Porrada

Negócio milionário, UFC multiplica assinantes da Globo na TV paga

Fotos Divulgação/UFC
Ross Pearson e Melvin Guillard se encaram durante pesagem na sexta-feira para as lutas do UFC de sábado (26)
Por DANIEL CASTRO, em 27/10/2013 · Atualizado às 09h33

A relação das Organizações Globo com o UFC, maior organizadora de lutas de MMA (artes marciais mistas) do mundo, mudou da água para o vinho em 2010.

A parceria entre a Globosat e o UFC já dura 11 anos, mas até quatro anos atrás a relação era tensa. Então principal executivo da área esportiva da Globo, Luiz Fernando Lima era contra a transmissão de lutas pela emissora. Chegou a se recusar a receber representantes do UFC para uma reunião.

O canal de pay-per-view Combate, primeiro resultado da parceria Globosat/UFC, chegou a ficar seriamente ameaçado. Por pouco não foi extinto.

Tudo mudou em 2010. O UFC conseguiu romper a barreira contra o MMA na Globo. Passou a fazer no Brasil sete dos 32 eventos de luta que realiza por ano. A Globo, inicialmente, esnobou o direito que tinha de transmitir as lutas em TV aberta. Mas, vendo o sucesso obtido pela Rede TV!, tomou os direitos de volta. 

Hoje, a Globo trava uma batalha nos bastidores para conseguir transmitir a revanche do brasileiro Anderson Silva contra Chris Weidman, pelo título mundial de pesos-médios, marcada para 28 de dezembro em Las Vegas.

Há uma tensão no ar. O problema é que a Globo já esgotou a cota de lutas a que tem direito na TV aberta neste ano. E o UFC pretende continuar privilegiando o modelo de pay-per-view, em que as lutas só são vistas na TV por quem paga por isso.

O brasileiro Lyoto Machida e Mark Muñoz na pesagem, sexta-feira, para a luta de ontem (26) do UFC, em Manchester

Pague para ver

O canal Combate disparou com a entrada da TV Globo no negócio, graças à popularização do MMA impulsionada pela emissora. Seu número de assinantes saltou de 30 mil em 2009 para 360 mil em 2013. Cresceu 12 vezes. O canal, antes patinho feio, agora é modelo para a América Latina. A gigante mexicana Televisa se inspirou no Combate para lançar no meio deste ano um canal de lutas na América Latina.

O UFC não tem do que reclamar. O Notícias da TV apurou que suas receitas no Brasil saltaram de US$ 6 milhões por ano, em 2009, para US$ 130 milhões. Um espetáculo de crescimento: 22 vezes.

"Hoje o Brasil é o segundo principal mercado para o UFC em todo o mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Isso mostra um pouco da importância estratégica dessa parceria. Construímos essa relação ao decorrer dos 11 anos de história do canal Combate. A consolidação dessa aproximação se mostra na nossa renovação de contrato, neste ano, que estende o acordo até 2027. Nesse sentido, seguimos transmitindo todas as edições do UFC ao vivo e na íntegra, com exclusividade no Brasil na maior parte desse conteúdo, já que algumas lugas preliminares também são exibidas no Sportv e outras principais, na TV Globo", afirma Pedro Garcia, diretor dos canais Sportv, Premiere, Combate, PFC e +Globosat.

Garcia não divulga números sobre faturamento e assinantes. "Mas eu posso dizer que você tem bons informantes", arremata.

Compartilhe:

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links.

Casal em Freak Show

O casal Neil Patrick Harris (How I Met Your Mother) e David Burtka participará da atual temporada de American Horror Story: Freak Show, divulgou nesta quarta (29) o site TV Line. Harris estará em dois episódios como um vendedor. Já Burtka será um homem que vai seduzir Elsa Mars, a cantora do circo de aberrações interpretada por Jessica Lange.