Novela das nove

O Outro Lado do Paraíso: Após atentado, Nádia vira empregada de Raquel

Reprodução/TV Globo

Eliane Giardini (Nádia) em O Outro Lado do Paraíso; megera racista é obrigada a servir juíza - Reprodução/TV Globo

Eliane Giardini (Nádia) em O Outro Lado do Paraíso; megera racista é obrigada a servir juíza

REDAÇÃO - Publicado em 11/01/2018, às 07h20

Nádia (Eliane Giardini) vai ter que engolir o racismo e servir Raquel (Erika Januza) nos próximos capítulos de O Outro Lado do Paraíso. A juíza será vítima de um atentado ordenado por Sophia (Marieta Severo) e por pouco não ficará paraplégica. Com isso, Bruno (Caio Paduan) ameaçará sumir de casa para obrigar a mãe a servir de empregada para a amada.

Depois de ser atropelada e receber alta, a magistrada será levada para a casa do delega, que dará instruções para a mãe sobre os cuidados. "Dar comida, banho. A Raquel fica no meu quarto. Quando eu tiver em casa, eu ajudo. Quando não, você dá uma fugidinha do salão. Cozinha pra ela", explicará ele. “Eu, servir uma negra?”, protestará Nádia.

Bruno ameaçará a dondoca que ela está sendo racista e pode ser presa. "Em vez disso, você serve a Raquel. Ou serve a Raquel ou eu vou embora de casa agora mesmo, e nem venho te visitar. Sumo da tua vida", prometerá ele.

Sem escolha, Nádia seguirá a ordem do filho, mas não poupará a nora de provocações. Raquel dirá que aceita ficar no quartinho de empregada, e a dondoca retrucará. "Imagina, aquele é o quarto da senzala. Desculpe, foi maneira de dizer", disparará.

Raquel agradecerá Bruno pelos cuidados. Nádia, no entanto, não se conformará em servir a ex-empregada. "Trouxe um lanche para você. Ouvi quando disse que se sentia uma princesa. Quem diria, não é? Eu, servindo uma negra do quilombo", comentará a megera.

"O mundo dá voltas. Eu sei que não está feliz, dona Nádia, por ter que me suportar. Mas eu vim porque preciso e porque o Bruno insistiu. Já que estou aqui, vou me cuidar, me recuperar. Ficar boa. A senhora, goste ou não, tem que me engolir. Pode me chamar de negra, eu tenho orgulho de ser negra. A senhora é que não devia ter orgulho por ser racista. Já que estou aqui, espero que cozinhe muito bem. Vai me servir", retrucará a magistrada.

A troca de farpas entre as rivais não cessará, e Raquel aproveitará as oportunidades para retrucar as provocações da sogra. "Ainda bem que não continua como faxineira, seria impossível voltar ao trabalho tão cedo já que tem que se recuperar. Aliás, faxineira não faz fisioterapia, faz?", perguntará Nádia.

"Tem direito a fazer. Só que o sistema público nem sempre oferece o que devia oferecer. A comida está um pouco salgada. Se importa de me trazer um copo d'água? Esqueceu da água. Eu preciso me hidratar", pedirá a juíza.

"Obrigada. Já disse que a senhora está me tratando muito bem?", agradecerá Raquel. "Não disse, mas se é o que pensa, saiba que adoro você. Sonho com o dia em que se casará com meu filho", mentirá a mãe de Bruno. "Não minta mais que é pecado. Pode cair um raio na sua cabeça", rebaterá a personagem de Erika Januza.

As cenas irão ao ar a partir do dia 7.


Confira cinco reportagens especiais sobre O Outro Lado do Paraíso:

De mimada a 'bicha pão com ovo': os sete mais odiados de O Outro Lado
Clara rejeitada e prisão de pedófilo levaram fãs da novela à loucura
De mocinha sem sexo a pacto com a morte: o fantástico mundo de Walcyr Carrasco
'A primeira tesourada é inesquecível', diz atriz que interpretou vilã da trama
Chega de achincalhar: cinco vezes em que O Outro Lado arrasou

Leia também

 

 

Últimas de O Outro Lado do Paraíso

Enquete

Quem deve ter o pior final em Deus Salve o Rei?

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook