FERNANDA YOUNG E ALEXANDRE MACHADO

Maldição de Os Normais? Criadores da série nunca mais fizeram sucesso

Bob Paulino/TV Globo

Fernanda Young e Alexandre Machado, criadores de Os Normais: depois, só tiveram fracassos - Bob Paulino/TV Globo

Fernanda Young e Alexandre Machado, criadores de Os Normais: depois, só tiveram fracassos

REDAÇÃO - Publicado em 06/11/2017, às 05h43

Uma das comédias brasileiras mais elogiadas do século, Os Normais (2001-2003) alçou ao primeiro escalão de roteiristas da Globo a dupla Fernanda Young e Alexandre Machado. O problema é que, quase 15 anos depois do fim das desventuras de Rui (Luiz Fernando Guimarães) e Vani (Fernanda Torres), os escritores não conseguiram emplacar mais nenhum grande sucesso na emissora.

A primeira tentativa veio logo em 2004, com Os Aspones, sobre o dia a dia de uma repartição pública cujos funcionários não têm nada para fazer. O bom elenco reunia Selton Mello, Andréa Beltrão, Pedro Paulo Rangel, Marisa Orth e Drica Moraes, mas o público não comprou a proposta, e a série saiu do ar com apenas sete episódios.

Em 2006, Fernanda e Machado decidiram retomar a parceria com Luiz Fernando Guimarães com dois formatos: o quadro Super Sincero, exibido no Fantástico, e a série Minha Nada Mole Vida (2006-2007), que ocupava o mesmo horário de Os Normais nas noites de sexta-feira.

A comédia sobre o colunista social Jorge Horácio (Guimarães) conseguiu durar três temporadas, mas com repercussão muito abaixo da obtida por Os Normais. A duração também foi bem menor: a série completa teve 23 episódios; sozinha, a primeira temporada de Rui e Vani teve 26.

Há exatos dez anos, o casal de roteiristas apostou em uma comédia cult, O Sistema (2007). Com Selton Mello, Gregório Duvivier, Ney Latorraca e Zezé Polessa, a série mostrava um grupo de pessoas que protestava contra o capitalismo e tentava lutar contra o sistema. Criada em parceria com Selton, a produção foi um fracasso completo e teve apenas seis capítulos.

A maldição de Os Normais continuou com Nada Fofa (2008), especial de fim de ano que sequer conseguiu um espaço na grade da Globo no ano seguinte. O programa contava com Letícia Spiller na pele de uma advogada que contracenava com Pintonildo, um boneco que representava um pinto cor de rosa.

divulgação/tv globo

Vani (Fernanda Torres) e Rui (Luiz Fernando Guimarães) em Os Normais: o último (e único) hit

Depois de vários tiros n'água com formatos mais ousados, Fernanda e Alexandre voltaram à fórmula de explorar a vida de um casal histérico em Separação?! (2010), agora com Vladimir Brichta e Débora Bloch como protagonistas. A série foi elogiada e conseguiu até uma indicação ao Emmy Internacional, mas não foi renovada para uma segunda temporada.

O escracho tomou conta dos roteiros com Macho Man (2011), em que o diretor Jorge Fernando passava para a frente das câmeras na pele de Zuzu, um cabeleireiro que acorda no hospital e descobre que deixou de ser gay. A série teve apenas 21 episódios e não sobreviveu até a virada do ano. Mais um fracasso para o casal.

A segunda indicação ao Emmy Internacional veio com Como Aproveitar o Fim do Mundo (2012), que brincava com a profecia maia sobre o apocalipse. Com Danton Mello e Alinne Moraes como protagonistas, a produção teve apenas oito episódios. O fracasso foi internacional: a rede norte-americana CW comprou a ideia para produzir No Tomorrow (2016-2017), também cancelada depois de 13 episódios.

Se o casal estava em uma maré de azar, O Dentista Mascarado estreou em 2013 para deixar tudo ainda pior. A estreia de Marcelo Adnet na Globo foi detonada pela crítica, rejeitada pelo público (perdeu quase metade da audiência ao longo da temporada) e teve apenas 12 episódios.

Dentista fez tão mal para a reputação do casal que Alexandre e Fernanda preferiram dar um tempo na Globo e foram para a TV paga. No GNT, fizeram a série Surtadas na Yoga (estrelada pela roteirista e exibida entre 2013 e 2014), Odeio Segundas (2015) e Edifício Paraíso, que terá uma segunda temporada.

A incursão mais recente de Machado e Fernanda foi Vade Retro, em que Monica Iozzi vivia, literalmente, a advogada do diabo (Tony Ramos). Antes mesmo da estreia, os roteiristas trabalhavam nos textos da segunda temporada. A péssima audiência da primeira, porém, alterou os planos da emissora. Não se fala mais em Vade Retro.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

+ Lidas

Bloco de Notas

Crimes na floresta

Ciro Guerra recebe Prêmio Fênix pela direção do filme Abraço da Serpente, de 2015 - Reprodução A Netflix anunciou que fará uma série ambientada na floresta amazônica. Ainda sem nome definido, a produção se passará na fronteira da Colômbia com o Brasil e mostrará um jovem detetive e seu parceiro durante ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Você pretende assistir Apocalipse, nova novela da Record?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook