20 anos

Contrato sem nudez e 42 namorados: sete curiosidades sobre Sex and the City

Imagens: Divulgação/HBO

Sarah Jessica Parker e Kim Cattrall em Sex and the City; uma não aparecia nua, a outra pegava todos - Imagens: Divulgação/HBO

Sarah Jessica Parker e Kim Cattrall em Sex and the City; uma não aparecia nua, a outra pegava todos

JOÃO DA PAZ - Publicado em 06/06/2018, às 05h48

Comédia vencedora de sete Emmys, que gerou dois filmes bem-sucedidos e uma série filhote, Sex and the City completa 20 anos nesta quarta (6). A atração sobre quatro amigas em Nova York marcou uma geração e tinha suas peculiaridades, como a protagonista cujo contrato proibia cenas de nudez e a personagem que teve 42 namorados.

Criada por Darren Star (Barrados no Baile, Melrose Place), a série da HBO adaptou o livro homônimo escrito pela jornalista Candace Bushnell, uma coletânea de crônicas. A história narra o cotidiano de quatro mulheres, três na casa dos 30 anos e uma quarentona, e explora a vida profissional, social e sexual do grupo.

Confira sete curiosidades de Sex and the City, série que entrou para a história como a primeira comédia da TV paga norte-americana a ganhar um Emmy, em 2001:

Sarah Jessica Parker e Chris Noth em cena de Sex and the City; ele mostrava o peito, ela não

Nada de nudez
A protagonista era Sarah Jessica Parker, intérprete da escritora Carrie Bradshaw, que assinava a coluna Sex and the City para o jornal New York Observer. Diferentemente de suas colegas de série, Sarah nunca apareceu nua. No máximo, só de lingerie. Nem na hora do sexo ela tirava o sutiã.

Isso porque a atriz tinha uma cláusula em seu contrato que proibia qualquer cena com nudez. Em entrevista para a revista Elle, na edição de fevereiro deste ano, Sarah chegou a dizer que chorava ao negar pedidos insistentes dos produtores. "Eles me diziam 'Sarah Jessica vai ficar nua amanhã', e eu rebatia 'Eu não vou ficar nua!'".

Os questionamentos feitos por Carrie (Sarah) deixavam o telespectador assim, pensativo...

92 perguntas durante a série
Carrie também era a narrador, e uma das suas marcas era provocar os seus leitores fictícios (e os telespectadores da série) com as mais diversas perguntas sobre relacionamentos. Ao todo, foram 92 questionamentos.

As indagações eram de todos os tipos: filosóficas ("Em uma cidade tão cínica como Nova York, ainda é possível acreditar em amor à primeira vista?"), provocativas ("No amor, ações valem mais do que palavras?") e confusas ("Em relacionamentos, como saber se o bastante é o bastante?").

A atriz brasileira Sônia Braga atuou em três episódios da quarta temporada de Sex and the City

41 namorados e 1 namorada (brasileira)
A personagem mais sexual da comédia foi Samantha Jones, vivida por Kim Cattrall. O lema da loba fogosa era se relacionar com uma pessoa somente uma vez, e depois partir para a próxima.

Nessa empreitada, ela fez sexo com um bilionário de 72 anos, tirou a virgindade de um universitário caipira, topou uma aventura com um baixinho bom de cama e cedeu até ao charme de uma brasileira, chamada Maria, interpretada por Sônia Braga. Samantha é uma das personagens no mundo das séries mais namoradeiras, só perde para Elaine (Julia Louis-Dreyfus), de Seinfeld

O ator Bill McHugh ao lado de Donald Trump na segunda temporada da comédia, em 1999 

Conexão Donald Trump
A lista de Samantha quase ganhou um nome infame: Donald Trump. Na segunda temporada, ela paquerou o milionário empresário em um bar. A ligação da série com o agora polêmico presidente não terminou por aí. Ele entregou para a atriz Cynthia Nixon o Emmy de melhor atriz coadjuvante na premiação de 2004.

A relação de Trump, taxado de misógino, não é boa com as atrizes da comédia. Ele até publicou no Facebook que Sarah Jessica "foi eleita a mulher menos sexy [do ano]", relembrando uma votação feita pela revista Maxim, em 2007.

Antes de Trump se eleger, Sarah disse que estava "aterrorizada" com a possibilidade de o empresário vencer. Hoje Cynthia é filiada ao Partido Democrata, rival de Trump, e lançou campanha para ser governadora de Nova York.

Cena do casamento de Charlotte (Kristin Davis) com Trey (Kyle MacLachlan); parentes de fora

Família excluída
Uma raridade em Sex and the City era a aparição ou qualquer citação a um parente das quatro personagens. Isso ocorria porque o foco da história deveria só ficar no grupo de amigas, de acordo com o produtor-executivo Michael Patrick King.

Nem em casamento os familiares davam as caras. No primeiro casório da Charlotte (Kristin Davis) com Trey (Kyle MacLachlan), a série mostrou apenas um pedaço do rosto do pai da personagem.

Kristin Davis com Sarah Jessica Parker em Sex and the City; histórias escritas por mulheres

Roteiristas solteiras
Michael Patrick King preferia trabalhar com mulheres solteiras na sala de roteiristas, para dar uma visão mais apurada e fidedigna às emoções e aos perrengues vividos pelas personagens. Ele chegou a ter cinco mulheres tocando uma temporada.

No total, 15 mulheres roteiristas passaram pela série, incluindo Jenji Kohan, criadora de Orange Is the New Black. Divorce, série atual de Sarah Jessica Parker, tem cinco produtoras que já escreveram episódios para Sex and the City.

Justin Theroux em dois momentos com Sarah Jessica Parker, como Jared (à esq) e Vaughn

Um ator, dois personagens
Ex de Jennifer Aniston, a Rachel de Friends, o ator Justin Theroux deu vida a dois personagens em Sex and the City. Os dois assediaram Carrie (Sarah). O primeiro era um escritor chamado Jared, eleito pela New York Magazine um dos "30 caras mais legais com menos de 30 [anos]". O outro, chamado de Vaughn Wysel, era também um escritor. O primeiro levou um fora, mas o outro conseguiu sair com a colunista.

Leia também

 

 

Enquete

Você pretende assistir Lia, minissérie da Record?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook