The Get Down

Série mais cara da Netflix narra o nascimento de indústria de US$ 10 bilhões

Divulgação/Netflix

Os atores Mamoudou Athie e Shameik Moore em The Get Down, série da Netflix sobre hip-hop - Divulgação/Netflix

Os atores Mamoudou Athie e Shameik Moore em The Get Down, série da Netflix sobre hip-hop

JOÃO DA PAZ - Publicado em 12/08/2016, às 05h05

A Netflix decidiu fazer seu maior investimento para narrar o nascimento de uma indústria que hoje fatura mais de US$ 10 bilhões por ano. Os 12 episódios da série The Get Down custaram cerca de US$ 192 milhões (R$ 612 milhões), US$ 60 milhões a mais do que a primeira temporada de Sense8 (2015), sua produção mais cara até então. Mostram como o hip-hop deu os primeiros passos em Nova York, em 1977, em meio ao estrondoso sucesso da disco music. Os seis primeiros episódios da atração estarão disponíveis a partir desta sexta (12).

Jaden Smith, filho de Will Smith, em The Get Down

A série do cineasta Baz Luhrmann, do filme Moulin Rouge! (2001), retrata cinco jovens negros do Bronx, bairro pobre de Nova York, em busca do novo som que dominava as festas mais descoladas da cidade, criação do DJ Grandmaster Flash (Mamoudou Athie). Ele pegava discos de vinil e reproduzia apenas um trecho marcante da parte instrumental de sucessos da disco music. Sobre essa nova base musical, que se repetia inúmeras vezes, ele declamava sua poesia.

O alto investimento da Netflix em uma reprodução detalhada da Nova York do final da década de 1970. De carros a fachadas do comércio e figurinos, nada passa despercebido no esforço de The Get Down para levar o telespectador em uma viagem no tempo. Os grafites desenhados nos muros e no metrô, arte tão característica do movimento, também chamam a atenção. Assim, os quatro elementos do hip-hop têm presença constante na série: música (DJ), poesia (MC), dança (b-boy) e arte (grafite).

Rimador nato

A trama de The Get Down é centrada no estudante Ezekiel (Justice Smith). Órfão de pai e mãe, ele mora com a tia e o namorado dela e descarrega toda sua raiva em poesias, escritas em um caderno. Seu talento com as palavras não é reconhecido em casa, e só uma pessoa de fato lhe dá valor: a professora de inglês Ms. Green (Yolonda Ross). Ela fará de tudo para que o garoto não desperdice a habilidade e se afaste das ruas violentas da cidade.

Herizen Guardiola e Justice Smith formam um casal

Ezekiel é um menino honesto e toca piano no culto de domingo de uma igreja pentecostal. Mais do que louvar, sua maior motivação no altar é a bela Mylene Cruz (Herizen Guardiola), que canta no coral. Filha do pastor e sobrinha do ambicioso e influente vereador Francisco "Papa Fuerte" Cruz (Jimmy Smits), ela tem uma meta clara em sua vida: ser uma estrela da disco. Ezekiel sabe disso e a encoraja, mas ela o vê apenas como amigo. O conflito entre os dois é a dicotomia da série: ele tem o Bronx como lugar de conforto e ela quer sair do bairro.

O escape do jovem são os encontros com os irmãos Boo-Boo (T.J. Brown Jr.), Ra-Ra (Skylan Brooks) e Marcus "Dizzee" Kipling (Jaden Smith). O quarteto ingênuo ganha um novo integrante, que tem mais experiência das ruas. Shaolin Fantastic (Shameik Moore) é um dançarino que leva os garotos para uma festa secreta chamada The Get Down, organizada pelo DJ Grandmaster Flash. Todos gostam do que ouvem, mas Ezekiel se encanta. É a batida que poderá dar sentido para a sua vida.

Autenticidade

Grandmaster Flash, pioneiro do hip-hop, não está presente na trama apenas como um personagem. O músico de 58 anos é conselheiro e um dos produtores. Ele deu dicas de como era a cena musical da época, com comentários sobre figurino, gírias ou bandas que faziam sucesso.

Boa música é o que não falta em The Get Down. Grandes clássicos da disco como That's The Way (I Like It), de KC & The Sunshine Band, e Disco Inferno, de The Trumps, fazem parte da trilha dos episódios. No vídeo abaixo, promocional da série, a música ao fundo é Turn That Beat Around, gravada por Vicki Sue Robinson em 1976 _a cantora de origem cubana Gloria Estefan fez uma versão famosa dessa canção em 1994.

Outro aspecto interessante de The Get Down é a mistura de imagens reais das ruas nova-iorquinas de 1977 com cenas de ficção. Os primeiros episódios se passam no verão daquele ano, e três aspectos da época são abordados: a eleição para prefeito, a forte onda de calor e o blecaute histórico, que deixou quase toda a cidade sem luz durante 36 horas, resultando em saques e baderna nas ruas.


► Curta o Notícias da TV no Facebook e fique por dentro de tudo na televisão

► Siga o Notícias da TV no Twitter: @danielkastro

Leia também

 

 

Enquete

Quem deve ter o pior final em Deus Salve o Rei?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook