Crítica | Mindhunter

Sem disparar um tiro, nova série policial mostra relação entre sexo e serial killer

Fotos Patrick Harbron/Netflix

Jonathan Groff (de gravata) em cena de Mindhunter: policial 'caça' mentes de criminosos - Fotos Patrick Harbron/Netflix

Jonathan Groff (de gravata) em cena de Mindhunter: policial 'caça' mentes de criminosos

DANIEL CASTRO - Publicado em 15/10/2017, às 18h37

Uma boa notícia para quem gosta de série policial. Produzida e dirigida pelo cineasta David Fincher (Zodíaco, Clube da Luta, Seven, House of Cards), Mindhunter está disponível desde a última sexta-feira na Netflix. Sem disparar um único tiro, sem uma única perseguição policial em dez episódios, mostra a íntima relação entre sexo e assassinatos em série.

Mindhunter se apoia em ótimos diálogos, atuações e direção. É uma série mais cerebral do que de ação, mais de estudo científico da mente dos serial killers do que de investigação policial, embora as duas coisas coexistam.

Dois agentes fundam a Unidade de Ciência Comportamental do FBI (a polícia federal norte-americana), em 1977. Na época, "assassinatos sequenciais" (ainda não se usava o termo serial killer), como os cometidos por Charles Manson e seu grupo, incomodavam as autoridades norte-americanas. 

Holden Ford (Jonathan Groff, de Looking e Glee) e Bill Tench (Holt McCallany, com participações em Blue Bloods e CSI: Miami) se lançam no trabalho pioneiro de estudar como pensam e como se comportam os serial killers. A ideia é produzir conhecimento para que os policiais possam identificá-los e prendê-los.

Ford e Tench são professores em Quantico, onde fica a sede do FBI, e viajam os Estados Unidos para dar aulas a policiais. Extraoficialmente, começam a entrevistar criminosos em série _ou "aberrações", como uma personagem a eles se refere. O primeiro é Edmund Kemper (Cameron Britton), um simpático falastrão que matou a mãe e fez sexo com a cabeça decepada _e depois repetiu o crime com outras vítimas.

Na jornada, a dupla se associa a Wendy (Anna Torv, de Fringe), uma especialista em psicologia criminal que troca a universidade pelo FBI e ajuda os policiais a superarem suas limitações intelectuais e a trocarem estratégias de investigação por metodologia científica.

Edmund Kemper (Cameron Britton) mostra a Holden Ford (Jonathan Groff) como matava suas vítimas 

O trabalho começa a dar resultados, surgem as primeiras prisões de criminosos. Acaba sendo oficializado, mas nem por isso seus protagonistas merecem um espaço melhor do que uma sala no porão do FBI. Com o sucesso, vêm também os conflitos.

Não espere reviravoltas espetaculares de Mindhunter. Elas não existem aqui. Os crimes também não são resolvidos em único episódio _um deles nem chega a ser mostrado completamente.

A série tenta dissecar a psique dos psicopatas. Em comum, eles têm o sexo. Alguns são predadores sexuais, outros são "sexualmente incompetentes" _os incapazes de terem relações com mulheres.

As vítimas, aliás, são sempre mulheres, muitas vezes prostitutas. Quase sempre o assassino foi uma criança rejeitada pela mãe ou um adulto humilhado pela namorada, que desenvolveu uma fantasia (como colecionar sapatos femininos e guardar os pés de suas vítimas no congelador para se masturbar) e se vingou delas com mortes lentas e dolorosas de mulheres indefesas. "O sexo move nossos entrevistados", resume o personagem de Holt McCallany no nono episódio.

Mesmo sem tiro, sem perseguição e sem porrada, Mindhunter é violenta, afinal a descrição de crimes horrorosos e as imagens desses assassinatos são a matéria-prima dos protagonistas.

Protagonistas que passam longe do estereótipo do policial típico das séries de TV. Eles são frágeis, "incomodados", ansiosos. Holden, com sua fala mansa, vai aos poucos absorvendo a loucura do seu objeto de estudo, num arco dramático interessantíssimo.

Antes de sua estreia, Mindhunter foi comparada a Criminal Minds. Injusto. É muito melhor. 

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

Notícias da TV Recomenda

This Is Us

This Is Us

Ficha técnica: Drama, EUA, 2016. Criação: Dan Fogelman. Elenco: Milo Ventimiglia, Mandy Moore, Sterling K. Brown, Chrissy Metz e Justin Hartley. Disponível no Fox Life e no Now.

Sinopse: This Is Us apresenta a história de três pessoas nascidas no mesmo dia, dois homens e uma mulher. A trama navega entre os anos 1980 e os dias atuais, mostrando a infância de cada uma delas em contraste com a vida adulta. No Now, o primeiro episódio está disponível gratuitamente.

Por que assistir: Com um roteiro surpreendente, ótimos diálogos e intepretações de alto nível, o drama familiar carrega na emoção e pode levar o telespectador às lágrimas. Discute temas como adoção, racismo e obesidade. É uma das maiores audiências dos Estados Unidos e grande sucesso de 2016. O drama reafirmou as carreiras de Sterlin K. Brown (vencedor do Emmy), Milo Ventimiglia e Justin Hartley, além de revelar Chrissy Metz.

Assista agora no NOW

+ Lidas

Bloco de Notas

Direto em streaming

Cress Williams interpreta Raio Negro na nova série: estreia direto na Netflix - Divulgação/The CW Black Lightning, a próxima série de super-heróis da TV de Greg Berlanti, mesmo produtor de Flash e Supergirl, vai chegar ao Brasil direto na Netflix. Os episódios serão lançados semanalmente, a partir de 23 de ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Quem você quer que ganhe a Dança dos Famosos?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook