Premiação

Globo de Ouro quebra tabu de 74 anos e faz história ao contemplar séries feministas

Divulgação/NBC

Sterling K. Brown durante discurso da vitória no Globo de Ouro de 2018, realizado ontem (7) - Divulgação/NBC

Sterling K. Brown durante discurso da vitória no Globo de Ouro de 2018, realizado ontem (7)

JOÃO DA PAZ - Publicado em 08/01/2018, às 06h23

Em uma noite histórica, com protestos no tapete vermelho e domínio de séries protagonizadas por mulheres, o Globo de Ouro quebrou um tabu de 74 anos na cerimônia realizada ontem (8): pela primeira vez um artista negro venceu a categoria de melhor ator em uma série dramática. A honra ficou com Sterling K. Brown, o Randall de This Is Us.

Eu um discurso emocionado, Brown lembrou que por muito tempo em sua carreira foi escalado apenas para interpretar um homem negro qualquer em filmes ou séries. Ele dedicou o prêmio ao criador da série, Dan Fogelman, por "escrever um papel para um homem negro, que só poderia ser interpretado por um negro. Por isso, sou visto e respeitado [pelos outros] como realmente sou. E assim fica mais difícil alguém me rejeitar ou rejeitar alguém parecido comigo."

A história também foi feita pela apresentadora, atriz e produtora Oprah Winfrey, a primeira mulher negra a receber o prêmio Cecil B. DeMille, entregue a nomes que contribuíram decisivamente na evolução do cinema norte-americano.

Outro marco do Globo de Ouro deste ano foi contemplar três atrações protagonizadas por mulheres nas principais categorias de TV: The Handmaid’s Tale (melhor drama), The Marvelous Mrs. Maisel (comédia) e Big Little Lies (minissérie).

Os quatro troféus de Big Little Lies, maior vencedora da cerimônia, colocou a HBO na liderança, conquistada pela última vez há três anos. Sua grande rival na atualidade, a Netflix, levou apenas um prêmio. Amazon e Hulu conquistaram duas vitórias cada.

Protesto
Como esperado, o tapete vermelho foi palco de protestos contra o assédio sexual em Hollywood, com mulheres todas vestidas de preto em solidariedade às vítimas de homens poderosos da indústria de entretenimento dos Estados Unidos.

Muitas das celebridades levaram como convidadas ativistas que combatem a violência sexual e são líderes de movimentos feministas em prol da igualdade salarial, fim da intimidação masculina em ambientes de trabalho e melhor representatividade feminina na sociedade e mídia.

Um dos momentos mais emblemáticos do tapete vermelho ocorreu durante entrevista ao vivo da atriz Debra Messing (Will & Grace) para o canal E!. Ela fez questão de trazer à tona a polêmica que envolveu a apresentadora Catt Sadler e o canal, no mês passado. Catt pediu demissão ao descobrir que seu colega de bancada ganhava o dobro do seu salário, mesmo executando as mesmas funções.

"Eu fiquei tão chocada ao descobrir que o canal E! não paga às suas apresentadoras o mesmo que paga aos apresentadores [do mesmo programa]", desabafou Debra. "Eu sinto falta de Catt Sadler e nós estamos do lado dela. Queremos que as pessoas passem a perceber que as mulheres são tão valiosas quanto os homens."

Veja a lista completa dos vencedores, em negrito, do Globo de Ouro nas categorias de TV:

Melhor série dramática
The Crown (Netflix)
Game of Thrones (HBO)
The Handmaid’s Tale (Paramount Channel)
Stranger Things (Netflix)
This Is Us (Fox Life)

Melhor série de comédia ou musical
Blackish (Canal Sony)
Master of None (Netflix)
Smilf
The Marvelous Mrs. Maisel (Amazon)
Will & Grace

Melhor minissérie ou filme feito para TV
Big Little Lies (HBO)
Fargo (Netflix)
Feud: Bette and Joan (Fox Premium)
The Sinner (Netflix)
Top of the Lake: China Girl (Crackle)

Melhor atriz de série dramática
Caitriona Balfe (Outlander)
Claire Foy (The Crown)
Elisabeth Moss (The Handmaid’s Tale)
Katherine Langford (13 Reasons Why)
Maggie Gyllenhaal (The Deuce)

Melhor ator de série dramática
Bob Odenkirk (Better Call Saul)
Freddie Highmore (The Good Doctor)
Jason Bateman (Ozark)
Liev Schreiber (Ray Donovan)
Sterling K. Brown (This Is Us)

Melhor atriz de série de comédia ou musical
Alison Brie (Glow)
Frankie Shaw (Smilf)
Issa Rae (Insecure)
Pamela Adlon (Better Things)
Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)

Melhor ator de série de comédia ou musical
Anthony Anderson (Blackish)
Aziz Ansari (Master of None)
Eric McCormack (Will & Grace)
Kevin Bacon (I Love Dick)
William H. Macy (Shameless)

Melhor ator de minissérie ou filme feito para TV
Ewan McGregor (Fargo)
Geoffrey Rush (Genius)
Jude Law (The Young Pope)
Kyle MacLachlan (Twin Peaks)
Robert De Niro (The Wizard of Lies)

Melhor atriz de minissérie ou filme feito para TV
Jessica Biel (The Sinner)
Jessica Lange (Feud: Bette and Joan)
Nicole Kidman (Big Little Lies)
Reese Witherspoon (Big Little Lies)
Susan Sarandon (Feud: Bette and Joan)

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie, ou filme para TV
Ann Dowd (The Handmaid’s Tale)
Chrissy Metz (This Is Us)
Laura Dern (Big Little Lies)
Michelle Pfeiffer (The Wizard of Lies)
Shailene Woodley (Big Little Lies)

Melhor ator coadjuvante em série, minissérie ou filme para TV
Alexander Skarsgard (Big Little Lies)
Alfred Molina (Feud: Bette and Joan)
Christian Slater (Mr. Robot)
David Harbour (Stranger Things)
David Thewlis (Fargo)

Leia também

 

 

Enquete

Quem deve ter o pior final em Deus Salve o Rei?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook