SAIU DA TRUPE

Bola pede demissão do Pânico após 25 anos: 'Estava sem tesão'

Reprodução/Band

Marcos Chiesa, o Bola, na época do Pânico na Band: ele se diz velho para seguir no grupo - Reprodução/Band

Marcos Chiesa, o Bola, na época do Pânico na Band: ele se diz velho para seguir no grupo

GABRIEL PERLINE - Publicado em 05/03/2018, às 17h57 - Atualizado às 19h52

Marcos Chiesa, o Bola, pediu demissão do Pânico depois de 25 anos. Ao retornar das férias nos Estados Unidos, ele teve uma conversa com Emilio Surita, líder do grupo, e disse estar se sentindo "velho" e "sem tesão". "Estava indo sem tesão de fazer a coisa [o programa]. Isso não é bacana. Chegou a hora de botar gente nova no Pânico para ele continuar esse sucesso que é. Eu já estou velho", afirmou ao Notícias da TV. Chiesa era o segundo integrante mais antigo do humorístico, perdendo apenas para Surita.

Bola foi integrado ao Pânico em 1993, seis meses após a estreia da trupe na rádio Jovem Pan, e acompanhou Surita durante os 14 anos em que o grupo marcou presença na televisão. O fim do programa na Band, em dezembro de 2017, foi o gatilho para ele pedir seu desligamento.

"Espero não me arrepender", disse. "Eu estava há um tempo pensando nisso. Aí você vai segurando, deixando, se acomoda. Dessa vez, como o Pânico acabou na Band, eu achei que fosse a hora certa de seguir a minha vida."

A demissão foi assinada há 15 dias, mas somente nesta segunda-feira (5) ele anunciou sua saída nas redes sociais. Bola era contratado pela Jovem Pan em regime de CLT e esperou resolver todos os trâmites legais antes de comunicar aos fãs.

"A primeira semana foi a pior. Eu estava com a ideia formada, mas depois que tomei a decisão passou um filme na minha cabeça. Fiz tantas coisas legais no Pânico, mas era o que eu queria mesmo, não tinha jeito. Fiquei chateado, mas também fiquei aliviado."

O humorista diz que deixou a Jovem Pan sem nenhuma perspectiva de trabalho a curto prazo. Ele quer voltar a trabalhar na televisão e pretende dedicar suas horas livres a um projeto de um programa voltado ao universo do automobilismo.

"Pode ser que eu faça um programa sobre carros e motores, que é uma coisa que eu gosto muito. Eu já tinha feito o Car and Driver, no Bandsports, em 2016, que foi uma experiência legal. Agora, estou pensando em algo mais ou menos parecido com isso. Não tem nada concretizado, mas já tenho uma ideia. Estou vendo com meu empresário para quem iremos apresentar o projeto, mas está bem no comecinho."

O Pânico retomou suas apresentações ao vivo na Jovem Pan em fevereiro, e Bola desfalcou o grupo nos primeiros programas. Com a autorização de Surita, ele esticou suas férias para amadurecer a ideia da demissão.

"O Emilio pediu para eu ficar, mas minha decisão já havia sido tomada. Sentamos para conversar e ele foi bastante compreensivo. Tenho 50 anos e passei metade da minha vida ao lado dele. Passava mais tempo com ele e com a turma toda do que com a minha família. Somos todos muito amigos e nos respeitamos demais."

Futuro na internet
Após 14 anos no ar (oito anos na RedeTV!, e seis Band), o Pânico deixou a TV em dezembro de 2017 e não há perspectiva a curto prazo de retornar.

De acordo com Ricardo Feltrin, do UOL, o grupo planeja investir e ampliar seu canal no YouTube, que até o ano passado era alimentado apenas com os vídeos exibidos na Band. Atualmente, o perfil conta com mais de 6,5 milhões de inscritos.

Leia também

 

 

Enquete

Quem deve ter o pior final em Deus Salve o Rei?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook