do telejornal recusaram material gravado por ele. Aos colegas, desabafou que não sabe mais o que fazer para emplacar reportagens no JN.

Siani não é repórter exclusivo do noticioso comandado por William Bonner, mas já foi considerado um modelo de texto a ser seguido. Há dois anos, era presença quase diária no JN. Em junho último, no entanto, só conseguiu ver duas reportagens no horário mais nobre, mostra levantamento exclusivo do Notícias da TV.

Até jornalistas como José Roberto Burnier e Roberto Kovalick, que são repórteres do JN em São Paulo, têm reclamado quase diariamente nos bastidores da emissora. Em junho, Burnier só conseguiu emplacar três videotapes no jornal, um a menos do que Kovalick. Os outros dois repórteres do JN na capital paulista, Graziela Azevedo e César Menezes, "produziram" tanto quanto Siani: só duas matérias cada um em mês inteiro.

Phelipe Siani em reportagem sobre vacina contra HPV: revolta após rejeição do JN

Sem espaço no JN, os repórteres do telejornal têm feito turnês visitas constantes aos editores-chefes do Jornal Hoje e Jornal da Globo. Na semana passada, Burnier trabalhou todos os dias para o noticioso apresentado por Sandra Annenberg e Evaristo Costa, na maioria deles com material sobre a crise política ou sobre economia produzido a partir de São Paulo. No JN, só conseguiu aparecer no sábado (8), quando a concorrência com Brasília é menor.

Outro telejornal que têm sido visado pelos repórteres do JN é o local SP2. Por causa do horário em que vai ao ar, entre as novelas das seis e das sete, é um bom espaço para emplacar reportagens recusadas no final do dia pela equipe de William Bonner.

Foi o que aconteceu com Burnier, por exemplo, na última quinta-feira (6). O JN "derrubou" material sobre a falta de dinheiro para a Polícia Rodoviária Federal fiscalizar as estradas de São Paulo. Ele correu e entrou no SP2.

A crise dos repórteres paulistas por espaço no Jornal Nacional vem desde o início do ano passado, mas se agravou em maio, quando denúncias do empresário Joesley Batista, da Friboi, atingiram o presidente Michel Temer. Em alguns dias, o JN teve material unicamente produzido pela Globo de Brasília.

Procurada, a Globo não comentou.


Colaborou JOÃO DA PAZ 

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

+ Lidas

Bloco de Notas

GNT erótico

Imagem da propaganda de Desnude, que propõe: 'Não manda nudes. Manda texto' - Reprodução/GNT O GNT quer ouvir histórias eróticas de suas telespectadoras e transformá-las em uma série. O canal está desenvolvendo o projeto Desnude, que terá dez episódios: nove de ficção, baseados em depoimentos sobre sexo enviados pelo ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Qual é a solução para o drama de Alice em Os Dias Eram Assim?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook
Click Click