DESCENTRALIZAÇÃO

Ancine vai investir R$ 100 milhões em séries fora do eixo Rio-São Paulo

Divulgação/Solo Filmes

Alexandre Cioletti em cena do especial Santino e o Bilhete Premiado, exibido pela Globo Minas - Divulgação/Solo Filmes

Alexandre Cioletti em cena do especial Santino e o Bilhete Premiado, exibido pela Globo Minas

LUCIANO GUARALDO, em Belo Horizonte - Publicado em 26/08/2017, às 06h59

Maiores polos econômicos e culturais do país, São Paulo e Rio de Janeiro ainda são os principais produtores de conteúdo audiovisual brasileiro. Mas a Ancine (Agência Nacional do Cinema) vai investir pesado para que outras regiões comecem a ganhar espaço nesse mercado. A ideia é destinar R$ 100 milhões por ano para a produção de séries fora do eixo.

Durante a MAX (Minas Gerais Audiovisual Expo), feira de fomento à produção criativa brasileira que acontece em Belo Horizonte até este sábado (26), a diretora-presidente da Ancine, Debora Ivanov, mostrou uma nova política de descentralização.

Na proposta, aprovada pelo comitê-gestor do órgão federal em julho, produtoras não localizadas no Rio ou em São Paulo terão uma dedução adicional de 50% do valor de pré-licenciamento de seus conteúdos para programadoras do eixo.

Ou seja: emissoras terão desconto se comprarem programas feitos em regiões menos populares. Também será estimulada a coprodução entre realizadoras de Rio e São Paulo com as de outros Estados.

Segundo dados apresentados por Debora, o Brasil tem mais de 9 mil produtoras de conteúdo. Dessas, 3.488 estão em São Paulo e 1.840 no Rio de Janeiro. Mais de 50% das realizadoras estão concentradas em dois Estados. Terceiro colocado, o Rio Grande do Sul tem apenas 574.

"Essa discrepância é notável e precisa ser reduzida. Por isso, estamos incentivando a descentralização da produção", disse Debora. Dos R$ 100 milhões destacados, R$ 94 milhões irão para as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. A região Sul e os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo dividirão os outros R$ 6 milhões.

Por lei, 30% do valor do FSA (Fundo Setorial Audiovisual) é destinado às regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, enquanto 10% vai para Sul, Minas e Espírito Santo. Porém, esses percentuais dificilmente são cumpridos pelas produtoras locais e a verba acaba se perdendo.

"Acho importante valorizarmos as produções regionais porque representam a riqueza da nossa cultura e reafirmam a identidade de cada área", discursou Debora.

Na sexta (25), um painel da MAX abordou um exemplo de produção regional bem-sucedida: o especial de fim de ano Santino e o Bilhete Premiado, feito pela Solo Filmes, do diretor Guilherme Fiúza Zenha, e exibido pela Globo Minas no ano passado, com curadoria artística de Jayme Monjardim.

A ideia de descentralização parece ser bem aceita entre players importantes do mercado. Diretora de conteúdo original do grupo A&E, Krishna Mahon parabenizou a Ancine. "Nós já fizemos alguns programas fora do eixo e rendem resultados interessantes. Se esse incentivo gerar mais produções, será muito bem-vindo", disse.

Luca Paiva Mello e Roberto Martha, da Scriptonita Films, também valorizaram a iniciativa. "Estamos desenvolvendo projetos com uma equipe do Piauí. Em termos de cultura regional, é uma das coisas mais empolgantes que eu já fiz", adiantou Luca.

Leia também

Comentários

Política de comentários

Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Não serão aceitos comentários anônimos nem que firam leis e princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas. Assim, comentários caluniosos, difamatórios, preconceituosos, ofensivos, agressivos etc. serão excluídos pelos moderadores do site. Também não serão aceitos comentários com links e propaganda de produtos, serviços e dietas.

 

Notícias da TV Recomenda

True Detective

True Detective

Ficha técnica: Drama, EUA, 2014. Criação: Nic Pizzolatto. Elenco: Matthew McConaughey, Woody Harrelson, Michelle Monaghan, Colin Farrell, Rachel McAdams, Taylor Kitsch, Vince Vaughn. Disponível na HBO e no Now.

Sinopse: A produção da HBO tem a proposta de a cada temporada retratar uma investigação criminal diferente. A primeira traz a caça a um serial killer, narrada em um intervalo de 17 anos. Já a segunda mostra três policiais californianos envolvidos em um caso sobre a morte de um empresário, que leva à descoberta de uma rede de corrupção.

Por que assistir: As duas temporadas são interessantes e têm seus pontos fortes, mas a de estreia é de longe a melhor, comparada a um filme de longa duração. Com cinco Emmys, incluindo melhor direção (Cary Joji Fukunaga), a trama cheia de referências filosóficas e cristãs foi sucesso de público e agradou à imprensa. Chama muito a atenção as atuações afiadas de Woody Harrelson e Matthew McCounahey, os detetives da trama.

Assista agora no NOW

+ Lidas

Bloco de Notas

Britannia na Fox

O dinamarquês Nikolaj Lie Kaas em cena da série Britannia: estreia em 1º de abril - Divulgação/Sky Atlantic A superprodução Britannia, que mostra o avanço dos romanos sobre o território britânico, chegará ao Brasil em 1º de abril, no canal Fox Premium 2. Criada por Jez Butterworth, de 007 Contra Spectre, a série ... Leia +

Leia todas as notas

Enquete

Com quem Maria Vitória deve ficar em Tempo de Amar?

Redes sociais

Últimas notícias

Compartilhar no Facebook
Curta no Facebook