VIOLÊNCIA EM DEBATE

Na era dos massacres nos EUA, série O Justiceiro discute desarmamento

Divulgação/Netflix

Jon Bernthal, ex-Walking Dead, interpreta o sanguinário Frank Castle na série O Justiceiro - Divulgação/Netflix

Jon Bernthal, ex-Walking Dead, interpreta o sanguinário Frank Castle na série O Justiceiro

LUCIANO GUARALDO - Publicado em 13/11/2017, às 05h17

Apenas em 2017, os Estados Unidos foram palco para mais de 300 tiroteios em massa. Alguns, como o ocorrido em Las Vegas em outubro, marcaram pelo grande número de vítimas: 58 mortos e 546 feridos. O tema volta à pauta, agora na ficção, com a série O Justiceiro, cuja primeira temporada chega à Netflix na sexta-feira (17).

A produção está no mesmo universo de Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage e Punho de Ferro. O personagem, ao contrário dos colegas, não tem superpoderes, apenas treinamento de luta e uma mira exemplar, resquícios da época em que era da elite dos fuzileiros navais.

Íntimo das armas, Frank Castle (Jon Bernthal, ex-Walking Dead) usa seu conhecimento bélico para se vingar das pessoas que destruíram sua vida no passado: sua mulher e seus filhos foram executados na sua frente, e ele não pretende descansar até matar todos os envolvidos no crime.

No caminho de sua vingança, Castle se depara com uma grande conspiração do governo norte-americano sobre a guerra no Afeganistão, em que ninguém é digno de confiança total.

Mas, assim como Jessica Jones debatia o abuso às mulheres e Luke Cage levantava questões sobre o racismo e a segragação, O Justiceiro também vai além da violência (que também está presente, com sangue jorrando para todos os lados): a série promove importantes discussões sobre porte de armas e estresse pós-traumático de soldados.

Veteranos que voltam aos Estados Unidos e tentam se readaptar à vida pós-guerra têm papel fundamental na trama: a começar por Frank Castle, passando por seus melhores amigos, Billy Russo (Ben Barnes, de Westworld) e Curtis Hoyle (Jason R. Moore).

Curtis, que perdeu uma perna na guerra, é mediador de um grupo de apoio a veteranos com dificuldade do qual faz parte Lewis Walcott (Daniel Webber), jovem que defende o porte de armas e acaba encrencado por causa disso.

O conflito do desarmamento também chega a Frank Castle: ao mesmo tempo em que tenta impedir atiradores de fazer muitas vítimas em seus ataques, ele próprio usa armas e atira nos vilões para matá-los sem piedade.

É um dilema interno que o Justiceiro tenta justificar com um "código de ética": ele mata apenas pessoas ruins, merecedoras da morte. Mas, em um mundo onde nem tudo é o que parece ser e a lealdade das pessoas é volúvel, como definir quem merece viver ou morrer?

O timing do debate proporcionado pela série impressiona, principalmente porque as gravações começaram há mais de um ano, muito antes do ataque de Las Vegas ou de o presidente Donald Trump desconversar sobre uma política mais efetiva de controle de armas.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

+ Lidas

Bloco de Notas

Crimes na floresta

Ciro Guerra recebe Prêmio Fênix pela direção do filme Abraço da Serpente, de 2015 - Reprodução A Netflix anunciou que fará uma série ambientada na floresta amazônica. Ainda sem nome definido, a produção se passará na fronteira da Colômbia com o Brasil e mostrará um jovem detetive e seu parceiro durante ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Você pretende assistir Apocalipse, nova novela da Record?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook