UNBREAKABLE KIMMY SCHMIDT

Demitido de House of Cards, Kevin Spacey vira piada em comédia da Netflix

REPRODUÇÃO/NETFLIX

Kimmy (Ellie Kemper) lê reclamações de assédio contra ela, numa referência a Kevin Spacey - REPRODUÇÃO/NETFLIX

Kimmy (Ellie Kemper) lê reclamações de assédio contra ela, numa referência a Kevin Spacey

GABRIEL PERLINE - Publicado em 05/06/2018, às 05h08

[Atenção: este texto contém spoilers]

Kevin Spacey virou motivo de piada em Unbreakable Kimmy Schmidt, comédia da Netflix que teve a primeira parte de sua quarta e última temporada lançada na semana passada. O ex-protagonista de House of Cards, demitido em novembro de 2017 pela gigante do streaming após ser acusado de abusar sexualmente de um menor de idade, é citado em uma piada sobre assédio.

No primeiro episódio, Kimmy Schmidt (Ellie Kemper) aparece como gerente de Relações Humanas de uma empresa e tem como missão demitir um funcionário. Para não chateá-lo, ela decide adotar um método diferente no desligamento, que inclui massagem nas costas, uma fala de teor sexual e um striptease acidental. Resultado: acaba denunciada ao dono da agência por assédio sexual.

"Eu não sou um Weinstein, ou um Spacey, ou o presidente", diz a personagem ao melhor amigo, Titus Andromedon (Tituss Burgess).

Na cena em que se refere ao antigo astro da Netflix, Kimmy lê as reclamações feitas por seus colegas de trabalho a respeito de seu comportamento excessivo na empresa. Contato físico inadequado faz parte dos apontamentos.

A demissão de Kevin Spacey rendeu um prejuízo de US$ 39 milhões (R$ 146 milhões, aproximadamente) à Netflix. As gravações da sexta e última temporada já haviam começado, e todo o material precisou ser descartado e o roteiro reescrito, para deixar Robin Wright, intérprete de Claire Underwood, como única protagonista.

Tina Fey, criadora de Unbreakable Kimmy Schmidt, usou de seu humor ácido para apontar problemas atuais vividos em Hollywood, como os atores e diretores denunciados por assédio, a representatividade dos negros e o movimento #MeToo.

"Mas Tripp [Paul Walter Hauser] é um garoto branco rico. Hollywood só quer isso. Veja as irmãs Mara [Kate Mara e Rooney Mara], Dakota Johnson, Armie Hammer, Kate Hudson, Nick Kroll, John Mulaney, o elenco de Girls...", diz Jacqueline White (Jane Krakowski), ao comentar a facilidade de conseguir um trabalho como ator para seu novo agenciado, Tripp Knob.

Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, também entrou na mira de Tina Fey e é citado diversas vezes de forma pejorativa na nova temporada.

O vilão da série, o golpista Richard Wayne Gary Wayne (Jon Hamm), é tema de uma reportagem fictícia, que mostra sua biografia no terceiro episódio. Entre os detalhes revelados, diz que Wayne trabalhou como professor adjunto na Universidade Trump.

Além disso, a reportagem mostra trechos de depoimentos do presidente norte-americano durante o período de campanha, no qual ele rebatia as denúncias de assédio sexual feitas por Jessica Leeds. Ela disse ter sido molestada por Trump durante um voo na década de 1980.

"A masculinidade está sendo recriminada neste país. Mulheres são o problema. As coisas iam bem até começarmos a deixá-las tomarem decisões", diz o personagem, o pastor de Jon Hamm.

A quarta temporada de Unbreakable Kimmy Schmidt foi dividida em duas partes. Na primeira, seis episódios foram liberados. A outra metade será lançada em 25 de janeiro de 2019, dando fim à série.

Leia também

 

 

Enquete

Quem deve ter o pior final em Deus Salve o Rei?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook