Jornalismo

Análise: Amarrado, Jornal Nacional não sabe correr contra o tempo

Reprodução/TV Globo

William Bonner e Renata Vasconcellos no Jornal Nacional da última quarta: edição nervosa - Reprodução/TV Globo

William Bonner e Renata Vasconcellos no Jornal Nacional da última quarta: edição nervosa

DANIEL CASTRO - Publicado em 22/05/2017, às 05h29

Ainda obrigatório para a elite e para as massas, o principal telejornal do país é um elefante belo e vigoroso, mas lento, incapaz de se sobressair na competição com a velocidade dos portais e dos canais de notícias. As falhas apresentadas na semana passada com as denúncias contra o presidente Michel Temer confirmam: o Jornal Nacional não sabe correr contra o tempo.

Na quarta-feira (17), a equipe que produz o telejornal foi surpreendida, uma hora antes de entrar no ar, com a revelação bombástica do jornal O Globo de que Temer havia caído na teia da Lava Jato. Conseguiu produzir uma edição quente, tensa, mas que nada acrescentou ao que já estava na internet, como bem observou o crítico Mauricio Stycer.

No ar, William Bonner se deparou com um texto que chamava Temer de "ex-presidente". Por pouco, o apresentador e editor-chefe do JN não escorregou na casca da banana plantada pelo redator, que havia colocado o "ex" no teleprompter. Sua colega de bancada Renata Vasconcellos parecia nervosa, passando ao telespectador a impressão de que não se sentia segura do que tentava informar.

Nos dias seguintes, muita coisa mudou. Apesar de cometer "imprecisões", como relatar que contas no exterior do delator premiado Joesley Batista seriam dos ex-presidentes Dilma Rousseff e Lula, o JN deu show de edição.

Na quinta (18), traçou um painel completo da crise durante uma hora e meia. E, prova de que prendeu o interesse do público, teve 35,4 pontos de média na Grande São Paulo, seu melhor ibope desde a Rio 2016.

Não foi a primeira vez (nem terá sido a última) que o Jornal Nacional foi atropelado pela notícia de última hora. Na cobertura da crise política que se arrasta desde 2014, os apresentadores do JN já se viram lendo diálogos de grampos da Polícia Federal porque não teria havido tempo de editar e legendar as falas originais, coisa que a GloboNews já tinha feito horas antes.

O canal de notícias da casa, aliás, vive dando banhos de cobertura no telejornal, apesar de ter menos recursos.

O Jornal Nacional sofre quando se depara com uma notícia de última hora porque é extremamente amarrado. Tudo o que veicula, até mesmo uma nota pelada (como são chamadas as notícias lidas pelos apresentadores, sem imagens), passa pelo crivo de Silvia Faria, diretora nacional de jornalismo, e Ali Kamel, diretor responsável por seu conteúdo.

Os textos do JN "sobem e descem" diversas vezes durante a edição. Nesse processo, perde-se agilidade e a capacidade de surpreender o público com uma edição mais criativa e bem acabada. Quando a edição do dia começa a ser planejada às 9h da manhã, e não às 19h, tudo sai perfeito. E telejornal não deveria ser só edição. O JN ainda nos deve um grande furo da crise política.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

Notícias da TV Recomenda

Esquadrão Bizarro

Esquadrão Bizarro

Ficha técnica: Série, EUA/Canadá, 2014. Criação: Tim McKeon, Adam Peltzman. Elenco: Dalila Bela, Filip Geljo, Millie Davis, Anna Cathcart e Isaac Kragten. Disponível no Gloob Play e no Now.

Sinopse: O Esquadrão Bizarro é uma organização formada por agentes pré-adolescentes que resolvem problemas peculiares sempre usando conhecimentos e habilidades de matemática. Eles também frequentam um laboratório e usam equipamentos supertecnológicos criados por cientistas durante suas investigações.

Por que assistir: Os episódios de cerca de dez minutos sempre apresentam casos diferentes e criativos que prendem a atenção dos pequenos telespectadores, como de pessoas sugadas por um videogame ou de um agente que se transforma em sofá. Premiada por melhor performance de atores infantis, direção, figurino e maquiagem pelo Daytime Emmy Awards, a atração é um sucesso internacional.

Assista agora no NOW

+ Lidas

Bloco de Notas

Amor acaba

Gillian Jacobs e Paul Rust em Love; comédia termina com a terceira temporada - Divulgação/Netflix A terceira temporada de Love será a última. A comédia da Netflix, do showrunner Judd Apatow (Girls), retornará com novos episódios em 9 de março, com a oportunidade de dar um desfecho apropriado à história ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Quem você gostaria que substituísse Cátia Fonseca no Mulheres?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook
Fechar